Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Triptofano

O teu aminoácido essencial!

O Marciano

13.11.17, Triptofano!

"Recebi ontem uma mensagem tua, que li mais do que uma vez antes de ir para a cama. O texto incomodava-me, mas não sabia a razão para o meu desconforto. Vinha-me sempre aquela imagem insólita de uma alga vermelha, não muito grande, levada para um e outro lado, pela ondulação irrequieta... aparentemente sempre a passar de um para outro lado, na realidade sempre no mesmo sitio, apenas arrastada para a frente , para trás, para os lados...

Pensei também nas crónicas marcianas do Ray Bradbury... lidas há muitos muitos anos... mesmo muitos. Mas que me marcaram... ou melhor, uma delas, marcou-me... a história dos colonizadores terrenos de Marte... existem vários tipos de marcianos... um deles tem uma capacidade rara... lê pensamentos, adapta-se fisicamente ao que lê na mente dos terráqueos... ao aproximar-se de uma senhora viúva, logo se transforma no marido perdido, adopta-lhe as formas, age como ela gostaria que o marido agisse... não é, pois, o marido, mas o reflexo do que ela queria que o marido fosse... logo, algo estranho para a senhora, mas mesmo assim tão bom, estava de volta! ... o marciano passa por várias casas, levado ao acaso do vento pelo pensamento do terráqueo com quem se cruza por acaso... sempre a tornar felizes os demais, sem sentimentos manifestados, sem vontade expressa... um dia, o marciano cai acidentalmente no meio de uma multidão de terráqueos... cada um com os seus desejos, com as suas necessidades, com os seus pensamentos... o pobre marciano é distorcido fisicamente por tanta vontade diferente, destruído pela sua natureza que o leva a ser o que os outros querem... morre, sem forma..."

 

 

 

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Triptofano!

    14.11.17

    Realmente é uma mensagem assim mais filosófica, mas a moral da história é bastante interessante! Afinal quantos de nós, em certas alturas da nossa vida, não tentamos que os outros gostem de nós, não por aquilo que somos, mas por aquilo que os outros gostavam que fossemos?
    O mesmo acontece com os jovens, quando querem à força inserir-se num determinado círculo, às vezes deixando para trás a sua essência para se tornarem algo que nem eles próprios reconhecem!
    Um grande abraço, deste extraterrestre
  • Comentar:

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.