Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Triptofano

Como ser 20% mais feliz?

17
Jul18

Chamada Anónima


Porque será

Que ninguém fala e ninguém responde

Do outro lado sempre alguém se esconde

E que desliga ao som da minha voz

 

 

Caro detentor do número não identificado,

 

quando me ligaste às cinco da manhã para a farmácia e me deixaste em sobressalto para depois desligares ao som da minha voz, automaticamente lembrei-me da música da minha conterrânea Mónica Sintra.

 

Podia estar furioso contigo por ligares a uma hora tão indecente, mas não estou.

Na verdade é o meu trabalho, e se me calha fazer noite de serviço a minha obrigação é estar disponível para todo e qualquer cliente. Afinal estou a ser pago para estar a trabalhar e o meu objectivo é fazer negócio, porque se assim não for o patronato não tem dinheiro e não havendo dinheiro fico sem emprego.

 

É verdade que as farmácias de serviço foram criadas para emergências, por isso a não ser que se seja detentor de uma receita do próprio dia ou do dia anterior, há uma taxa que tem de se pagar.

Eu sei que é chato pagar mais dois euros e meio em cima de uma pílula que já custa dez, mas é a única forma de dissuadir quem gosta de ir às três da manhã comprar um soro fisiológico ou uma garrafa de álcool. E mesmo assim há quem vá e que nos olhe torto pelo vidro quando informamos que o algodão está caro por causa da taxa. E a taxa não fica para mim, vai para a farmácia, não sou eu que estou a ser ganancioso e não quero facilitar.

 

Felizmente para os consumidores noctívagos há cada vez mais farmácias abertas 24 horas, onde não há taxa extra a qualquer hora da noite, mas muito provavelmente há preços bem mais elevados. Cada um faz negócio como pode.

 

Mas caro anónimo, queria que soubesses que quando me ligaste estava eu a tentar repousar um bocadinho, porque tinha entrado ao trabalho às nove da manhã desse dia, para terminar às nove da manhã do dia seguinte. 24 horas a atender clientes, a aviar receitas, a dar conselhos.

Sim eu bem sei que é o meu trabalho, mas já viste o grau de exaustão que eu não teria em cima? Já pensaste na concentração que tenho de ter para vencer o cansaço e não cometer nenhum erro ao dispensar um medicamento?

Disse-te que apesar de passar da meia-noite quando atendi uma urgência ainda consegui identificar uma interacção grave numa prescrição médica e evitar que a solução para um problema se tornasse um problema ainda maior?

Porque eu sou farmacêutico, não ando apenas a brincar às caixinhas e a tirar um mestrado em como conseguir colocar trinta embalagens num saco minúsculo.

 

Se pensas que estive a noite toda a dormir, a roncar que nem um porco enquanto era pago, enganas-te.

Se calhar foi por isso que me telefonaste, para ver se eu estava a merecer os euros que me depositam na conta. Fiquei desperto até depois das três da manhã, sempre em pânico da campainha ou do telefone da farmácia tocarem e eu não ouvir, algo praticamente impossível dado o ruído que ambos fazem.

 

Só aí é que vencido pelo cansaço decidi dormir algo. Pequenas pausas de cinco minutos sempre desperto por sons normais de um prédio, mas que a minha mente em estado alerta ampliava milhares de vezes.

 

Quando me ligaste dormitava eu há uns dez minutos quando o som da chamada me fez dar um pulo. Quero que saibas que fiquei orgulhoso de mim mesmo, por ter reflexos tão rápidos, e que antes de te atender passei a mão pelo cabelo, vesti a bata e coloquei um sorriso.

Queria estar perfeito para ti.

 

Boa Noite Farmácia.

 

Desligaste-me na cara.

 

Não estou chateado contigo caro anónimo, na altura fiquei preocupado. Primeiro pensei que tinhas ligado porque não tinhas percebido onde se encontrava a campainha, depois a minha mente começou a inventar outros cenários. Que estavas caído no chão a sofrer com uma cólica renal e o telemóvel tinha sido a única coisa que tinha conseguido alcançar. Coisas tontas da minha mente. Mesmo assim fui espreitar a todas as montras a ver se te via, a ver se te podia ajudar, a ver se podias deixar de ser anónimo pelo menos para mim.

 

Desanimado percebi que não precisavas daquilo que te podia dar. Provavelmente deu-te gosto ouvir a minha voz.

Mas prezado não identificado, para a próxima vez não me telefones, manda-me uma nude pelo Whatsapp, pelo menos sempre fico com uma história mais interessante para contar.

17 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D