Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Triptofano

O teu aminoácido essencial!

Os exfoliantes não são todos iguais!

21.05.19, Triptofano!

O exfoliante deve ser o produto de cosmética mais marginalizado da nossa sociedade, porque pela minha experiência quem tem um raramente lhe coloca as mãos em cima.

E o pobre do exfoliante fica meses arrumadinho na prateleira a tentar transformar-se num creme hidratante, qual lagarta em borboleta, porque só assim é que alguém se irá lembrar de voltar a pegar-lhe!

Este é um cuidado de beleza que eu aconselho a quase todas as pessoas (existem sempre algumas excepções claro) mas que raramente consigo vender, porque a resposta que ouço praticamente sempre é que vão comprar no supermercado que é mais barato e os exfoliantes são todos iguais!

Não me importo que as pessoas comprem no supermercado (desde que seja algo de qualidade) mas tento sempre explicar que os exfoliantes não são todos iguais e devem comprar algo que respeite e seja eficaz no seu tipo de pele.

Os exfoliantes não são todos iguais!

Existem três grandes grupos de exfoliantes: os físicos, os químicos e os enzimáticos.

Os exfoliantes físicos, como o nome indica, possuem partículas físicas na sua composição.

Podem ser grãos de arroz, sílica, açúcar, pedaços de caroço de pêssego, enfim, a imaginação é o limite.

Estas partículas físicas vão exercer uma acção mecânica sobre a pele, sendo que é através da fricção proporcionada pelos movimentos circulares da nossa mão que vai ser possível libertar da superfície as células mortas, que são células sem vitalidade (pudera estão mortas!), com baixo conteúdo hídrico e repletas de queratina!

Por isso o mais importante num exfoliante físico é mesmo a fricção, se deixarmos o exfoliante na cara e não fizermos nada os resultados vão ser nulos.

Dependendo da nossa pele deveremos escolher partículas maiores ou mais pequenas, de forma a conseguirmos uma exfoliação mais eficaz e a não desenvolvermos nenhuma irritação facial!

Os exfoliantes químicos utilizam ácidos de forma a conseguirem quebrar as ligações entre as células superficiais da pele, destacando-as mais facilmente, sendo que aqui não é preciso fazermos exercício com os nossos bracinhos (pronto precisamos de por o exfoliante na cara ok?), mas incrivelmente conseguimos uma exfoliação mais profunda do que usando apenas um exfoliante mecânico!

Os ácidos utilizados podem ser AHA ou BHA, alfa e beta-hidroxiácidos respectivamente, e dependendo do tipo de pele deve ser usado um ou outro!

Se tiverem interesse num post detalhado sobre as diferenças entre os AHA e os BHA digam-me nos comentários 

Por fim existem os exfoliantes enzimáticos, que ainda não são tão conhecidos do grande público!

Estes exfoliantes vão quebrar as mesmas ligações entre as células que os exfoliantes químicos, mas a grande diferença é que não usam nenhum ácido mas sim enzimas proteolíticas naturais normalmente obtidas de frutos tropicais, como a papaia ou o ananás!

Pessoalmente recomendo um exfoliante enzimático para quem tenha uma pele extremamente sensível e reactiva e não tolere nem a exfoliação mecânica nem a química!

Vocês costumam usar exfoliante na vossa rotina de beleza?

Não se esqueçam que não só a cara precisa deste cuidado, mas também o corpo, especialmente se tiverem predisposição a ficarem com pêlos encravados! 

E por acaso sabem que tipo de exfoliante tem em casa? Ou também achavam que era tudo igual? 

 

27 comentários

Comentar post