Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Triptofano

Como ser 20% mais feliz?

02
Set18

Pequeno Guia de Sobrevivência em Banguecoque


Banguecoque é uma cidade vibrante, caótica, apaixonante e surpreendente, repleta de cheiros, cores, tuk-tuks e monges, onde os grandes painéis publicitários que se poderiam encontrar em qualquer movimentada metrópole convivem pacificamente com os vendedores de comida de rua cujos sabores nos transportam para uma Ásia ancestral e com os templos coloridos a transbordar de espiritualidade que espreitam quarteirão sim quarteirão sim.

 

Apesar de ser uma cidade fácil de explorar e relativamente segura, é necessário - como em qualquer outro lugar - tomar algumas precauções, mas pessoalmente considero que Banguecoque é um bom destino tanto para um mochileiro como para um turista exigente, para um grupo de amigos, um casal em lua-de-mel ou um viajante sozinho à procura de se conhecer melhor.

 

Templo do Buda Esmeralda em Banguecoque

 

De seguida deixo algumas sugestões/dicas que considero serem de utilidade para quem quiser aproveitar ao máximo a sua estadia na capital tailandesa.

 

Dinheiro

 

A moeda da Tailândia é o Baht.

Pela minha mão passaram notas de 1000, 500, 100, 50 e 20 bahts, e moedas de 10, 5, 2 e 1 bahts e uma de 50 satangs! (a moeda de 50 satangs é muito invulgar de ser vista e equivale a meio baht; se forem a um supermercado mais moderno talvez no vosso troco possa aparecer uma destas moedas!)

 

Não estranhem se receberem uma nota de 100 com uma imagem e outra com uma diferente - não estão a ser enganados, simplesmente o senhor com óculos era o anterior rei, que morreu em 2016, já havendo notas em circulação com a imagem do rei actual (que além de ser mais novo não usa óculos).

 

Não é frequente fazerem-se transacções em euros ou dólares em Banguecoque, por isso ou trocam dinheiro numa casa de câmbio/banco, ou simplesmente levantam numa caixa automática.

 

Ter apenas em conta que ao levantarem dinheiro numa caixa automática serão cobrados 220 bahts de comissão, independentemente do valor que escolherem, mais as comissões do país de origem, por isso é preferível evitar estarem sempre a levantar pequenos valores.

 

As notas de 1000 são facilmente trocadas por menores na recepção do hotel ou se forem a um 7-Eleven (o equivalente a um Pingo Doce ou MiniPreço em Portugal) comprar algo de baixo valor (uma água são por volta de 7 bahts lá).

 

Convém terem notas mais pequenas caso queiram comprar comida na rua ou dar alguma gratificação.

 

Moeda de 1 baht e 50 satang

 

 

(Não) Ser Enganado

 

Ninguém gosta de ser enganado quando vai de férias (nem quando não vai) independentemente do valor.

 

É verdade que muito provavelmente a tarifa do tuk-tuk vai ser mais cara por sermos estrangeiros, a espetada de porco vai ser inflacionada ou 10 bahts do troco vão ficar esquecidos, mas esses enganos são aceitáveis.

 

Ter muita atenção a todas as pessoas que vos abordarem a oferecer excursões. Ou viagens maravilhosas em grandes barcos no rio. Ou a dizerem-vos que o templo que vocês queriam ir afinal está fechado mas há um melhor logo ali na esquina.

 

Agradeçam e recusem, mesmo que a proposta pareça tentadora 99% das vezes é simplesmente uma técnica para vos enganar.

 

Cuidado também com os táxis, se o taxímetro não foi accionado ou aparecer muito convenientemente uma pequena televisão a tapar o mesmo, peçam para parar o veículo e saiam.

Se o motorista começar a barafustar digam a palavra Polícia várias vezes - existe uma política rigorosa contra este tipo de atitudes onde a polícia multa pesadamente os taxistas infractores - rapidamente vão deixar-vos sair do carro sãos e salvos.

 

Também nos táxis e tuk-tuks se vos oferecerem uma corrida por um preço mais baixo mas com a condição de irem visitar uma loja para lhes dar uma ajuda numa comissão ou similar, recusem!

É mais um esquema para vos fazer perder tempo, paciência e dinheiro.

 

Já fui vítima de algumas destas artimanhas e aprendi com a experiência, mas preferia que vocês não passassem pelo mesmo!

 

Receber uma Massagem em Wat Pho

 

Se passearem pelas ruas de Banguecoque vão perceber que há tantas casas de massagem como templos, algumas certamente com a possibilidade de finais felizes.

 

Mas se procuram uma verdadeira massagem tailandesa a minha recomendação é irem à escola de massagem tradicional situada no complexo de Wat Pho, mais conhecido pelo seu Buda Reclinado.

 

Quando entram fica logo à vossa esquerda, e os preços estão fixados na parte de fora, sendo que também se encontram online.

 

Basta escolherem a massagem do vosso agrado, receberem um número, esperarem que sejam chamados, pagar, trocarem de calças por umas que vos dão (são uma coisa descomunalmente larga que eu nunca consigo vestir - lembrem-se que os atilhos ficam para a frente) e depois entregarem-se às mãos e pés do vosso terapeuta.

 

Quando eu digo entregar é realmente entregar, porque a massagem dói, não são festinhas que vão receber, mas sim uma quantidade às vezes moderada de dor, mas que no fim sabe muito bem, por isso quanto menos resistirem melhor para vocês.

 

Quando o suplício a massagem terminar ainda vos dão um cházinho por terem aguentado sem gritar (muito!).

 

Massagem Tradicional Tailandesa em Wat Pho

 

 

Façam os Rituais

 

Podem não saber muito bem porque é que o estão a fazer mas quando se está no estrangeiro faz-se tudo com um sorriso no rosto.

 

"Comprem" um taça cheia de moedas em Wat Pho e ponham uma em cada recipiente metálico enquanto pedem um desejo.

 

Molhem em água sagrada um rebento de flor de lótus na entrada da câmara do Buda de Esmeralda e batam com ela na cabeça enquanto pedem protecção e que as má energias vão para longe.

 

Juntem as mãos à frente do peito e inclinem-se perante toda a gente em sinal de respeito.

 

Agora nunca, mas nunca se sentem à frente da estátua do Buda com os pés apontados para ele, é uma falta de respeito e levarão uma reprimenda se forem apanhados a fazê-lo!

 

Ritual em Wat Pho

 

 

Vejam a cidade de barco

 

Mas não num daqueles barcos de 150 bahts a viagem que são engodo para turista, apanhem um que é usado pelos tailandeses, um transporte público flutuante.

 

Se estiverem no Templo do Buda de Esmeralda existe um cais pertíssimo, caso não consigam encontrar perguntem no quiosque de informações turísticas.

 

Quando chegarem tenham atenção que na mesma zona onde se faz o embarque para o barco público há agentes privados a vender viagens muito mais caras.

 

O vosso bilhete ficará a 15 bahts e concede-vos uma viagem magnífica pelo rio. Vão até ao Central Pier e de lá apanhem o BTS para explorarem o resto da cidade.

 

Atenção é que a entrada e saída do barco não é para irem calmamente a tirar fotos.

Se começarem a ouvir gritos furiosos de Move Fast provavelmente é para vocês!

Se os comboios da CP tivessem uns revisores tão furiosamente exigentes quanto à entrada e saída de passageiros como os destes barcos garanto-vos que nunca haveriam atrasos!

 

Viajar de Barco em Banguecoque

 

 

Guardem as moedas para o BTS

 

As moedas são sempre uma chatice porque além de fazerem muito volume na carteira às vezes são complicadas de despachar.

 

Mas se não quiserem esperar na fila para comprar um bilhete para o SkyTrain ou BTS (Bangkok Mass Transit System) usem as vossas moedas nas máquinas de venda automática (que só aceitam moedas).

 

O bilhete é muito intuitivo de comprar tal como todo o uso do SkyTrain.

Tenham só atenção, não entrem a correr num comboio apenas porque ele está parado na vossa plataforma. Uma mesma plataforma pode receber comboios com destinos diferentes.

 

Deliciem-se com a comida de rua

 

Podem até ser as pessoas mais esquisitas nos vossos países de origem, mas ir à Tailândia e não provar a comida de rua é um crime.

 

Na realidade nem precisam de ir jantar a um restaurante, basta passarem por quatro ou cinco banquinhas e ficam bem alimentados.

 

Aventurem-se nas espetadas de porco e frango (com um molho delicioso) e nas salsichas, percam-se nas bancas que vendem spring rolls e pad thai, sejam gulosos e peçam um gelado de coco com topping de amendoins.

 

Fujam apenas dos locais que vendem camarões gigantes colocados em cima de um bocadinho de gelo, eu pelo menos não comeria lá!

 

Cada vendedor possui um saco para colocarem o vosso lixo, é que caixotes em Banguecoque é coisa que não existe, por isso se quiserem "comer e andar" estejam atentos para ver se encontram um "saco de recolha" no meio da rua, porque de outra forma vão acabar por levar o lixo para o vosso hotel!

 

Vendedor de Comida de Rua em Banquecoque

 

 

Tapem o nariz e comprem um Durian

 

Apesar de ser considerado o rei dos frutos, o Durian não possui uma grande reputação, visto ser proibido transportá-lo no metro e em alguns hotéis estar negada a sua entrada!

 

Isto tudo porque cheira mal, mas muito mal mesmo!

Se estiverem em algum sítio e começarem a sentir um odor a cebola podre provavelmente está por perto uma banca a vender Durian.

 

Vale a pena experimentar este fruto, porque apesar do cheiro o sabor não é assim tão mau (eu pelo menos gosto, mas há quem diga que além de cheirar também sabe a cebola podre).

O preço não é barato, mas um pedaço pequeno (já descascado) é adquirível por 100 bahts.

 

Se o durian não for mesmo a vossa fruta experimentem o mangostão, considerado a rainha da fruta, ou um pomelo ou umas lichias cabeludas (cujo verdadeiro nome é rambutan)!

 

Banca de Venda de Durian

 

Proibida a Entrada de Durian no Hotel

 

Gastem uma Pequena Fortuna em Snacks

 

Acho que toda a gente adora snacks, pelo menos eu gosto de ter sempre algo para petiscar, e em Banguecoque é extremamente fácil adquirir-mos este tipo de comida.

 

Basta irem a qualquer 7-Eleven e perderem-se no mar de opções existente.

Mas sejam aventureiros, mesmo que queiram trazer uma embalagem tradicional de Lays não deixem de experimentar a folha de alga nori com sabor a wasabi, ou as sementes de girassol com sabor a milho e queijo, ou as tiras de inhame enriquecidas com óleo de peixe e sabor a molho barbecue!

 

Snacks Tailandeses

 

Os Insectos são o Futuro

 

Por mais que não queiramos temos que começar a interiorizar que no futuro vamos ter de optar por outras fontes proteicas, e uma das opções são os insectos!

 

Percam o medo (e o nojo) e descubram uma banca que venda estas iguarias!

 

Um local mais que certo para encontrarem insectos é na Khao San Road, uma das ruas mais loucas de Banguecoque.

 

A Khao San Road além de insectos possui imensos bares, chegando ao ponto de haver um à frente do outro e no meio da rua travar-se uma guerra cordial de promotores a tentar atrair os turistas para gastar os seus bahts.

 

Muito na moda parece estar a venda de gás do riso (provavelmente hélio) algo que eu aconselharia a evitarem, só porque talvez drogarem-se num país estrangeiro possa não ser a melhor ideia de sempre.

 

Fiquem pelos insectos - se estiverem com falta de coragem experimentem o escorpião. Não custa nada a comer e tem um sabor que é um misto de caranguejo e amendoim!

 

Comer Insectos em Banquecoque

Laughing Gas Bangkok

 

 

Compras é no MBK

 

Independentemente do que quiserem comprar o local a visitar é o MBK - e comecem já a preparar os vossos pés para palmilhar muitos quilómetros e a treinar as vossas capacidades de regatear de forma a obterem o melhor preço possível!

 

O local é literalmente enorme, com vários andares, e está carregado de pequenas lojas a vender tudo e mais alguma coisa.

O acesso é incrivelmente fácil porque há ligação directa à estação de BTS National Stadium.

 

Nas redondezas existem outros centros comerciais, um pouco mais caros, mas se estiverem no mood de estourarem o vosso subsídio de férias na Cartier ou na Patek Philippe porque não?

 

Zona Comercial de Siam

 

 

Andem de Tuk-Tuk

 

Eu sei que os tuk-tuk em Lisboa são uma praga, mas fazem parte do ecossistema natural da Tailândia.

 

Em Banguecoque além do táxi e das moto-táxi (mais caras mas mais rápidas) existem os tuk-tuk que vos levam a qualquer lugar, e nem precisam de se preocupar em procurar um.

Eles mal vos identificarem como turistas vão cair em cima de vocês perguntando se precisam de boleia.

 

Regateiem, não se esqueçam de não aceitar valores mais baixos com paragens em lojas como contra-partida, e aproveitem a viagem meio psicadélica que vão ter, já que há veículos carregados de led's e coisas que tais.

 

A viagem pode ser agradável se não houver trânsito ou infernal se estiverem em hora de ponta a receberem todas as emissões de gases poluentes mesmo na vossa cara.

 

Não se admirem muito (mas façam ar de indignados no início) se a meio da viagem, no caso de estar um para-arranca interminável, o vosso condutor vos pedir mais 50 bahts pelo desgaste da viatura.

 

Podem recusar mas ele simpaticamente vai dizer para então irem de táxi que assim não lhe compensa - voltem a fazer um ar indignado mas aceitem, afinal não vão morrer por um euro e pouco e não vale a pena ficarem chateados que estão de férias!

 

Tuk Tuk Banguecoque

 

 

Decidam se querem ver ou não um Show de Ping Pong

 

Uma das maiores atracções do mercado nocturno de Patpong são os shows de Ping Pong, que consistem em mulheres a fazer coisas inacreditáveis com a sua vagina, desde a abrir garrafas a atirar bolas de ping-pong a velocidades ultra-sónicas.

 

Cabe a cada um decidir se acha que vale a pena ir ver este tipo de show - eu há uns anos atrás fui e apesar de chocado até que gostei, mas nos dias de hoje, sendo detentor de mais informação não aceitaria ir ver novamente (mas isso é tema para um outro post!).

 

Porém, compreendo e respeito o facto de ser algo que atraia muita curiosidade, por isso quero apenas alertar para possíveis esquemas. 

 

Os shows são cíclicos, por volta de 40 minutos, o que significa que quando se entra ele já está a decorrer, mas é um círculo sem fim, por isso basta permanecermos sentados para vermos todas as performances.

 

Levem notas pequenas já que é normal ter que se dar gorjeta caso sejamos chamados ao palco para interagir num dos números, mas o mais importante é o momento de escolherem o local onde vão ver o espectáculo.

 

Fujam de sítios onde vos digam que não há valor de entrada, o mais certo é cobrarem-vos um absurdo no momento de saírem.

O normal é pedirem-vos um valor fixo antes de entrarem, oferecerem-vos uma bebida, e a partir daí só pagam se consumirem mais.

 

Peçam sempre primeiro para ver o local antes de tirarem os bahts da vossa carteira, de forma a perceberem se é um espaço minimamente aceitável!

 

E cuidado, evitem tirar fotos às zonas dos bares, não tanto pelas trabalhadoras mas por causa dos clientes que ficarão furiosos se virem-se imortalizados numa foto.

 

Pior que isso apenas se forem apanhados pela polícia local a falarem mal do Rei.

Dá pena de prisão, e há coisas muito melhores para fazer em Banguecoque do que pedir para ligar para a Embaixada Portuguesa para nos virem resgatar!

 

Budas em Wat Pho

 

 

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D