Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Triptofano

Como ser 20% mais feliz?

29
Nov18

Sair depois dos 30


Quando atingi o marco histórico dos 30 anos as minhas saídas à noite mudaram radicalmente.

 

É do conhecimento geral que quando se abandona a juventude dos 20 somos invadidos por um estado de velhice precoce, que nos atira subitamente para temporadas infinitas de Netflix com uma manta nos pés e uma caixa de gelado de 1 litro no colo.

 

Quando era novo parecia-me completamente plausível ir sair para dançar até a discoteca fechar lá por volta das seis da manhã.

 

Hoje em dia o meu corpo começa a entrar em estado de hibernação quando a meia-noite se aproxima, e se por algum acaso do destino ainda estou fora do conforto da minha cama no momento em que o relógio marca a primeira hora do novo dia é muito provável que adormeça onde quer que esteja, qual pessoa narcoléptica.

 

A verdade é que mesmo sendo trintão continuo a sair, mas sou muito mais exigente no meu tipo de saídas.

 

Já não me vejo a passar horas infinitas no Bairro Alto com a mão a congelar por causa da Caipiroska XXL que comprei no bar da esquina, nem a estar num bar onde a música está tão alta que a única forma de falar com a pessoa ao nosso lado é dominando a linguagem gestual, nem muito menos a ir a uma discoteca onde incrivelmente começava sempre a noite no meio da pista à larga e quando dava por ela estava encolhido num canto protegendo a cara para não levar com um Vogue na cara de uma criatura histericamente dançante.

 

Além que convenhamos, nos dias de hoje eu em termos de vestuário estou ao nível de uma freira carmelita se me comparar com o que esta nova geração veste.

 

A roupa interior passou a ser roupa exterior e o mais surpreendente é a mutação genética que a canalhada nasceu com, já que ninguém sofre de hipotermia!

Posso estar eu geladinho enrolado no meu casaco polar e estão eles a dar à anca com 92% da pele do corpo à mostra.

 

Neste momento da minha vida o local que eu procuro para sair à noite é um sítio calmo, bonito, onde se possa conversar, com boa música, pessoas bonitas e bebidas de qualidade.

 

E foi tudo isso que eu encontrei no Le Consulat: Arts and Drinks, um bar onde também é possível petiscar, situado no Largo de Camões.

 

Desengane-se quem acha que vai encontrar aqui litrosas a euro e meio ou um balde de mojito a cinco euros, as bebidas são caritas (mas se tiverem Zomato Gold o preço fica muito mais simpático - não se esqueçam de serem uns fofinhos e usar o meu código promocional caso ainda não tenham aderido e queiram fazê-lo) mas são de uma qualidade de lhes tirar o chapéu.

 

O espaço é fantástico, amplo, bem decorado e apesar do DJ a lançar música de boa qualidade era possível falar calmamente, sem gritos, sem cinquenta hã? no espaço de um minuto!

 

Em termos de bebidas veio para a mesa um South of Border, com Tequilla, sumo de toranja, pimenta cor de rosa e cardamomo, que se inseria na parte do menu dedicado ao Abstraccionismo (o menu é inspirado nos movimentos artísticos do século XX), que era delicioso mas é mais indicado para quem goste de bebidas com um final mais forte.

 

Le Consulat: Arts and Drinks

 

Eu segui o conselho da super entendedora de cocktails Joana Lino, que tinha visitado o espaço há pouco tempo e me tinha deixado a dica relativamente a pedir o Bed of Roses, um cocktail que ainda era meio segredo porque vai sair na carta nova (isto quem tem connections é todo um outro mundo!)

 

E que bom que era esta cama de rosas.

Com xarope de rosas e vodka, sumo de pepino e vinho rosé, xarope de sabugueiro, de hibisco e clara de ovo, era uma verdadeira perdição.

 

Um sabor docemente suave, mas sem se tornar enjoativo, o Bed of Roses é a bebida certa para quem queira transportar-se para o mundo do Sexo e da Cidade e dar por si a falar dos novos sabores sem açúcar dos lubrificantes ou de como atingir um orgasmo a nível do umbigo.

 

No topo do cocktail vinham a boiar alguns botões de rosa, e apesar de serem uma decoração comestível não aconselho a que os provem.

 

Secos, agarram-se à boca, são visualmente bonitos mas muito desagradáveis na boca - sim, obviamente que eu tinha de os enfiar na boca para vos contar como era a experiência! 

 

Le Consulat: Arts and Drinks

 

Por isso, se querem sair à noite mas estão à procura de um sítio tranquilo onde possam verdadeiramente conversar sem chegarem a casa roucos nem com as unhas dos pés pretas de tantas pisadelas, o Le Consulat é uma aposta segura!

 

Le Consulat: Arts and Drinks

Le Consulat: Arts and Drinks

 

Le Consulat: Art and Drinks Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

14 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D