Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Triptofano

Como ser 20% mais feliz?

16
Ago18

Santorini - Um restaurante Grego em Terras Lisboetas


Nos meus tempos de universidade tive a possibilidade de ir fazer a minha tese de mestrado em regime Erasmus, o que me permitiu fazer as malas e passar três meses num país estrangeiro.

 

O meu destino foi a Grécia e confesso que em parte a escolha foi devida ao sucesso colossal que o Mamma Mia tinha tido recentemente.

 

Imaginava-me livre e contente a dar saltinhos montes abaixo enquanto cantava a plenos pulmões o Dancing Queen e a viver um tórrido romance de verão.

 

A realidade mostrou-se ligeiramente diferente, visto que havia montes mas da minha parte não saiu nenhuma cantoria mas sim litros de suor e muitas palavras censuradas, e o mais perto que tive de viver um romance de verão foi uma série de encontros com um moço que tinha uma mão de manequim exposta na entrada de casa e que me fez temer pela minha vida.

 

Porém, apesar das minhas expectativas de fazer parte de um musical da vida real terem sido defraudadas, a vida na Grécia trouxe-me coisas maravilhosas, entre elas a comida.

E por ter comido tão bem por terras helénicas é que quando voltei a Portugal me recusei a procurar restaurantes gregos, porque algo me dizia que ia ficar desiludido.

 

Tamanha abstinência durou quase 10 anos, até que decidi enfrentar os meus medos e visitar o Santorini Coffee em Arroios.

 

Quando se entra percebe-se que o nome do espaço não podia ser mais apropriado, a decoração em azul e branco faz lembrar a ilha de Santorini, e para criar um ambiente mais envolvente a música de fundo é grega! (pelo menos eu ia jurar que era grega, mas o barulho das mesas ao lado não me permitiu tiras as dúvidas utilizando o shazam)

 

Para entradas pedimos umas azeitonas Kalamata (que se distinguem pela seu tamanho, cor negra e textura suave) temperadas na perfeição, uns deliciosos pastéis de arroz enrolados em folha de videira chamados Dolmadakia e o ponto alto da nossa refeição, um Feta Tiganiti, que é nada mais nada menos que uma fatia de Feta panada com ovo e sementes de sésamo, frita, e com uma cobertura de mel. 

 

Uma dica de amigo, se pedirem esta pequena maravilha, no fim, não tenham vergonhas e passem o dedo pelo prato para lamberem o mel que lá fica. É simplesmente de outro mundo.

 

Os pratos principais que vieram para a mesa foram a Moussaka grega, muito bem feita e repleta de sabor, e um prato de Gyros à moda de Creta, que é uma versão ligeiramente diferente daquela que se encontra por exemplo em Atenas mas que não lhe fica nada atrás. No Gyros o pão pita estava crocante, indiciando frescura, e a carne tinha todos os temperos certos!

 

Para terminar a refeição veio para a mesa um Galaktoboureko para partilhar, uma sobremesa que nos deixa a língua toda enrolada só de tentarmos pronunciar o seu nome, que é basicamente uma torta de leite com massa folhada, mas com um custard tão espesso que se torna complicado comê-la sozinha, já que não é uma sobremesa leve mas sim densa e pesada (mas muito saborosa!).

 

Além da comida deliciosa que se encontra no pequeno Santorini Coffee (recomendo reservarem uma mesa para terem a certeza que encontram lugar) também o atendimento merece destaque.

Simpático, rápido, prestável, eficiente, verdadeiramente de se lhe tirar o chapéu.

 

Nem o quadro eléctrico a disparar um par de vezes, ou os pingos do ar condicionado ou o ligeiro cheiro a fritos que nos ficou na roupa no fim da refeição foram suficientes para ficarmos com má impressão do local.

 

A comida e o atendimento são tão bons que tudo o resto se perdoa. É realmente o efeito Hallo no seu potencial máximo!

 

 

Santorini Coffee

Santorini Coffee

Santorini Coffee

Santorini Coffee

Santorini Coffee

Santorini Coffee

Santorini Coffee

 

 

 

Santorini Coffee Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

13
Ago18

Burrata - Pizzaria Artesanal


Preparem-se para uma revelação chocante!!!!

 

Eu sou uma daquelas pessoas que gosta de fruta na pizza.

 

Sim, eu gosto de fruta na pizza e não tenho vergonha em admitir. Podem-me vir dizer que tal coisa não existe em Itália mas pelo menos é mais saudável do que comer pizza com massa ou batatas fritas em cima, algo bastante típico dos nossos colegas europeus.

 

Por isso quando fui à Burrata - Pizzaria Artesanal, apenas a dois passos de distância de minha casa em Benfica, os meus olhos brilharam quando vi a Bananarana, uma pizza com chourição e banana.

 

O único impedimento para me enfardar com tal delícia era o cara-metade, que já sabia que me ia fulminar com o olhar até me atingir o tutano.

 

A Burrata é uma pequena pizzaria em Benfica, aconchegante e que transmite boas energias logo à chegada, ficando facilmente cheia (aposto que vem tudo por causa da Bananarana), cujo menu é simples e nos é entregue em mão ou se formos um bocadinho míopes (como eu) podemos vê-lo em grande escala desenhado na parede.

 

Para entrada pedimos uns croquetes de mozzarela. Sinceramente questiono-me porque é que não há como entrada uma burrata regada com azeite e rodeada de tomate cherry no menu - sempre tinha mais história para contar ao nosso paladar dos que os croquetes, que apesar de estarem OK não eram memoráveis!

 

Quanto às pizzas, depois de perceber que não valia a pena ter de ouvir o cara-metade durante hora e meia a dissertar sobre como fruta na pizza é um pecado, decidi pedir o "prato da casa", a pizza La Burrata. O cara-metade seguiu o meu exemplo mas adicionou um extra de gorgonzola.

 

A La Burrata é uma dádiva para os amantes da pizza romana, por isso quem vier a este espaço à procura de uma pizza com massa alta e fofa desengane-se.

 

O que vai encontrar é uma pizza cheia de personalidade com os cantos aparados para que caiba no prato, com uma massa fina deliciosamente crocante (é por causa destas características que também responde  pelo nome de scrocchiarella), uma burrata muito gulosa, um molho de tomate ligeiramente mais doce do que é corriqueiro se encontrar, umas lascas de presunto di parma de fazer perder a cabeça e rúcula-tira-culpas-afinal-isto-é-saudável-mesmo-sem-a-banana no topo a fechar bem o conjunto!

 

O atendimento foi simpático e rápido, apesar de ligeiramente atabalhoado, talvez também devido às dimensões do espaço.

 

A Burrata é certamente um sítio que merece uma segunda visita, nem que seja sozinho e de óculos escuros para comer a Bananarana sem ter ninguém a julgar-me!

 

Burrata - Pizzaria Artesanal

Burrata - Pizzaria Artesanal

Burrata - Pizzaria Artesanal

Burrata - Pizzaria Artesanal

Burrata - Pizzaria Artesanal

 

 

Burrata - Pizzaria Artesanal Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

05
Ago18

Gelato Davvero


Na procura constante de novos locais para nos deliciarmos com as melhores opções gastronómicas da cidade há que ter em conta uma regra de ouro: não ter vergonha na cara!

 

Foi esta pérola de sabedoria que transmiti a uma amiga quando ela me contou que ouviu uns desconhecidos que passavam por ela a falar de uma gelataria boa e barata na zona de Santos, gelataria esta cujo nome não descobriu porque teve vergonha de interpelar as pessoas e perguntar do que é que falavam.

 

Se ouvirem alguém falar de um sítio fenomenal onde se pode almoçar e não conseguirem de forma despercebida entender qual o nome do local, não se acanhem!

 

Ponham o vosso melhor sorriso, digam que não estavam a ouvir a conversa desde há 45 minutos para não darem um ar demasiado assustador, e perguntem qual o nome, preço, horário e must-have desse local de que estão a falar.

 

Acreditem que a maioria das pessoas vai partilhar convosco a informação de bom agrado, afinal o amor pela comida une-nos mais do que nos afasta.

 

Mas voltando à história da Gelataria boa e barata em Santos: apesar da minha amiga não ter descoberto qual o nome, eu, qual detective privado, botei no Google a pesquisa gelataria boa e barata em Santos e o resultado foi o Gelato Davvero.

 

Se era essa a gelataria de que os desconhecidos falavam nunca saberei, mas as probabilidades são grandes, e mesmo que não fosse o Gelato Davvero foi uma das minhas melhores descobertas (apesar de me dar a sensação que toda a gente já conhecia o sítio menos eu) dos últimos tempos!

 

Um local grande, apinhado de clientes, mas cujo serviço rápido e eficiente despachou em três tempos.

 

A disposição dos lugares sentados é muito original, criando mais espaço útil para podermos descansar a apreciar o gelado - imaginem uma espécie de montanha cheia de recantos, é mais o menos o que encontram no Gelato Davvero.

 

Além desta visão muito eufemística também há um escorrega para os mais pequenos (ou para os maiores que não tenham comido demasiado gelado que migrou para as ancas e que impede a utilização confortável do escorrega) e duas máquinas de jogos para os mais revivalistas.

 

Os preços não são caros, por dois euros conseguimos um pequeno copo apinhado de três sabores.

 

Escolhi o de maracujá, o de mirtilo e o de melancia. Deliciosos!!!!

 

Ainda tive o descaramento de enfiar a minha colher em sabores tão distintos como caramelo salgado, ananás, caju e limão, e todos eles eram extremamente saborosos.

 

Aviso desde já que os sabores disponíveis estão apresentados em várias línguas, com destaque para o italiano. Por isso se ficarem dez minutos a tentar perceber o que é um Cocomero e porque é que raio os cocos agora são vermelhos, leiam a tradução (em letras muito mais pequenas) em português, para descobrirem que afinal cocomero é melancia!

 

E o melhor de tudo é que aos sábados este paraíso dos gelado está aberto até à meia-noite. Ideal para uma sobremesa gulosa depois de um jantar com amigos ou como uma paragem para obter energia antes de uma noite inteira a dançar ao som da vibração da cidade de Lisboa!

 

Gelato Davvero

Gelato Davvero

Gelato Davvero

Gelato Davvero

Gelato Davvero

 

 

Gelato Davvero Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

01
Ago18

Longe da Vista Longe do Coração


Quantas vezes é que já ouviram a história de alguém que foi a um casamento e encheu o bandulho de marisco e no dia a seguir estava hospitalizado por causa de uma intoxicação alimentar?

 

Infelizmente para todos os amantes destas iguarias marinhas, o marisco é extremamente sensível e acarreta riscos de contaminação microbiana muito mais elevados que outros alimentos. Por isso é que é tão importante a sua correcta conservação de forma a não causar danos no sistema gastro-intestinal de quem os ingere.

 

Mas não, este post não é uma aula de microbiologia.

 

Imaginem que vão a uma marisqueira na Ericeira, simpática, bom ambiente, espaço agradável e com um staff profissional e disposto a ajudar.

 

Que pedem uma mariscada, muito bem servida, com percebes, camarões, sapateira recheada, búzios, caranguejos, ostras, enfim tudo o que vocês merecem.

 

E que o marisco está fresquinho, delicioso, e vocês passam uma boa hora entretidos a partir cascas com o martelo e a rezar que nenhuma seja projectada em direcção à mesa do lado e cegue uma pobre pessoa incauta.

E que para acompanhar são trazidos cestos de pão torrado que de tão bom que são que quase se esquecem que ainda tem meia mariscada para devorar.

 

Imaginem que no fim de tudo, estão vocês super satisfeitos e contentes com o restaurante mas a pensar que precisam de ir caminhar meia hora para fazer a digestão, enquanto esperam para receber a vossa factura, um empregado chega com os restos da mariscada de outra mesa.

 

E para vosso espanto pega nos camarões que restaram espetados no limão e os coloca numa travessa de alumínio.

 

O que é que vocês pensariam?

 

A) O serviço é tão fantástico que em vez de irem directamente para o lixo colocam os camarões primeiro numa travessa e depois sim no lixo.

 

B)  Acabaram-se as caixinhas para colocar sobras e vão entregar assim ao cliente para ele levar para casa.

 

C)  Vão voltar a usar os camarões noutra mariscada

 

D)  Como existe creme de marisco no menu os camarões resgatados vão ter uma nova vida na forma de creme

 

É incrível como uma excelente refeição na Marisqueira Ribas na Ericeira (terra dos ouriços e dos surfistas jeitosos) consegue ficar manchada por um pequeno detalhe que supostamente nunca devia ter sido visto por um cliente.

 

A verdade é que não sei o que aconteceu aos camarões, mas o problema é essa incerteza, porque da forma como a situação se procedeu tudo me leva a crer que foram aproveitados para o creme de marisco.

 

Não é que eu pense que os outros clientes andaram a lambê-los ou coisa do género, é simplesmente porque é muito fácil o marisco degradar-se e depois as intoxicações alimentares acontecem e as pessoas ficam admiradas porque é que aconteceu!!

 

Como diz o ditado, longe da vista longe do coração. E se eu não tivesse visto tinha saído com um sorriso no rosto. Assim tenho muita pena mas a dúvida não me deixa voltar com tranquilidade à Marisqueira Ribas. Pelo menos enquanto me lembrar do sucedido.

 

Marisqueira Ribas

Marisqueira Ribas

Marisqueira Ribas

Marisqueira Ribas

 

 

Marisqueira Ribas Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

30
Jul18

Onde há fumo há fogo!


Na passada sexta-feira uma amiga minha perguntou-me se não queria ir jantar com ela e mais dois amigos.

 

Respondi que sim, obviamente, e quando ela me perguntou se eu conhecia algum restaurante na zona do Príncipe Real imediatamente começaram a desfilar à frente dos meus olhos uma gigantesca lista de possibilidades.

 

Porém, quando ela me informou que os amigos eram da Polónia e da Arménia e que era simpático darmos-lhe a conhecer a comida típica portuguesa a minha lista de restaurantes diminuiu a olhos vistos.

 

E no momento em que me deu o orçamento aceitável por refeição vi o caso muito mal parado.

 

Felizmente, com a ajuda do Zomato conseguimos descobrir o Trivial, um restaurante de comida portuguesa no Príncipe Real com um preço bastante aceitável.

 

O único problema era o facto de muitas das críticas ao local terem um denominador comum - a antipatia de uma das funcionárias.

 

Optimista como eu sou pensei que as outras pessoas é que deviam ser muito picuinhas e provavelmente a senhora era assim um amor em forma de gente.

 

Só que não!

 

Extremamente simpática com os clientes da casa isso tenho de dar a mão à palmatória, mas com os novos já não posso dizer o mesmo.

 

Bem sei que nem todos somos obrigados a andar com os dentes à mostra, mas as pessoas esquecem-se que os clientes conseguem perceber quando quem os serve está a fazer um frete e preferia estar a dormir em casa do que a atender pessoas.

Além de que certas respostas em tom altivo/de superioridade quando um cliente pede algo também não são bem digeridas, mesmo que não tenhamos sido nós os alvos da resposta.

 

Se tivesse sido só isto a fazer-me comichão bem, tinha sido desagradável mas tolerável, só que não foi.

 

O Trivial é parceiro Zomato Gold, o que significa que teoricamente teria direito a um prato grátis.

 

Teoricamente - porque na prática não foi tão fácil.

 

Percebi logo que as coisas não iam correr suavemente quando pouco depois de me sentar informei um outro empregado (este muito simpático e profissional, não tenho nada a apontar ao senhor) que tinha o Zomato Gold e pretendia usá-lo.

 

A resposta foi que pronto, que me deixavam visto já estar sentado, mas que o que é correcto é fazer-se a reserva quando se está na rua.

 

Juro que voltei a ler as directrizes de funcionamento do Zomato Gold e em lado nenhum diz que tenho de fazer a reserva antes de estar no restaurante, apenas que tenho que mostrar a aplicação antes de fazer o pedido.

Quando me disseram que tinha também que escrever o meu nome ao fazer a reserva percebi que deviam estar a fazer confusão com outra app e não insisti.

 

O pior foi quando chegou a conta.

 

Como meu costume, verifiquei a dita cuja.

 

Prato de oferta? Nem vê-lo.

 

Respirei fundo e pensei para mim mesmo, calma que um engano pode acontecer a toda a gente.

 

Expliquei a situação e sim senhor pediram-me desculpa, que tinha sido um lapso.

Momentos depois trazem-me a nova conta, e adivinhem, não tinha nenhum prato de oferta novamente!

 

Em vez de ter sido retirado o prato foi feito um extraordinário desconto de 0.56 euros.

 

Nesta altura já estava a começar a ferver, porque sentia que estava a ser tomado como idiota. Ainda mais com essa impressão fiquei quando demoraram quase dez minutos a responder aos meus chamamentos para esclarecer a situação.

 

No fim lá voltou o pedido de desculpas e à terceira foi de vez.

 

O mais triste nesta situação é que até se come bastante bem no Trivial.

 

A sangria de vinho branco tinha o equilíbrio correcto em termos de sabor, estando muito saborosa mas sem ser um pote de açúcar.

 

Os peixinhos da horta eram fenomenais, com um polme fino e delicado, e os ovos mexidos com farinheira também estavam muito bons, apesar de ter achado que tinham um pouquinho a mais de gordura do que seria ideal.

 

A minha empada de aves acompanhada com salada verde estava irrepreensível, com um bom equilíbrio entre a textura da massa e a riqueza e a generosidade do recheio.

A minha amiga comeu os lombinhos de porco com mel e coentros e puré de maçã e ficou muito satisfeita com o seu prato.

Da parte dos convivas estrangeiros ouviram-se muitas interjeições de apreciação, tanto pelo polvo como pelos bifinhos de porco com gengibre (apesar do sabor do gengibre estar um pouco tímido, podia ser mais forte).

 

Resumindo, o Trivial é um restaurante bonito, cuidado, onde se pode fumar mas no qual muito honestamente não me senti de todo incomodado pelo fumo alheio, e que serve boas refeições.

 

Por isso se forem pessoas que não ficam afectadas com atendimentos a roçar o arrogante com toques de desprezo o Trivial é uma boa escolha, sobretudo se tiverem amigos estrangeiros. Eu garantidamente não volto lá!

 

Trivial

Trivial

Trivial

Trivial

Trivial

Trivial

Trivial

 

 

 

Trivial Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

26
Jul18

Wok Ninja e a Procura dos 3 B's


Um dos meus grandes objectivos enquanto aspirante a foodie profissional é encontrar o maior número de restaurantes de sushi em Lisboa que cumpra os três B's.

 

Bom, barato e com buffet.

 

Como verdadeiro aspirador humano de sushi que eu sou é crucial que haja buffet e a preços acessíveis, de forma a não ficar financeiramente traumatizado, mas também ambiciono encontrar boa qualidade. Sei que é difícil, mas não impossível encontrar esta combinação.

 

Foi com esperança de me deparar com os três B's que visitei o Wok Ninja em Telheiras.

 

E sim é verdade que é buffet. Sim é verdade que é barato. Mas bom, pronto, não é que fosse mau, mas também não era assim maravilhoso, digamos que escapava.

 

Mas comecemos pelo início.

 

O Wok Ninja é um restaurante asiático onde além do sushi podemos encontrar comida chinesa e que também possui teppanyaki, mais conhecido como chapa quente, que é algo que eu simplesmente adoro.

 

O teppanyaki deste restaurante é algo especial, porque tem a capacidade de nos surpreender.

 

Nós colocamos camarão e cogumelos para serem cozinhados na chapa e quando nos devolvem metade dos cogumelos transformaram-se miraculosamente em brócolos.

Algo aborrecido para quem não gosta de verduras mas para mim, que como tudo o que me aparece à frente, foi um detalhe mais divertido do que negativo.

Os pratos são identificados por umas pequenas molas que possuem o número da mesa onde nos sentamos, por isso teoricamente não deveria haver trocas, o que me leva a pensar que o problema é mesmo na altura da confecção.

 

A oferta chinesa é simples mas saborosa e bem confeccionada. O crepe chinês que comi estava estaladiço e com um recheio muito rico. Também estaladiças estavam as batatas fritas, que infelizmente não consigo não deixar de devorar quando as vejo - a maior desilusão que me podem dar é haver batatas fritas e estarem moles e sem graça, mas não foi o caso!

 

O sushi, bem o sushi não posso dizer que era mau porque não era. Mas também não é aquele sushi de qualidade que já encontrei em outros restaurantes.

E atenção que não estou a fazer comparações com restaurantes com preços quatro a cinco vezes mais elevados, mas com locais onde o valor médio de refeição é idêntico.

 

Havia variedade de sushi, mas os níveis de criatividade eram assustadores. Sushi com mostarda? Ou decorados com aquelas bolinhas coloridas de açúcar que se colocam nos cupcakes? Uma coisa é pensar-se de forma diferente, outra é ser-se esquizofrénico.

 

Em termos de técnica fiquei muito desapontado com o corte de alguns rolos que deram origem a peças tão finas que destruíam a experiência de as comer.

 

Também os temakis mereciam mais carinho na sua elaboração. O primeiro que comi tinha grandes falhas em termos de recheio, sendo quase apenas alga e arroz. O segundo, era um mini temaki, algo que nunca tinha visto, que se encontrava exposto numa travessa cheia de alface que cobria todos os exemplares (no mínimo estranho...).

 

As sobremesas são simples, típicas deste género de restaurante, com fruta, bolos e os famosos pudins chineses e gelatinas.

 

Nota positiva para o espaço, amplo, iluminado, com uma decoração simples mas bonita, e com um staff muito simpático e prestável.

 

Em resumo, para quem quer comer bastante e pagar pouco e não é muito exigente no que toca à qualidade do sushi o Wok Ninja é uma opção a ter em conta!

 

Wok Ninja

Wok Ninja

 

Wok Ninja

Wok Ninja

Wok Ninja

Wok Ninja

Wok Ninja

 

 

Wok Ninja Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

25
Jul18

Peixe é na SelFish


Se me perguntassem se existiam estigmas no mundo da restauração a minha resposta era claro que sim.

E o maior de todos, para mim, é o facto de se considerar que um restaurante que esteja num centro comercial vai ter uma qualidade de serviço menor, o que não é de todo verdade.

 

Talvez para se afastar dessa ideia negativa é que o SelFish, restaurante onde o peixe é rei e senhor, abriu a sua primeira loja de rua, na Rua Braamcamp em Lisboa.

 

Um espaço grande - que apesar de ter sido inaugurado há alguns meses ainda cheira a novo - com esplanada, piso inferior e superior, sendo que o superior tem uma grande ecrã perfeito para passar tardes a ver desporto ou outro programa de eleição.

 

A decoração com temas marinhos, como seria de esperar de um restaurante de peixe, proporciona ao espaço uma vibração muito singular mas que lhe assenta como uma luva.

 

A minha experiência no SelFish foi muito positiva - o atendimento e a prestabilidade dos empregados foi excepcional, e isso é algo de extrema importância para uma pessoa sair satisfeita de um restaurante.

 

E a comida?

 

Para começar o pão era óptimo.

Pode parecer tonto mas quantas vezes é que não foram pequenos detalhes que deitaram abaixo grandes refeições?

Entre uma pessoa pedir e o prato chegar é necessário aconchegar o estômago com algo, e o que há de melhor que comer doses industriais de glúten no formato de pequenos pães extremamente saborosos?

 

Para entrada deitei o dente a um ceviche de camarão e a um de salmão.

O de camarão estava fantástico, com belíssimas notas acídicas que lhe conferiam uma frescura muito desejada. O de salmão, apesar de bem confeccionado, tinha um sabor muito plano, faltando-lhe algo de diferenciador - o leche de trigre necessitava de um punch cítrico - além de que o uso de pedaços muito grandes de salmão tornou o consumo do mesmo um pouco mais difícil.

 

Se a entrada tinha deixado algumas reticências acerca do resto da experiência, o prato principal veio dissipá-las todas.

 

Estava fenomenal.

 

O lombo de atum braseado era divino, com um incrível molho vinagrete de sésamo. A acompanhar uma quantidade astronomicamente deliciosa de legumes no forno e um saboroso puré de açafrão.

 

O timbale de cavala era muito rico em sabores, e tinha aquilo que eu adoro num prato, a combinação de diferentes texturas. Numa mesma garfada conseguimos sentir a riqueza da cavala, o crocante da broa, a cremosidade do puré de batata doce e a humidade dos espinafres salteados.

Simplesmente de fazer água na boca.

 

Algo que também não posso deixar de referir era a qualidade das bebidas.

O sumo de abacaxi, gengibre e manjericão é uma aposta ganha, e a limonada, bem, sabem quando pedem uma limonada e torcem o nariz porque ela está demasiado doce ou demasiado ácida ou simplesmente não é sequer limonada? A limonada do SelFish devia receber um prémio de melhor limonada de Lisboa e arredores de tão boa que era.

 

Pena foi a sobremesa que me deixou desapontado.

Não é que estivesse má de sabor mas eu pedi um Tiramisu e o que me serviram não foi um Tiramisu. O sabor a café típico desta sobremesa estava totalmente ausente e os palitos sem sabor nenhum a este componente, além que faltava mascarpone para se obter um creme ligado.

 

A única coisa que me confortou foi que após a expressão da minha desilusão me garantiram que iriam rever a receita, de forma a que mais nenhum amante de sobremesas ficasse decepcionado.

 

Se querem uma refeição saborosa e saudável, carregada de ómegas essenciais para o vosso coração e cérebro, o SelFish é o local a visitar.

 

SelFish Braamcamp

SelFish Braamcamp

SelFish Braamcamp

SelFish Braamcamp

SelFish Braamcamp

SelFish Braamcamp

SelFish Braamcamp

SelFish Braamcamp

 

 

SelFish Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

22
Jul18

A Frutaria


Tomar o brunch ao sábado no centro de Lisboa pode parecer uma tarefa impossível, visto que toda a gente se lembra de fazer o mesmo, mas ainda há surpresas à nossa espera, que se traduzem num brunch de qualidade sem termos de acotovelar ninguém para conseguir uma mesa.

 

Quando me dirigi à Frutaria fui algo receoso, já que dada a sua localização, bem no coração da Baixa de Lisboa, fazia com que a probabilidade de me deparar com hordas de turistas famintos fosse mais que muita.

 

Mas aquilo que encontrei foi um espaço com uma vibração algures entre o kitsch, o moderno, a pop art e o saudosismo do pequeno comércio, onde a fruta é rainha e senhora.

Havia turistas sim, mas na quantidade certa para o espaço se identificar com as raízes da cidade e não ser mais um sítio onde nenhum local coloca os pés.

 

Com uma boa música ambiente, um atendimento simpático e empregados que se viam estarem felizes, a Frutaria tinha-me causado uma primeira boa impressão.

Faltava ver como seria a comida.

 

Pedi o menu brunch, que à primeira vista me pareceu um pouco fraco para o meu grande apetite. Afinal por 16 euros apenas podia escolher entre um café ou um chá, um sumo, uma bowl, e uns ovos ou uma panqueca.

Rapidamente me iria aperceber que estava enganado.

 

Mas antes de vos falar sobre o que comi, quero deixar já aqui um aviso.

Não considero que o valor do brunch seja desajustado para o que oferecem e para o local da cidade onde ele se encontra.

Acho sim que dependendo das escolhas individuais que são feitas pode compensar ou não pedir o menu, visto que todos os items vão vendidos isoladamente.

 

Antes de se lançarem no brunch vejam os preços, façam contas e vejam se vale a pena. No meu caso poupei algum dinheiro, mas fossem as minha escolhas outras e o mesmo não aconteceria.

Uma forma de evitar este desconforto por parte do cliente era juntarem ao brunch algo que não fosse vendido individualmente, como uma taça de fruta variada, de forma a criar valor e a diferenciar mais o menu.

 

Dizia-vos eu que achava que ia passar fome.

Onde é que estava o pão, e os croissants, e o queijo, e o fiambre e a manteiga, e tudo e tudo e tudo?

 

Pois bem, após terminar a minha refeição sai a rebolar, para perceberem o quão satisfeito fiquei.

 

Primeiro o sumo.

Sabem quando pedem uma bebida e trazem-vos uns 80 ml de líquido e o resto é gelo e vocês ficam a matutar em como é que vão fazer render aquilo durante a refeição toda quando ainda por cima estão cheios de sede?

 

Na Frutaria isso não acontece, basicamente trazem-vos um balde de bebida para evitar qualquer possível desidratação. Escolhi um refrescante Pick Me Up, com abacaxi, água de côco e menta. 

 

Para a bebida quente, ligeiramente mais pequena que o sumo, a minha opção foi um White Hot Chocolate, e pouco faltou para me levantar da cadeira e gritar um Aleluia, de tão bom que estava. Como também eu estava num dia bom consegui-me controlar e mantive-se sentado em silêncio.

 

Relativamente à comida a minha opção de bowl recaiu naquela que me gritou SuperAlimentos, a de Açaí. Com açaí, granola, manga, bagas goji e manjerição, esta bowl é um verdadeiro boost de imunidade, deixando ao mesmo tempo uma pessoa saciada.

Agora atenção, o açaí ou se gosta ou se odeia, por isso para quem nunca se familiarizou com o sabor do mesmo talvez seja melhor pedir para experimentar primeiro.

 

Entre os ovos e a panqueca, fui para a segunda opção, tendo escolhido a panqueca Lemon Curd, que além do lemon curd tinha manga, framboesas e gelado de gengibre.

 

Quando eu penso em panquecas imagino algo fino e que se come num instante, só que esta panqueca parecia mais um bolo, já que era bastante alta mas simultaneamente fofa e delicada, sem se tornar um pedaço de massa que nos enche a boca e que nos faz ter de beber bastante líquido para a empurrar para baixo.

 

Enquanto que a panqueca em si estava boa os acompanhamentos desiludiram ligeiramente.

 

O sabor do lemon curd estava no ponto, mas o empratamento do mesmo falhou, sendo que só metade da panqueca estava coberta com ele.

 

O gelado de gengibre não sabia a gengibre - acho que muita gente opta por usar este ingrediente mas poucos aceitam o sabor forte do mesmo, acabando por criar versões deslavadas que desapontam os verdadeiros apreciadores. Em termos de quantidade, era pouco gelado para o tamanho da panqueca, mais meia quenelle e seria perfeito.

 

Sendo assim mais picuinhas, acho interessante o contraste da frescura da fruta com a panqueca, mas colocando os frutos vermelhos em cima duma panqueca quente acaba por se perder um bocado da riqueza dos sabores.

 

Em conclusão, a Frutaria é um óptimo lugar para se ir, tanto pelo ambiente, como pelo atendimento ou pela comida. Mas se forem à procura do brunch façam as vossas opções de forma cuidadosa, de forma a não acabarem prejudicados.

 

 

Frutaria Brunch

Frutaria Brunch

Frutaria Brunch

Frutaria Brunch

Frutaria Brunch

Frutaria Brunch

 

 

Frutaria Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

21
Jul18

Festival do Leitão em Negrais


Ontem fui deliciar-me com algo que não comia à muito tempo: Leitão.

 

O local escolhido para devorar tal pitéu foi o Festival do Leitão de Negrais, que é uma iniciativa organizada pela Câmara Municipal de Sintra e pela União de Freguesias de Almargem do Bispo, Pero Pinheiro, e Montelavar, realizando-se no Largo do Rossio em Negrais.

 

Apesar de não ser um espaço muito grande, estão presentes os grandes nomes do leitão daquela região, como o Tia Alice, o Rosa dos Leitões ou o Tasco do Galapito, entre outros.

 

Quem já estiver com o estômago a produzir suco gástrico para se preparar para a digestão de tamanha iguaria, o festival está em funcionamento hoje e amanhã das 16 horas até às 24!

 

O que é que podem esperar do Festival?

 

  • Preços iguais em todo o lado. A melhor política a meu ver. Não faz sentido um fazer vinte cêntimos mais barato só para roubar meia dúzia de clientes de outro local de venda. Assim as pessoas acabam por se dispersar e escolher o local pelo qual possuem mais afinidade ou que lhes chama mais a atenção em vez de ser por uma questão monetária
  • Um menu muito simples. Há a sandes de leitão, acompanhada com batata frita, a custar 3.5€, e o prato de leitão com aquela pele crocante fantástica, acompanhado com batata frita e salada, a custar 10€. O kilo de leitão para quem quiser levar para casa está nos 18€
  • Muita bebida para empurrar. Água, refrigerantes, imperial e como não poderia faltar, vinho frisante, vendido a copo ou a garrafa inteira. Uma garrafa fica em 5€.
  • Competição para encontrarem uma mesa onde se sentarem. Muita gente e pouco espaço sentado. Se tiverem uma daquelas mesas desmontáveis em casa, usadas nos pic-nics, sugiro que a levem, pelo sim pelo não.
  • Surdez temporária. O festival é abrilhantado por música ao vivo, onde um profissional do teclado e do microfone faz um remix furioso de música pimba com latina, visitando êxitos dos PALOP ainda com tempo de dar um cheirinho aos clássicos da valsa e do pasodoble. Infelizmente o volume do som é tão alto que se torna impossível a interacção com a pessoa que está ao nosso lado, deixando-nos no fim com um zumbido estranho nos ouvidos.
  • Alguma dificuldade em estacionar. Não é que não haja lugares, mas pode ser preciso ficarem um bocadinho de nada mais afastados para conseguirem deixar a viatura em segurança.
  • Frio, mas isso é algo que já não admira ninguém, principalmente em Sintra. O meu conselho é que levem um casaquinho para a noite porque arrefece e bem. 
  • Sentimento de culpa. Um dos espaços de venda de leitão decidiu ter a brilhante ideia de colocar uma foto dos pequeninos. É impossível uma pessoa não ficar com um amargo na boca quando está a dar uma trinca gigante na sua sandes de leitão e vê a imagem dos animais tão bonitinhos e fofinhos. Nessa altura é mentirmos a nós próprios e convencermos-nos que estamos a comer algo produzido artificialmente num laboratório do Estado.

 

Agora que já vos dei todas as informações não têm desculpas para não ir preparados ao Festival do Leitão!

 

Festival Leitão Negrais

Festival Leitão Negrais

Festival Leitão Negrais

Festival Leitão Negrais

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Follow

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D