Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Triptofano

O teu aminoácido essencial!

Sou Feliz?

06.07.18, Triptofano!

"Não sou feliz.

 

No entanto também não sou infeliz. Tenho um relacionamento fantástico, uma família presente, um trabalho que me permite pagar as contas e ter alguns luxos, uma saúde razoável; não sou de todo infeliz.

 

Mas também não sou feliz.

 

E isto é algo complicado para os outros perceberem. Especialmente para a pessoa que divide a vida connosco. Porque inevitalmente pensa que a culpa é dela, que não está a fazer o suficiente, que se calhar nós seríamos mais felizes com outra pessoa.

 

Mas o que eu sinto é que a minha falta de felicidade vem de dentro. Há algo que está a faltar. Ou alguma coisa que bloqueia a felicidade que eu poderia ter.

 

Não ambiciono ser totalmente feliz.

 

Mas e se conseguisse ser 20% mais feliz? 

 

Vou tentar..."

 

 

Este foi o primeiríssimo post deste blog.
 
Quando o escrevi tinha como objectivo criar um espaço mais orientado para o bem-estar, com textos sobre meditação, alimentação e outras práticas que potenciassem a felicidade.

 

Mas não foi nada disso que aconteceu.

 

Desde a histórias mais cómicas, a desabafos pessoais, a histerismos com a Ana Malhoa e nos últimos tempos com insistentes referências a produtos de beleza e a locais onde engordar desmesuradamente, percebo hoje que o blog é um prolongamento de mim, e sendo eu uma multitude de pessoas dentro de um corpo é normal que este espaço virtual seja um reflexo dos meus interesses e do meu estado de espírito,podendo às vezes parecer uma salganhada sem um fio condutor.

 

Criar e manter o blog foi algo que me deu e me dá muito prazer, mas que é uma actividade que acarreta também algum stress e ansiedade. Vejo isso de uma forma tranquila, mau seria se algo que estimamos e gostamos não nos deixasse um pouco apoquentados quando não possuímos o tempo que gostaríamos de ter para a alimentar.

 

E ao fim deste primeiro ano, consegui atingir a meta dos 20% de felicidade extra?

 

Olhando para tudo o que se passou tenho a dizer que não. Que fiquei por volta dos 8 a 9%. Mas não encaro isso como uma derrota, porque o caminho faz-se andando, e todas as pequenas vitórias contam.

 

Passei a fazer mais exercício, conheci pessoas fantásticas e sobretudo comecei a mentalizar-me que o importante é o agora, não é o futuro que ainda não veio e que pode ser bom ou mau ou nem sequer existir. Que me devo focar no presente, e que não existem problemas, há situações que posso tornar num problema ou não, o poder está nas minhas mãos.

 

Espero que daqui a mais um ano possa vir dizer que sou mais feliz, 20%, 35%, 68%, o que seja. Ou se calhar anunciar que percebi que a felicidade era algo diferente do que eu procurava, e afinal sempre esteve comigo, só a precisava de ter aceite. Só precisava de ter aberto os olhos e o coração.

 

E se não for pedir muito, que vocês que me estão a ler agora, que se mantenham por aí também, com um sorriso no rosto! 

21 comentários

Comentar post

Pág. 1/2