Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Triptofano

O teu aminoácido essencial!

O Leitor Decide - Victan

15.12.19, Triptofano!

O Leitor Decide - Qual a Decisão de Lúcia:

a) Vai espreitar para descobrir quem bate à porta - 8 votos b) Silenciosamente fecha-se na casa-de-banho - 1 voto

O Leitor Decide

Quem estava a bater parecia não querer anunciar a sua chegada mas sim quase deitar a porta abaixo para entrar. Lúcia estava pálida e mesmo sem dar conta tinha sustido a respiração.

Durante um momento ponderou a hipótese de se trancar na casa-de-banho e ligar para o 112, mas rapidamente ralhou mentalmente consigo mesmo por estar a ser uma medricas. Aquela zona da cidade onde morava era extremamente segura e ela era uma mulher forte e independente, e não fazia o mínimo sentido ficar assustada porque alguém estava a bater à porta - só podia ser efeito do suspense do livro que lhe estava a afectar o sistema nervoso.

Lúcia levantou-se, convencendo-se de que não havia problema nenhum nem razão para estar com medo, apesar das suas pernas trémulas dizerem o contrário.

Aproximou-se do óculo e espreitou com o coração na boca, ansiosa por ver quem estava do outro lado.

O óculo tinha sido tapado com uma folha de jornal ou assim parecia, impedindo Lúcia de ver o corredor do andar em que morava. As pancadas na porta também tinham cessado e não se ouviam nem passos nem nenhuma respiração, sinais de que poderia haver alguém do outro lado.

Num rasgo de confiança escancarou a porta e deu de caras com o vazio. Da pessoa que lhe tinha batido à porta nem rasto. 

Virou-se na direcção do óculo da porta para retirar o pedaço de papel que o cobria quando percebeu que a folha do jornal afinal era uma página de um livro. Uma ideia mirabolante atravessou-lhe o cérebro, poderia aquela ser uma página do seu livro?

Pegou nela, fechou a porta e correu para o livro abandonado no sofá. Ficou atónita quando percebeu que aquela página era a continuação da que estava a ler, tinha sido arrancada muito habilmente quase não deixando vestígio da sua existência, não fosse o salto de paginação. 

Teria sido o alfarrabista que, não querendo que a sua leitura ficasse afectada, tivesse resolvido entregar-lhe a página? Mas sendo assim como é que ele sabia onde ela morava? Será que a tinha seguido até casa? E que coincidência espantosa ter recebido aquela folha impressa no exacto momento em que iria precisar de a ler.

Mas e se não tivesse sido o alfarrabista?

Lúcia obrigou-se a deixar de ser paranóica e cingir-se às evidências. Algo ou alguém tinha-lhe entregue uma parte do livro que precisava, e esse algo ou alguém tinha desaparecido, por isso a coisa mais óbvia a fazer era continuar a leitura.

*Quando Ana se deu conta já era tarde demais, e só teve o instinto de proteger a cara dos milhares de pequenos pedaços de vidro que foram projectados após a figura partir com uma pedra o vidro da janela do carro.

Viu aterrorizada uma mão aberta a tentar alcançar a sua garganta, e a única coisa que o seu instinto primitivo de sobrevivência lhe gritou aos ouvidos foi FOGE, enquanto mordia violentamente o polegar do seu agressor, para evitar ser estrangulada naquele preciso momento.

Rodou a chave, destravou o carro e carregou no acelerador. Tinha-se esquecido completamente que estava numa descida e tinha deixado o veículo em marcha-atrás, e foi por milímetros que não bateu no muro do estacionamento, mas tinha sido o suficiente para se por momentaneamente a salvo.

Precisa de fugir dali, precisava de fugir, PRECISAVA DE FUGIR!!!!!!

Colocou a primeira e carregou a fundo no acelerador, fazendo o carro dar um verdadeiro salto e bater na figura negra encapuçada, projectando-a pelo ar.

Ana parou uns bons metros à frente, com o peito quase a explodir de adrenalina e com uma dificuldade horrível para respirar. Abriu o porta-luvas e colocou tremulamente um comprimido para a ansiedade debaixo da língua, porque sentia que a qualquer altura o seu corpo podia colapsar e desmaiar.

Quando conseguiu ficar ligeiramente mais calma olhou pelo espelho retrovisor e viu a figura estendida no chão sem se mexer. Estaria morta?*

 

O Leitor Decide: Qual a Decisão de Ana:

a) Sai do carro e vai ter com a figura

ou

b) Continua a conduzir até estar em segurança e liga para a polícia.

 

Deixem a vossa escolha nos comentários! No próximo domingo a história continua de acordo com a vossa decisão!

 

Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.