Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Triptofano

Como ser 20% mais feliz?

09
Set18

Dinastia Tang


Sabem quando escolhem um prato num restaurante que não fazem ideia do que é mas que por alguma razão que desconhecem, talvez seja um alinhamento astronómico ou coisa que o valha, têm a certeza que vão adorar?

 

Pois bem, foi o que me aconteceu ontem quando visitei o Dinastia Tang.

Mas vamos por partes

 

Tal como vos contei aqui, ontem foi o dia do reencontro com o Macaco José, reencontro este que foi demorado, porque tudo em Portugal demora (não é apenas em Portugal mas pronto deixem-me ser queixinhas pode ser?).

Quando a situação ficou resolvida já passava um pouco das 14 horas e almoço nem vê-lo.

 

Depois de uma rápida troca de ideias eu e o Cara-Metade resolvemos ir almoçar ao Dinastia Tang, um restaurante chinês situado em Marvila.

 

Único problema, fechava às 15h!

 

Quando chegámos demos de cara com dois lances de escadas que não são para asmáticos nem para quem sofre de angina de peito, mas como a fome apertava galgámos os degraus e ficámos de boca aberta (em parte pelo esforço mas sobretudo pela surpresa) quando chegámos ao andar de cima.

 

O espaço é lindo, grande, arejado, muitíssimo bem decorado.

Vale muito a pena visitar nem que seja para perdemos o nosso olhar em todos os detalhes, desde as mesas de refeição e acabando na casa-de-banho.

 

Sentámos-nos numa das mesas mais resguardadas que, aviso já, não foram concebidas a pensar em pessoas com mais de um metro e oitenta de altura.

Para conseguir ficar minimamente perto da mesa tive que torcer as pernas num ângulo um pouco estranho, por isso se forem pessoas cujos pais deram fertilizante quando eram novas evitem estas mesas.

 

Fomos muito bem atendidos mas pediram-nos para sermos céleres no nosso pedido visto que a cozinha fechava em breve.

Entregaram-nos para a mão um menu lindamente encadernado, com a história do restaurante e os ingredientes mais comummente usados: um regalo para a vista.

 

O pior é que havia muitas opções de escolha, ou seja, não é um menu pequeno, e uma pessoa quando está em contra-relógio ainda fica mais indecisa sobre o que escolher, por isso confesso que acabei por não ver metade do menu e confiar no meu instinto.

 

Para entrada veio uma sopa de peixe para o Cara-Metade, muito saborosa e muito espessa, resultante da adição de amido de milho como depois nos explicaram, e que nós pensávamos ser devido ao uso de agar-agar.

Para mim, uma sopa à Pequim, com um maravilhoso equilíbrio entre os sabores ácido e picante.

 

Ambas as sopas foram servidas com taças e colheres que à primeira vista podem parecer ser de plástico mas não, são de melamina, o melhor material que pode ser usado num restaurante a nível de HACCP.

 

Depois, para partilhar, vieram para a mesa uns pães chineses, conhecidos como baos, recheados com porco e mel, repletos de sabor e muito bem cozinhados.

Pena que a parte estética do bao estava incorrecta, já que a "costura" devia ficar escondida na parte de baixo, e não na parte de cima, abrindo-se e mostrando o seu interior, perdendo algum do seu deslumbramento.

 

Para prato principal o Cara-Metade escolheu uma dose muito bem servida de frango com tâmaras chinesas e bagas Goji e eu fechei os olhos e ouvi a voz que me ecoava nos seios peri-nasais dizendo que o entrecosto à Hong Kong ia ser fantástico.

 

Não fazia ideia do que era, não perguntei quais os ingredientes, confiei e pedi.

 

Quando veio um entrecosto a nadar num molho de mel, um rio de baba correu-me pelos cantos da boca.

 

Vocês sabem que eu sou aquele tipo de pessoa que adora ficar com os dedos lambuzados, que lambe o prato, a faca e o tampo da mesa se for possível.

Por isso, este entrecosto foi a minha perdição.

 

No fim, ainda comi um bocado do molho à colherada mas lembrei-me a tempo que ainda era muito novo para começar já a ter artérias coronárias entupidas e controlei-me!

 

A refeição podia ter acabado de uma forma muito positiva se não tivéssemos tido a ideia de perguntar se havia sobremesa.

 

Como nos esqueceram de perguntar no início da refeição se a queríamos (mas também quem é que antes de começar a comer sabe se lhe vai apetecer sobremesa?) era de todo impossível fazerem uma das sobremesas da lista.

 

Isto porque os funcionários chineses da cozinha não gostam de trabalhar nem um minuto depois da hora (atenção, isto foi-me dito, não sou eu que estou a inventar teorias) por isso sobremesa que é boa só se fosse uma banana split com gelado.

 

Eu sei e entendo que a hora de trabalho de cada um é para cumprir, mas num restaurante talvez devesse haver um bocadinho nada mais de flexibilidade.

Eu no meu trabalho quando saio às 20h se houver pessoas para atender nem que fique até às 20.30h mas tenho de as atender, não posso simplesmente pegar nas minhas coisas e dizer adeus e até amanhã!

 

Mas pronto cada um gere o seu negócio da forma que achar mais correcta, eu é que fiquei decepcionado porque já estava a pensar em aumentar um bocadinho mais a minha diabetes!!!

 

 

Dinastia Tang 

Dinastia Tang

 

Dinastia Tang

Dinastia TangDinastia TangDinastia TangDinastia Tang

Dinastia Tang

 

Dinastia Tang Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

13 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D