Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Triptofano

O teu aminoácido essencial!

O poder de dizer Não!

01.09.21, Triptofano!

Na semana passada, enquanto deambulava pela Netflix, descobri um filme que todo ele girava à volta do poder de dizer Sim! Porque supostamente dizer Sim abre-nos portas que de outra forma ficariam para sempre fechadas, levando-nos em aventuras fantásticas pelo espaço sideral e mais além.

Tretas é o que eu vos digo!

Muito mais importante que dizer que sim, é conseguir dizer Não. Mas um não de forma assertiva, tranquila e ponderada, e sobretudo, sem remorsos.

Eu sou o tipo de pessoa que tem dificuldades enormes em dizer que não. Se me pedem ajuda para fazer uma coisa o meu primeiro instinto é logo dizer que sim, porque faz parte da minha natureza querer ajudar os outros, e fico verdadeiramente feliz por poder ser útil.

Só que o problema é quando do outro lado as pessoas interpretam o nosso sim como um estar de pernas abertas à total disposição, e vai de pedirem mais uma e outra vez favores porque sabem que do nosso lado o que vão receber é um sim e um sorriso (mais ou menos amarelo).

Claro que se uma pessoa não tiver nada que fazer desta vida e quiser concorrer para o Prémio Nobel da Paz então força, não há problema nenhum. A grande questão é quando se começa a colocar os pedidos dos outros à frente das nossas prioridades, levando a uma sobrecarga de trabalho totalmente evitável.

Normalmente acabam por acontecer uma de duas coisas, mas com um final em comum.

A primeira é a pessoa ter um treco lareco devido a ter acumulado tanta coisa e rebentar em cima de tudo e todos, mesmo naqueles sem culpa na história. Nunca é boa ideia irmos enchendo infinitamente o saco, porque um dia ele colapsa e ficamos somente com um bocado de plástico e um buraco gigantesco.

A segunda é a pessoa encher-se de coragem e recusar o pedido de ajuda, justificando-se de uma forma quase excessiva, sentindo-se no fim uma porcaria de ser humano por ter negado auxílio.

O final em comum é a existência de uma falsa vítima, aquela pessoa que vai queixar-se que ninguém a ajuda e que é uma mártir que todos os dias caminha sobre vidro descalça e come diospiros já muito passados que deixam a boca toda samarruda que é um horror.

Por isso é que é tão importante cultivar-se o poder de dizer Não desde o princípio. Não é atirar nãos a torto e a direito sem deixar sequer a pessoa falar, mas é não ter vergonha de nos colocarmos em primeiro lugar, de compreender o que podemos ou não fazer sem nos afectar, de perceber que levar a mochila dos outros constantemente acaba por nos dar cabo das costas, e sobretudo não transpor os sentimentos dos outros para aquilo que sentimos.

Se ficarem chateados ficam chateados. Se ficarem aborrecidos ficam aborrecidos. Se ficarem a maldizer a nossa pessoa ficam a maldizer a nossa pessoa.

No fim do dia não conseguimos controlar o que os outros sentem, mas temos o poder de decidir quanto nos impactam esses sentimentos! 

2 comentários

Comentar post