Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Triptofano

O teu aminoácido essencial!

Voltar a um Restaurante depois do Desconfinamento

19.05.20, Triptofano!

Ontem, dia 18 de Maio, os restaurantes voltaram a abrir, e o vosso Triptofano foi logo a correr porque já estava a ressacar de não ir comer fora à tanto tempo.

Eu sei que vocês estavam com saudades dos meus relatos de enfardanço monumental, mas neste post não vou falar sobre o que comi mas sobre a experiência de voltar a um restaurante depois de um desconfinamento.

O meu regresso a um restaurante depois do desconfinamento

Eu nervoso com todo o protocolo a ganhar alguma coragem líquida com um Strawberry Daiquiri da Mercantina Bistro 37

Confesso que quando estava a chegar à Mercantina Bistro 37, o restaurante escolhido para quebrar o jejum da quarentena, sentia-me estranhamente nervoso.

Visitar restaurantes nos últimos anos passou a ser algo de extremamente, não diria banal, mas frequente para mim, só que todo o protocolo que sabia que ia enfrentar fez-me ficar meio que apreensivo.

E sim, é algo tonto, porque usar máscara faz parte do meu dia-a-dia, desinfectar as mãos idem aspas aspas, só que para mim um restaurante é sinónimo de descontracção, e estes cuidados, apesar de cruciais para conseguirmos sair vitoriosos desta luta contra o Covid, relembram-nos que há um inimigo à espreita e que ainda não podemos respirar de alívio.

Quando cheguei à Mercantina Bistro 37, estava com medo de encontrar um restaurante completamente vazio, mas a verdade é que as pessoas estão tão desejosas como eu de voltar à sua vida normal, por isso pela janela verifiquei que havia várias mesas ocupadas.

Agora estaria o restaurante a cumprir os protocolos impostos?

Mal entrei, com a máscara posta, passei por um tapete desinfectante, algo que nunca tinha visto, uma espécie de esponja gigante que mata qualquer vírus do demo que tenha vindo agarrado às nossas solas dos sapatos. A receber-nos estava uma funcionária com máscara e viseira, que nos apontou o dispensador de gel para desinfectarmos as mãos.

Quando entrei para dentro do restaurante percebi que todos os funcionários estavam de máscara e viseira, que havia muitas mesas "inutilizadas" para manter a distância de segurança e que as que eram possíveis de ser ocupadas tinham ainda acrílicos.

Encaminharam-me para uma mesa no fundo do restaurante, e informaram-me que enquanto estivesse sentado poderia tirar a máscara, mas sempre que precisasse de circular devia colocá-la.

Agora deixem-me dizer-vos que por vezes não é fácil a comunicação com alguém que está a usar uma máscara e uma viseira, porque o som sai mais abafado, mas com boa vontade e com umas vinte repetições (que eu sou duro de ouvido) tudo se consegue.

O menu vem em páginas soltas plastificadas, mas é entregue também um QR Code tamanho gigante para podermos fazer o download do menu para explorarmos a parte das bebidas e para ficarmos com ele no nosso telemóvel para uma próxima visita.

Todos os talheres que chegam à mesa são pulverizados mesmo à nossa frente, e nós é que temos de os tirar da bandeja, de forma a não haver contacto por parte do funcionário depois da desinfecção.

Também o terminal de multibanco, que está pronto para ser usado com todos os métodos de pagamento que não envolvem contacto, é pulverizado depois de o usarmos (paguei com cartão de refeição que obriga o contacto com a máquina), sendo que o mesmo está protegido por película para não morrer afogado.

E basicamente foi esta a nova realidade da restauração que encontrei na Mercantina Bistro 37. Se todos os restaurantes cumprem este protocolo não sei, mas posso-vos dizer que fiquei extremamente agradado com a coragem do restaurante abrir logo no primeiro dia e com todo o rigor que puseram em minimizar a probabilidade de uma pessoa ficar Covidada, que digo desde já é praticamente nula, a não ser que o bicho estivesse à minha espera no urinol visto que só levei máscara na parte de cima, se é que me entendem!

Agora algo que eu vou ter seriamente de mudar é a minha mania de lamber os dedos, visto que o sabor que me fica na boca acaba por não ser o das iguarias mas sim o do gel desinfectante. Por isso acabou o usar o dedo para tirar aquele resto de molho do prato - a partir de agora vou ter que ir lá directamente com a língua...

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.