Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Triptofano

O teu aminoácido essencial!

SOS Cérebro

24.10.17, Triptofano!

Debati-me internamente durante muito tempo sobre se deveria ou não publicar este post. Simplesmente pelo facto de me ir expor mais do que talvez quisesse - mas há alturas na vida que tempos de pegar o touro pelos cornos.

 

Sou doente mental. Assim, de forma crua, sem artifícios linguísticos. Padeço de uma doença do foro psiquiátrico que me dá acesso à categoria dos doentes mentais - quer eu goste ou não dessa inclusão forçada. Infelizmente, as doenças, ou distúrbios, ou transtornos, ou como queiram chamar as coisas que acontecem e não era suposto acontecerem dentro da cabeça de uma pessoa, ainda são muito estigmatizadas.

 

Tornamos-nos automaticamente os tontinhos, ou os maluquinhos, ou os coitadinhos que não sabem o que andam a fazer pelo mundo. Isso ou basicamente pensam que andamos é a querer chamar a atenção, porque se não coxeamos, não nos falta um olho e não temos uma traqueostomia então porque raio é que não haverá de estar tudo bem?

Problemas de cabeça? Vá dar uma volta que isso passa - foram as palavras da minha médica de família quando abordei o tema pela primeira vez aos 17 anos.

 

Na última década tive altos e baixos, altos muito grandes e baixos catastróficos. Consultei vários médicos onde fui diagnosticado com tudo e mais alguma coisa. Depressão, síndrome bipolar, ser demasiado mimado (!). 

 

Senti-me cobaia de tratamentos farmacológicos onde tomava N comprimidos para me sentir melhor e depois outros N para combater os efeitos secundários dos primeiros. Os comprimidos davam-me algum alívio no início mas era ilusório, pouco tempo depois as minhas inquietações voltavam e a resposta dos prescritores era aumentar a dose. Adormeci nos transportes públicos. Houve um mês que fazia tudo em modo zombie - os meus amigos diziam que ia a eventos com ar um completamente drogado. Cheguei supostamente a ter um encontro com alguém que me confrontou meses depois do qual não tenho a menor lembrança.

 

Fiz psicanálise, com dois profissionais diferentes. Acredito que haja bons profissionais perdidos por aí, mas deveria haver um controlo maior daqueles que simplesmente só servem para nos sugar o dinheiro. O primeiro além de dizer palavrões totalmente fora do contexto nas sessões disse ao meu pai que eu nunca iria ficar bom. A segunda passou uma hora inteira a mostrar-me fotos da viagem dela a Israel. Quando depois pergunta-me que fruto seria eu e eu lhe respondo uma romã questiona-me se seria pelo facto de ela ser de fácil abertura?! Alguém me esclareça, onde é que esta mulher anda a comprar a fruta?

 

No mês passado tive uma recaída. Sem motivo aparente, todos os demónios internos que habitam dentro de mim acordaram. Desta vez com um requinte extra de crueldade. Passei a castigar-me a mim próprio. A bater com a cabeça nas paredes. A soquear o meu próprio rosto. Foi a forma que encontrei de conseguir lidar com a intensidade dos sentimentos que me assaltavam. Sentir a dor foi uma forma de conseguir libertar a tensão que me rebentava dentro do peito.

Se foi a melhor forma de actuar? Não, mas foi a única que me pareceu acertada na altura.

 

Consultei-me com outra profissional. Sugeriu-me exercício físico, psicoterapia, contacto com o ar livre; e claro comprimidos, para controlar a crise. Os rebuçados coloridos que tomo deixam-me efectivamente mais calmo, mas também com uma vontade de estar sempre a dormir. Escrever no blog e responder aos comentários passou a ser um exercício que exige muita disciplina, disciplina essa que ainda não tenho. O desejo sexual já viu melhores dias, mas o cara-metade é compreensivo - no fim de tudo só me quer ver bem.

 

Desta vez o diagnóstico foi novidade para mim. Transtorno de Personalidade Borderline. Basicamente ao que parece se o mundo estiver a sofrer um ataque nuclear eu vou manter-me calmo e sereno (na medida do possível), mas se em casa se parte um copo basicamente a minha cabeça entra em curto-circuito e expludo. É esta reacção desproporcional a pequenos estímulos que a médica quer que eu corrija. O futuro dirá se este diagnóstico está correcto ou não.

 

Este post é então uma forma de deitar cá para fora. De partilhar convosco o que se está a passar na minha vida nestes tempos. Porque por mais que eu gostasse que fosse tudo sorrisos e gargalhadas, nem sempre o é. E também escrevo para dizer a todos os que me estiverem a ler, que não é nenhuma vergonha ter um problema do foro psiquiátrico. O cérebro é um dos órgãos - se não o órgão - mais complexos do nosso corpo, era sorte a mais não haver um problemazito de vez em quando com a engrenagem.

 

 

3 comentários

  • Imagem de perfil

    Triptofano!

    27.10.17

    Sofia tens de fazer um estudo porque se calhar é a cor de fundo que usas no teu blog que atrai os mais frágeis de neurónios

    Os problemas de saúde mental são complicados de resolver porque primeiro é difícil ter um diagnóstico que não seja empírico. Ou seja, não existem muitas análises que possam ser feitas, ou pelo menos não existe essa tradição na nossa prática clínica. Acaba-se por ouvir as queixas do doente, ver onde é que elas encaixam, e temos um diagnóstico. Mas muitas vezes o tiro sai ao lado.
    Depois temos os profissionais de saúde que por ai andam - porque isto não é só ter boas notas na faculdade, é saber colocar em prática o que se aprendeu. E também não convém pela ganância dos euros extra marcar consultas às 22h e atender à 1h da manhã, estando o terapeuta mais para lá do que para cá!
    Por fim o facto de muitos medicamentos funcionarem mas não se sabe bem como. De momento estou a tomar uns rebuçados que na própria bula diz que sabem que funciona mas não sabem o mecanismo de acção - o que claro deixa uma pessoa muito mais tranquila! (not!)

    Tens toda a razão quando dizes que muitos médicos enxarcam os doentes, conheci há pouco tempo um rapaz que me disse que o problema foi começar a ir ao médico, no espaço de menos de um mês subiu-lhe a dose de anti-psicóticos de uma forma tão agressiva que me questiono como é que o rapaz ainda consegue sequer pensar!

    É verdade, tenho de me mentalizar que não tenho de ter vergonha de algo que não escolhi ter, afinal não tenho vergonha da minha hérnia nas costas nem do facto de ser cegueta, porque raio tenho de ter vergonha pelo meu cérebro ter um defeito de fabrico? É mesmo procurar o que me faz feliz, perceber o que é melhor para mim e andar em frente!
    Muito obrigado pelas tuas palavras.

    Um beijo gigante gigante
  • Imagem de perfil

    Sofia

    27.10.17

    Trip, o fundo do meu blog é cuchi cuchi, super fofo, não atrai malucos!
    O estado devia investir na saúde mental, que está muito mal...
    As melhoras. Bjs
  • Comentar:

    CorretorMais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.