Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Triptofano

Como ser 20% mais feliz?

19
Ago18

O Quintal


Há muitos anos atrás ir jantar na Amadora era sinónimo de ir comer um hambúrguer no centro comercial Babilónia e acender uma vela a pedir a protecção divina para voltarmos para casa com todas as peças de roupa no nosso corpo.

 

Pronto, confesso que posso estar ligeiramente a exagerar, mas há uns 15 anos atrás o panorama da cidade era completamente diferente daquele que encontramos hoje, apesar de ainda haver muito caminho para ser feito.

 

Agora é com satisfação que vejo que começam a aparecer restaurantes com qualidade que tem a capacidade de fazer as pessoas sair do centro de Lisboa e rumar a zonas mais periféricas.

E depois  é uma bola de neve.

Quanto mais pessoas começarem a visitar zonas consideradas menos nobres mais estabelecimentos vão abrir para aproveitar o boom de visitantes, e mais estabelecimentos significa ainda mais pessoas.

 

O Quintal é um dos restaurantes que faz com que a Amadora esteja na boca do povo, e tem boas razões para isso.

 

Quando se chega tem que se bater à porta, mas não de uma forma desconfortável, como quando queremos sair à noite e não sabemos se o porteiro nos vai deixar entrar, é mais como se estivéssemos a chegar a casa de uns amigos de longa data.

 

Ao entrar-se somos atingidos a alta velocidade com toda a surpresa.

 

Primeiro uma antecâmara que é uma autêntica sala de visitas, onde nos sentamos a aguardar um pouco que nos levem à mesa.

Depois, atravessado um pequeno corredor, chega-se à sala de jantar, um local espaçoso com todas as paredes de um tom cinzento que nos fazem questionar se o edifício ainda está em construção, exceptuando uma, pintalgada de enésimos tons, como se um adulto com uma crise de diabetes a tivesse atacado em vez de pintado. Cada cadeira é da sua nação, o que corrobora o sentimento de que estamos num local familiar onde podemos ser nós mesmos.

 

A refeição começou com uma manteiga aromatizada com coentros e um toque de endro, que foi gulosamente espalhada pelas diversas variedades de pão que se encontravam na mesa. Havia outras pequenas entradas que apesar de terem bom aspecto não foram provadas.

 

Agora confesso-vos, se eu soubesse que as moelas que pedi para entrada eram assim tão fantásticas tinha racionado melhor o pão, porque depois de as devorar todas sobrou-me tanto molho e nada para molhar nele.

Perdi a vergonha (que já não é muita) e toca de besuntar o dedo - vale a pena!

 

Para a mesa também vieram uns estaladiços de alheira com grelos e molho agridoce, que mal vi no menu tive bastante curiosidade em experimentar.

 

Foi um mix-feeling. Por um lado a massa estava irrepreensível, e o toque do agridoce nos lábios transportava-nos para um ambiente asiático para rapidamente voltarmos para terras lusas com o sabor da pasta de alheira e grelos. Por outro, tive pena que o rácio massa:recheio estivesse algo desequilibrado. Tinha gostado de ver menos massa e mais recheio, de forma a harmonizar a experiência.

 

Nos pratos principais a minha escolha recaiu para uns bem confeccionados lagartinhos com batata frita caseira acompanhada de uma maionese de alho, enquanto que o cara-metade cravou o dente numas saborosas (mas ligeiramente frias) costeletas de borrego com esparregado.

 

Para a sobremesa (e tenho aqui já a dizer que achei que o valor desta estava um bocadinho upa upa puxadote) trouxeram-nos à mesa todas as opções para que os olhos pudessem comer antes do estômago.

 

Decidimos dividir uma banoffee, e não foi mau, mas também não foi memorável.

 

Percebo que possam ter tentado criar a base da banoffee com um crumble mas no meu gosto estava um bocadinho duro demais para ser agradável além de ter sentido falta de mais banana fresca - uma rodelinha no topo não alegrou o meu dia.

 

O atendimento no Quintal foi fantástico, muito simpático e prestável, apesar de achar que talvez quando estamos a lutar contra uma costeleta de borrego mordendo-a furiosamente não seja a melhor altura para perguntar se já terminámos, mas pronto, isto sou eu a ser comichoso!

 

Se vale a pena visitar o Quintal?

 

Vale sim senhor. Pela surpresa que o espaço nos transmite, pela qualidade da comida e pela simpatia do atendimento. Há pequenos detalhes a melhorar é certo, mas quando saímos porta fora a sensação que fica é que foi tempo e dinheiro bem empregue!

 

O Quintal Amadora

O Quintal Amadora

O Quintal Amadora

 

O Quintal Amadora

 

 

O Quintal Amadora

O Quintal Amadora

O Quintal Amadora

O Quintal Amadora

O Quintal Amadora

 

O Quintal Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D