Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Triptofano

O teu aminoácido essencial!

Respeitar os (nossos) horarários!

31.08.21, Triptofano!

Se fosse possível mandar objectos pontiagudos via ligação de Internet muito provavelmente já tinha sido atingido com um ou dois pedregulhos, visto ter tido o descaramento de dizer que tinha voltado para depois ficar um mês sem dizer nem água vai nem água vem.

Ter saído da farmácia comunitária para um trabalho totalmente diferente, que posso fazer a 100% em casa, teve a sua parte boa e a sua parte má, como provavelmente muitos daqueles que ficaram em teletrabalho puderam experienciar.

Obviamente que é bom perdermos menos tempo em transportes até ao trabalho, saber que podemos ir fazer um xixizinho na nossa casa-de-banho sem termos um colega a fazer pressão do outro lado da porta e atacar todos os pacotes de batatas fritas que temos guardados no armário sem termos de dar cavaco a ninguém.

Mas depois existe a parte má de não conseguirmos compreender que lá pelo trabalho estar em casa não significa que tenhamos de estar sempre prontos para o trabalho. Ou pelo menos eu não consegui compreender isso durante muito tempo. E volta e meia estava a responder a e-mails ou a fazer outras actividades bem depois do meu horário de trabalho só porque já que tinha as coisas ali à mão mais valia despachar serviço. Só que o serviço para quem despacha serviço nunca acaba - é uma verdadeira bola de neve.

Não quero dizer com isto que tenhamos de cumprir ao nanosegundo as horas do nosso contrato laboral - deve sempre existir flexibilidade, tanto da parte do empregado como do empregador, e se for preciso fazer um pouco mais ou um pouco menos ter esse jogo de cintura. Mas não criar o hábito, que foi o que me aconteceu. Trabalhar sempre  mais um pouco. Estar sempre um pouco mais ligado. E não perceber o impacto do telefonema que se vai adiando, do post que se vai atrasando, do restaurante que não se visita, porque há sempre mais qualquer coisa a fazer no trabalho.

Nos últimos dias, por mais que me custe, tenho cingindo o meu trabalho às horas que realmente tenho de fazer. Acordo cedo, pico o ponto logo de manhã, faço as minhas horas, e dou por mim livre antes das 17 h. E o tempo rende. E a vida rende. E percebo que a virtude está mesmo no equilíbrio de todas as vertentes da nossa vida.

Desta vez voltei mesmo. Custe por onde custar. Por mim. Por vocês. :)

5 comentários

Comentar post