Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Triptofano

O teu aminoácido essencial!

O Não e a Zona de Conforto

28.06.19, Triptofano!

De certeza que já leram em algum sítio, ou já alguém vos disse, que na vida deve-se arriscar, porque o não têm sempre garantido.

Mas se isto é assim tão simples porque é que tanta gente continua na sua zona de conforto, porque é que muitos de nós não atravessam aquela linha que separa o que conhecemos de trás para a frente do buraco negro do desconhecimento?

O problema é que um não não é simplesmente um não.

Quer dizer, um não é simplesmente um não, mas não para as nossas cabeças, ou pelo menos para a minha.

Um não é como se fosse um atestado de incompetência. Uma chapada na cara que nos acorda para a realidade lembrando-nos que não somos bons, não somos capazes, não temos asas para voar mais além. Um não é uma facada dilacerante no nosso sonho, e é mais seguro continuarmos a dormir profundamente.

Basicamente um não é a materialização de todos os nossos medos, por isso é que a zona de conforto é tão confortável.

Confesso que tenho uma forma de pensar ridícula: acho que os outros vão descobrir o meu valor e dar-me aquilo que eu mereço.

Dou-vos um exemplo concreto, acredito piamente que um dia alguém vai chegar ao meu trabalho e dizer que soube o quão bom profissional eu sou e vai-me oferecer uma proposta de trabalho incrível.

Obviamente que a probabilidade disso acontecer roça valores negativos, porque o mais provável é nunca ninguém sequer saber que eu existo se não gritar ao mundo que estou aqui, mas eu mantenho-me na ilusão dessa expectativa, porque é mais fácil, porque é mais seguro.

O engraçado disto tudo é que no passado sempre que tive a coragem de sair da zona do conforto coisas fantásticas aconteceram.

Também recebi muitos nãos redondos, mas pensando agora no assunto não morri por causa disso.

Onde eu queria chegar com este texto é que, um não, é simplesmente um não.

Um não não deve deitar-nos abaixo, não deve fazer-nos ter vergonha, ou inferiores, ou a pensar que não somos capazes.

Um não vai doer sempre, não vou dizer que não, mas deve ser uma dor tipo penso rápido, doeu naquele instante e depois é andar para a frente.

Se estivermos à espera que as coisas caiam do céu enquanto estamos tranquilos na nossa zona de conforto o mais provável é vermos os outros a evoluir e nós a ficarmos no mesmo sítio.

E os outros até podem não ser tão bons como nós, mas perceberam que no meio de muitos nãos lá aparece um sim, enquanto que no meio de nenhuma tentativa não aparece coisa alguma.

Eu vou perder a vergonha, aquela sensação de falta de humildade e de que me estou a impor a outra pessoa, e vou lutar por aquilo que quero.

É como aquela canção da Selena Gomez, When you're ready come and get it, e eu agora estou pronto!

Vocês que estiverem a ler isto, fechem os olhos, cerrem os pulsos, e pensem é agora porra!

Escrevam aquele e-mail, mandem aquela mensagem, liguem àquela pessoa que vos pode ajudar, mas deixem a vossa zona de conforto.

E se ouvirem um não fiquem tristes por um segundo mas depois sintam-se orgulhosos.

Porque tentaram.

E quando perceberem que afinal não ficaram sem um pedaço da alma vão tentar novamente, até conseguirem aquilo que realmente querem, demore o tempo que demorar!

36 comentários

Comentar post

Pág. 1/3