Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Triptofano

O teu aminoácido essencial!

O Taco mais Chingón de Lisboa

22.08.20, Triptofano!

El Taco Chingón em 10 segundos: Transporte-se para uma das taquerias mais típicas da Cidade do México por meio de um taco al pastor ou barbacoa, empurre para baixo com um Jarrito de tamarindo e não saia sem provar os churros com doce de leite.

O Taco mais Chingón de Lisboa

O restaurante ficou muito mais chingón com a minha presença não acham?

Com muita pena minha nunca fui ao México mas, o Cara-Metade há uns anos atrás quando trabalhava em consultoria passou um mês na Cidade do México, e ainda hoje fala nostalgicamente dos sabores que encontrou naquele país.

Desde as flautas, passando pelos pozoles e os tacos al pastor de la calle, e acabando na barbacoa em regime de buffet, é evidente que quem prova os sabores mexicanos nunca mais os esquece, já que cada vez que ele desata a viajar na memória um fiozinho de baba começa-lhe a escorrer pelo queixo.

Foi um desses acessos nostálgicos que nos faz procurar um restaurante mexicano para matar saudades, e o escolhido foi o El Taco Chingón em Arroios, perto da praça do Chile.

Chingón é um calão mexicano para algo que é extremamente fantástico (por exemplo, o Triptofano é super chingón) e a verdade é que pelo menos a decoração do restaurante era chingón até dizer chega, repleta de detalhes deliciosos a saltar de todos os cantos.

Único senão: o cheiro a fritos que se veio a descobrir dever-se a um exaustor desligado, mas que não foi o suficiente para nos fazer escolher a esplanada ao invés do espaço interior.

O Taco mais Chingón de Lisboa

O Taco mais Chingón de Lisboa

O Taco mais Chingón de Lisboa

Nem a casa-de-banho foi esquecida no que toca a decoração!

A iniciar a refeição veio Chilaquiles, um prato nacional do México, cuja base são tortilhas de milho em quartos levemente fritas (totopos), que aparentemente é óptimo para curar ressacas. Apesar de não estar ressacado, este Chilaquiles, levemente picante devido ao molho verde, servido com sour cream, cebola roxa, requeijão e frijol negro refrito, estava simplesmente delicioso, e foi devorado avidamente.

O Taco mais Chingón de Lisboa

Chilaquiles: o cura ressacas!

Depois de um início tão promissor a fasquia estava altíssima para os tacos, sendo que o facto do dono do estabelecimento ter vivido 8 anos no México deixou-nos confiantes em que não iríamos ficar desapontados, e felizmente não ficámos.

Antes de falar dos tacos propriamente ditos, deixem-me fazer um apontamento sobre os temperos que vieram para a mesa. Se gostarem de picante e quiserem ficar com a boca a arder, atirem-se de cabeça ao molho vermelho. Caso sejam pessoas mais comedidas, o molho verde pode ser consumido com alguma moderação. Independentemente de colocarem ou não picante no vosso taco, é obrigatório salpicarem-no com lima, de forma a terem um efeito refrescante que irá abrir os sabores.

O Taco mais Chingón de Lisboa

Picante ou não picante?

O Taco mais Chingón de Lisboa

Taco sem lima não é Taco!

Começámos por ferrar o dente num Gringa, um taco em tortilha branca (feita de trigo ao invés de milho) com carne al pastor com queijo derretido, cebola e coentros. Apesar de estar saboroso foi o que no fim da refeição se revelou o menos marcante, visto que a competição entre tacos era feroz.

O Taco mais Chingón de Lisboa

Porque nem todos os Tacos são amarelos!

Em seguida veio um Carnitas, um taco com carne de porco cozinhada lentamente com especiarias e servido com cebola e coentros picados, que ficou em terceiro lugar no ranking dos tacos saborosos que nos fizeram lamber os dedos.

O Taco mais Chingón de Lisboa

O saboroso Carnitas.

A prova de fogo dos tacos é o Taco Al Pastor. Este taco de carne de porco marinada em molho achiote servido com cebola, coentros e ananás assado, que foi levado para o México por pastores libaneses, é o sintonizador da refeição, ou seja, é o prato através do qual se consegue perceber a mestria de quem está na cozinha. E neste caso, quem está na cozinha merece uma canonização, porque uma conjugação de ingredientes tão simples leva a um resultado final simplesmente inolvidável.

O Taco mais Chingón de Lisboa

O clássico: taco al pastor!

Nunca o ditado os últimos são os primeiros fez mais sentido, porque o Barbacoa de Rés, um taco de carne de vaca guisada e desfiada, servido com cebola roxa e coentros, foi o último a ser provado mas ficou em primeiro lugar a nível de sabor. Só de escrever sobre ele cresce-me água na boca, por isso quando visitarem o El Taco Chingón coloquem este menino no vosso pedido, porque é simplesmente imperdível.

O Taco mais Chingón de Lisboa

Só de olhar fico com água na boca...

A acompanhar a comida vieram Jarritos, um refrigerante mexicano já com 7 décadas de existência, feito com aromas naturais de fruta.

O Cara-Metade optou por um mais seguro Jarrito de lima, enquanto eu, à maluca, atirei-me para o de tamarindo, pensando que ia ter de fazer má cara para o conseguir beber. Surpreendentemente o de tamarindo bate aos pontos o de lima, o que mostra que quem não arrisca não petisca (ou neste caso não bebe um Jurrito delicioso).

O Taco mais Chingón de Lisboa

Jurritos: uma bebida com tradição!

Para terminar a refeição pedimos uns Churros com Cajeta (doce de leite) que foram a surpresa da noite. Estão a ver os churros espanhóis com chocolate quente? Esqueçam, estes são mil vezes melhor. Leves, estaladiços, nada enjoativos como muitas vezes os fritos conseguem ser, estes churros eram simplesmente divinais. Então combinados com o doce de leite é de fazerem uma pessoa dar graças por ficar diabética.

O Taco mais Chingón de Lisboa

Churros com doce de leite: um pecado de tão bons que são!

Já sabem, se quiserem um sítio Chingón para irem comer uns tacos à maneira, o El Taco Chingón é o lugar a ir.

O Taco mais Chingón de Lisboa

 

El Taco Chingón Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.