Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Triptofano

O teu aminoácido essencial!

Desafio de Escrita dos Pássaros #2.4 - Rivastigmina

21.02.20, Triptofano!

Guilherme adorava o Google!

Todos os dias passava horas sentado à frente dele, deliciando-se tanto com as descobertas mais cientificamente importantes, como por exemplo os benefícios do chá de hibisco ou a velocidade à qual um piolho consegue nadar, como com as mais triviais, nas quais se incluía a razão do céu ser azul ou o número de selfies que o Presidente da República já tinha tirado desde o início do mandato.

Para Guilherme o Google era uma espécie de feiticeiro digital, que lhe adivinhava os pensamentos antes mesmo dele os teclar na zona de pesquisa.

Bastava escrever Como comer um Burrito que o Google fazia-lhe aparecer instantaneamente sem ficar todo sujo, que era exactamente o que ele queria saber. Só podia ser magia!

Alguns colegas já lhe tinham apresentado outros motores de busca, como o Bing ou a Raposa de Fogo, mas Guilherme só queria o Google.

Apesar das horas infindáveis que dedicava a pesquisar tudo e mais alguma coisa, havia um tema que lhe aquecia de forma especial o coração.

Matilde de Leça Abradeu.

Filha de uma lenda do teatro português, Matilde era actriz, apresentadora, Embaixadora da Boa Vontade da Unesco e dava aulas de pintura para crianças com necessidades educativas especiais.

Matilde era sempre a primeira pesquisa do dia mal acordava, e era sempre a última antes de adormecer.

Adorava ver os artigos onde ela aparecia sempre linda, com uns olhos do tamanho do mundo e um sorriso do tamanho do universo, ria-se com o seu humor mordaz quando a ouvia numa entrevista para um canal de rádio, suspirava quando a via nas viagens pelo mundo a espalhar humor e bondade.

Só não gostava das fotos onde pousava com as irmãs, Picó e Muxaca, ambas mais velhas e com menos de metade da beleza e talento de Matilde, e das notícias antigas onde aparecia com o ex-namorado, um playboy brasileiro que a trocou por um deputado europeu.

Guilherme sabia que já tinha sido há muitos anos, mas a lembrança da existência de um homem que tocou no corpo da mulher que venerava sem a merecer deixava-o azedo de rancor.

Naquele dia seguiu o mesmo ritual: acordou, espreguiçou-se e pesquisou no Google o nome de Matilde, mesmo antes de preparar uma caneca de café ou de limpar as remelas dos olhos.

Os resultados que o motor de busca lhe devolveu deixaram-no sem pinga de sangue.

Aparentemente aquele era o dia em que Matilde se casava, e todos os meios de comunicação falavam disso.

Havia quem descrevesse o local da cerimónia, outros que detalhavam a lista de celebridades convidadas e quem se questionasse se no Copo-de-Água haveria uma fonte de marisco vivo ou se optariam por um gigantesco fondue de queijo azul.

Os comentadores virtuais apostavam entre si sobre qual teria sido o estilista escolhido para conceber o vestido da noiva ou quem é que iria ter a tarefa de transportar as alianças, enquanto que o site de uma revista cor-de-rosa garantia a pés juntos que uma das convidadas, solteirona há mais de três décadas, tinha aprendido de forma intensiva Krav Maga e Capoeira só para se certificar que seria ela a apanhar o bouquet.

Guilherme desligou o computador com os olhos completamente esbugalhados.

Não, aquilo não podia ser verdade. O Google estava errado, só podia estar errado, repetia para si mesmo enquanto puxava furiosamente tufos de cabelo.

Como é que ele tinha sido capaz de se esquecer do dia do seu próprio casamento?

Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.