Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Triptofano

O teu aminoácido essencial!

Desafio de escrita dos pássaros #3 - um momento que te tenha marcado

27.09.19, Triptofano!

Vamos pessoal, ele tem de sair!

 
A agitação na sala era palpável, como pequenas ondas de electricidade que percorriam os epitélios e a superfície das ranhosas luvas de plástico, soltando pequenas faíscas aqui e ali.
 
Os corpos moviam-se numa dança mudamente sincronizada, pautada por gritos que nada diziam entre a agitação das toucas azuis e das batas dum branco sujo que nem a lixívia mais forte conseguia purificar.
 
Era o momento que há quase nove meses eu esperava, desde o momento da minha concepção, naquele fim de tarde em que o corpo do meu pai, numa cópula desajeitadamente apressada, tinha libertado três mililitros e meio de líquido seminal com milhões de confusos espermatozóides, dentro do corpo da minha mãe, no orifício correcto que permitia a possibilidade da concepção de um novo ser.
 
Podem pensar que esta exaltação da minha essência se deve ao facto de poder começar a viver de forma independente, ou melhor, quase independente, tendo em conta as limitações de sobrevivência de um bebé, mas não!
 
O que realmente anseio é poder sair pela vagina da minha mãe, de forma a sentir pelo menos uma vez na vida a sensação de como é estar tão perto da genitália feminina, visto que uma combinação de factores genéticos com carga hormonal mais condições ambientais e quantidade de bolacha Maria que a minha progenitora consumiu durante a minha gestação tornaram a minha sexualidade indubitavelmente do outro lado do espectro de desejos de vulvas e clitóris.
 
Claro que poderia ser ginecologista de forma a poder consumar esta minha curiosidade pueril, mas nenhum médico que se preze deve regurgitar perante o objecto do seu estudo, nem que seja pelo facto do ácido do estômago dar cabo dos dentes.
 
O momento estava iminente!
 
Quase que podia sentir a suavidade das mãos da enfermeira ligeiramente pegajosas devido à recente punheta que tinha batido ao chefe de serviço na esperança de não ter de fazer mais três turnos seguidos.
 
Dizem que a dor de um nascimento é insuportável, comparável a uma penetração anal não lubrificada por um pénis com um prepúcio que ficou colado durante a infância, mas eu estava preparado.
 
Estava tudo encaminhado para ser o momento mais memorável da minha vida!
 
Acabei por nascer de cesariana...
 
 

Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.