Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Triptofano

O teu aminoácido essencial!

Não Tão Amarelo, Vicente

03.10.17, Triptofano!

Olhou com perplexidade para o seu lado esquerdo. Três quartos e meio de existência separavam-na novamente daquele homem. Ele observava cegamente o quadro que tinha na sua frente, não deixando transparecer nenhum sinal de reconhecimento em relação ao frágil transtornado corpo daquela mulher que via num segundo todas as suas defesas a serem estilhaçadas e remetidas a uma vaga miragem de poeira etérea.

 

Sílvia concentrou-se na abstracção da nulidade do pensamento de forma a conseguir equilibrar-se nos saltos que lhe anulavam a tarefa de ter de se agigantar perante terceiros enquanto a mão trémula dançava com uma flute de champanhe transbordante de algo que não se assemelhava a morna felicidade mas talvez a uma não temperada reviravolta do destino.

 

Passou a mão pelos acastanhados caracóis enquanto sentia no seu interior estalar uma capa que pensara ser dura, resistente, capaz de a fazer avançar contra todas as vagas e marés da vida. Oh, que tonta fora, reconhecia naquele momento em que via outra vez os medos e dúvidas, os desequilíbrios e hesitações a saquearem-lhe a sua realidade de uma forma demasiado crua e explícita para poder sequer acreditar nela.

 

Odiava as apresentações de arte moderna que tinha de regularmente promover na galeria de que estava encarregue, mas uma percentagem igual a 50 na venda de uma qualquer obra era mais do que um bom incentivo para naquele tempo de crise tolerar aquele vai e vem de corpos conhecidos e rotinados, que falavam, riam, bebiam, indiferentes aos três quartos e meio de vida invisíveis que separavam Sílvia de um presente, de um passado e, cravejavam-lhe os olhos de lágrimas, de um futuro que sabia inexistente.

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.