Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Triptofano

O teu aminoácido essencial!

Sardinhas sem Espinhas

24.06.19, Triptofano!

E se eu vos dissesse que era possível saborearem uma bela de uma sardinha sem estarem constantemente preocupados com a probabilidade de espetarem uma espinha na garganta e acabarem a vossa noite no hospital?

Melhor, e se eu vos dissesse que poderiam degustar essa sardinha sem terem que sair da comodidade do vosso lar? Sem necessitarem de ir para filas intermináveis, de serem abalroados por turistas demasiado alegres ou de ficarem com todos os poros entupidos com uma mistura de fumo e carvão?!

Ergam as mãos bem alto num agradecimento aos poderes celestiais porque agora, até ao final deste mês em honra dos Santos Populares, isso é possível graças ao projecto Pura Origem.

As Sardinhas sem Espinhas do Pura Origem

Antes de continuar a minha eloquente dissertação (cof cof) sobre as sardinhas deixem-me falar sobre  quem está por detrás deste projecto. Algo que me dá imenso gozo, é além de conhecer novos produtos, descobrir quem está por detrás deles e as suas histórias.

O Pura Origem é o exemplo perfeito de que um casal pode trabalhar junto de forma harmoniosa sem que haja um pedido de divórcio ao fim de uma semana e meia.

O Vítor e a Tânia gostam de comida vegan, sem serem fundamentalistas da causa, o que significa que vocês não vão ter uma agulha espetada num boneco de vudu se lhes disserem que comem carne, mas sentiam que havia falta de opções no mercado. 

O que encontravam disponível geralmente eram opções processadas, que se auto-proclamavam como saudáveis mas depois tinham cinquenta mil aditivos que permitiam que ficassem lindas e maravilhosas durante meses nas embalagens.

Além destes ingredientes extras que não lhes despertavam qualquer tipo de simpatia, achavam que os produtos tinham sempre um sabor muito desinteressante, nada que se pudesse assemelhar a algo verdadeiramente bom e caseiro.

Decidiram então que iam arriscar e criar algo deles à imagem deles.

Comida vegan sem complicações, sem aldrabices, sem promessas de ascender a um nível kármico superior, simplesmente comida caseira, com ingredientes naturais, repleta de sabor, que os vegans pudessem comer mas que fosse capaz de atrair e apaixonar os adeptos de todos os outros regimes alimentares.

Em suma, o Vítor e a Tânia têm a ambição de democratizar este tipo de comida, mostrando que é possível ter uma alimentação mais saudável sem/ou com pouca proteína animal, não havendo necessidade de abdicar nem do sabor nem das qualidades nutritivas, nem de precisarmos de aderir a uma seita que passe os dias a tocar em tambores e a dançar com pinheiros-mansos.

A Tânia e o Vítor, as pessoas que dão vida ao Pura Origem

Ele é o coração do projecto, ao qual se dedica a tempo inteiro depois de ter abdicado da sua carreira no marketing digital, estando responsável por colocar a mão na massa. Cria e optimiza receitas e coloca um grande bocadinho de si em tudo o que nos chega à mesa. 

Ela é o cérebro, e concilia o seu trabalho também no marketing digital com todas as actividades relativas à logística, administração, marketing e comunicação que o projecto exige.

Enquanto parceiros de negócio, e sobretudo enquanto casal, é em conjunto que decidem a cultura e o tom de conversação que a marca tem, porque no fim de contas é o sonho de ambos e quando remamos em sintonia não há correntes que nos impeçam de chegar ao nosso destino.

Pura Origem

Voltando à sardinha sem espinhas, esta opção vegan é simplesmente deliciosa.(e olhem que houve quem tenha duvidado de mim no Instagram e depois teve que se render à evidência!)

Quando disse ao Cara-Metade que o nosso jantar ia ser uma sardinha vegan feita de tofu e alga noori, só lhe faltou pegar-me fogo com o olhar, como se tivesse dito a maior heresia gastronómica de que há memória.

Mas no momento em que ele deu a primeira dentada, as pupilas dilataram-se-lhe, o corpo estremeceu e ficou com um sorriso gigantesco, tendo eu por momentos duvidado se teriam temperado o tofu com cocaína ou coisa do género.

A verdade é que esta sardinha sem espinhas é simplesmente irresistível.

Húmida, com um preparado bem temperado e um sabor fresco a mar dado pela alga, é impossível não ficar apaixonado por este produto que atinge o seu apogeu com uns minutos de grelha!

Tenham somente cuidado com a pequena porção de sal que vem no topo de cada uma delas que não é para comer, a não ser que estejam a planear ter uma relação de amor com um garrafão de água de cinco litros.

As deliciosas sardinhas sem espinhas depois de uns minutos na grelha!

Mas a oferta do Pura Origem não se fica pelas sardinhas.

Há também hambúrgueres (esses sempre disponíveis) lindos, imaculadamente perfeitos para figurarem em qualquer feed de Instagram, ou seja, totalmente diferentes daqueles que eu às vezes faço que mais parecem o meteorito que levou à extinção dos dinossauros.

Há 4 variedades por onde podem escolher: feijão branco, brócolos e hortelã; grão e batata-doce; tofu, tomate, azeitonas e manjericão e feijão encarnado, quinoa e beterraba.

Os hambúrgueres do Pura Origem

Algo que eu achei que a maioria dos hambúrgueres poderia melhorar era no seu grau de humidade, porque apesar de não serem secos alguns eram ligeiramente mais massudos e pesados.

O de feijão branco, brócolos e hortelã era o mais húmidos dos quatro (graças aos brócolos), mas foi o que levantou mais discórdia entre mim e o Cara-Metade. Se eu gostei porque parecia que estava a comer um rebuçado de mentol em vez de um hambúrguer para ele foi o menos apelativo, porque a força da hortelã acaba por tomar conta do delicado equilíbrio de sabores dos outros ingredientes.

O de feijão encarnado, quinoa e beterraba era o que me metia mais medo de provar, devido às vezes em que a beterraba deixa um sabor a terra na boca e nada mais. Mas aqui o sabor do hambúrguer era suave e delicado, sendo que apenas gostava de ter sentido o sabor do feijão encarnado mais realçado.

O de grão e batata-doce, que era a combinação que eu achava à partida ser a menos entusiasmante, foi a que me surpreendeu mais. Porque além de um sabor fantástico, fiquei rendido ao cheiro de caril que emanava a cada garfada dada neste hambúrguer, que curiosamente nem caril leva! Para ficar perfeito bastava ser ligeiramente mais húmido, sendo que a utilização de ervilhas cozidas poderia ajudar nesse objectivo.

Chegados ao de tofu, tomate, azeitonas e manjericão: é qualquer coisa de extraordinário! As azeitonas e o tomate tornam este hambúrguer em algo de muito confortável, enquanto o manjericão une todos os sabores e transforma notas musicais numa verdadeira sinfonia na nossa boca. Maravilhosa também é a sensação que estamos a comer broa de milho a cada mastigadela (eu adoro broa de milho!) tudo graças ao uso de sêmola de milho. Se fosse só um bocadinho de nada mais húmido (e eu a dar-lhe com o mesmo querem o quê?!) era perfeito, sendo que foi o preferido tanto meu como do Cara-Metade!

Sardinhas sem espinhas e hambúrgueres do Pura Origem

Já conheciam o Pura Origem? Ficaram intrigados com as sardinhas sem espinhas? E os hambúrgueres, são pessoas de experimentarem uma opção vegan ou preferem manter-se com a proteína animal?

18 comentários

Comentar post