Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Triptofano

Como ser 20% mais feliz?

04
Jun18

Está aberta a época dos Arraiais


O tempo pode não estar o mais convidativo para ir à praia, especialmente tendo em conta que já estamos em Junho, as pessoas podem andar meio chateadas com o trabalho ou com o clube de futebol e os euros na carteira infelizmente não se multiplicaram para se embarcar com destino a umas férias paradísiacas, mas há algo que tem a capacidade miraculosa de deixar todos com um sorriso no rosto.

 

Os Santos Populares em Lisboa são sinónimo de arraiais em todos os becos e vielas da cidade, um óptimo pretexto para deixar a melancolia fechada em casa e sair para aproveitar tudo o que a vida tem para oferecer.

 

É ver as pessoas a sorver caldo verde com chouriça à mesma velocidade que bebem uma cerveja geladinha, a comerem batatas cozidas sem se preocuparem se estão a ingerir hidratos de carbono depois das nove e a devorarem uma salada de pimentos mesmo sabendo que vão ficar com azia depois.

 

Os arraiais são sinónimo de bifanas a pingar no pão e de dedos lambuzados de sardinhas gordas que são comidas sem garfo nem faca - afinal quando é que nos esquecemos que a comida deve ser provada com o paladar mas também com o tacto?

 

Mesmo aqueles que foram brindados pela genética com um pé de chumbo, como é o meu caso, bamboleiam o corpo ao som do senhor do teclado que consegue fazer a proeza de tocar o Despacito monocordicamente, ao mesmo tempo que equilibram numa mão uma fartura ou um churro recheado de Oreo e na outra uma caipiroska, que pode não ser tradicional da capital mas cumpre os requisitos de empurrar para baixo alguma massa mais farinhenta.

 

Não é dia de Quim Barreiros nem Rosinha, mas o senhor do teclado faz a festa, com um jogo de luzes digno de qualquer discoteca da moda, enquanto toda a gente larga sorrisos entre bandeirinhas, barracas de rifas muitas vezes sem prémio e manjericos com um preço hiper-valorizado.

 

Não faltam os eternos vendedores de balões, o senhor que bebeu mais que a conta e faz um passo de break dance, os turistas que vieram visitar o país para ver a essência da cidade e não para ver mais turistas, as senhoras cinquentonas que se atiram à pista improvisada mostrando as suas habilidades recém-aprendidas nas danças de salão enquanto os maridos bochecham a boca dos caracóis com um trago de Licor Beirão.

 

Os Arraiais de Lisboa são isto, são as filas intermináveis para comer, é o fumo da grelha que nos entra pela garganta dentro, são os locais tão cheios de pessoas que o contacto humano é impossível de evitar, são as músicas que banimos da nossa playlist do Youtube mas naquele momento parecem-nos os melhores hits de todo o sempre.

 

E são sinónimo de felicidade, de despreocupação, e da esperança que a vida pode ser sempre assim, tranquila, ao som de uma música pimba e acompanhada por uma fatia de pão e uma sardinha.

 

Arraiais Lisboa

Arraiais Lisboa

Arraiais Lisboa

Arraiais Lisboa

 

11 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Follow

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D