Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Triptofano

O teu aminoácido essencial!

Bastardo, o filho ilegítimo da comida portuguesa

02.03.19, Triptofano!

Bastardo em 10 segundos: Descubram um restaurante com sentido de humor, provem a manteiga de cabra, atirem-se de cabeça ao risotto de abóbora mas deixem espaço para o brûlée de alfazema!

 

Restaurante Bastardo

 

A coisa que eu mais adoro quando saio dum restaurante é ter um sorriso estampado no rosto.

 

Muitas vezes as pessoas não se recordam passado algum tempo do que é que comeram num determinado sítio, mas a memória de como se sentiram nesse mesmo local não desaparecerá.

 

E quando saí do Bastardo, um restaurante inserido no Internacional Design Hotel em pleno coração do Rossio, o meu sorriso era tão grande e eu estava tão feliz que mesmo que um pombo tivesse uma diarreia em cima de mim eu não me iria importar! (bem provavelmente importava-me, mas é só para vocês perceberem o meu grau de felicidade)

 

Restaurante Bastardo

 

O restaurante chama-se Bastardo porque é o filho ilegítimo da cozinha portuguesa, tendo nascido  a quebrar regras e sendo fruto do verdadeiro amor, o proibido.

 

Apesar da base ser portuguesa o resultado final é do mundo, criando-se pratos que respeitam a base das memórias da comida tradicional mas que impedem que ela estagne, dando-lhe novas roupagens e proporcionando casamentos entre países distantes com o único objectivo de solidificar a experiência sensorial do cliente! (A Maria de Lourdes Modesto que nunca visite o Bastardo porque senão ainda lhe dá uma coisinha má)

 

Quando visitarem o local lutem por uma das mesas com vista para o Rossio e para a estátua de D.Pedro IV, não há nada mais incrível que embrenharem-se na agitação visual da cidade enquanto mergulham num mar de calma, refugiados da loucura do dia-a-dia.

 

Como fui com um grupo não pude ficar à janela, mas a experiência foi tão fantástica que não tive tempo sequer para lamentar esse detalhe.

 

Restaurante Bastardo

 

O Bastardo é um restaurante que se leva bastante a sério mas que não se leva nada a sério ao mesmo tempo.

 

Os quadros com figuras da nobreza conjugados com referências da cultura pop, como Star Wars ou a infame canção de Kelis, juntamente com as cadeiras de todas as cores e feitios, mostram que um local pode ser divertido, estimulante e não causar um torrencial de bocejos sem que os seus padrões de qualidade diminuam.

 

Restaurante Bastardo

Restaurante Bastardo

Restaurante Bastardo

 

O serviço roça o perfeito.

 

Quando vemos o empregado de mesa levantar um guardanapo usando dois garfos como pinça para não tocar com as mãos nele percebemos que o serviço é de outro nível.

 

Ou quando questionamos sobre algum elemento do prato e não sabendo vão o mais rapidamente possível perguntar à cozinha para nos darem uma resposta.

 

Ou quando percebem que estamos deliciados a tirar fotos a todos os pratos e amorosamente antes de o servirem ao resto do grupo deixam-nos captar um registo fotográfico na zona mais iluminada da mesa.

 

Restaurante Bastardo

 

Tal como o serviço, a comida também está num nível de quase perfeição, sendo que fui um verdadeiro sortudo porque apanhei a mudança de carta, podendo experimentar em quase primeira-mão as novas sugestões do Chef Renato Bonfim.

 

Tudo começa com uma carta onde dentro vem o menu, e o difícil mesmo é escolher, porque tudo promete uma festa na nossa cavidade bucal.

 

Restaurante Bastardo

 

No couvert vieram umas fatias de pão de cerveja e malte (achei que foram pouquinhas mas eu também sou muito lambão por pão) acompanhadas com azeite, uma manteiga tradicional e uma fantasticamente deliciosa manteiga de cabra.

 

Minha gente, por favor experimentem a manteiga de cabra, é que é assim espectacular, é fenomenal, é basicamente a minha manteiga preferida de todos os tempos! 

 

É verdade que o pão não vem servido no cesto de Lego que tanto aparece nas fotos do restaurante, mas esta manteiga garanto-vos faz esquecer qualquer construção colorida.

 

Restaurante Bastardo - Couvert com a fantástica manteiga de cabra

 

Depois, uma pequena simpatia do Chef, um amuse-bouche que não o querendo ser eu apelidaria-o de uma fragmentação dos sabores de uma laksa, uma sopa oriental, mas aqui sem a parte do caldo.

 

A combinação do molho de camarão com chilli e tofu e a textura das camarinhas era simplesmente perfeita, sendo que o único problema foi este aperitivo ter sido servido com garfo e faca. (mas eu que sou moço despachado pedi uma colher e se não houvesse há sempre dedo para levar à boca!)

 

Restaurante Bastardo - Amuse-Bouche - Fragmentação de Sabores de uma Laksa

 

No campo das entradas, veio para a mesa uma de cada, para partilhar.

 

E cada entrada trazia um elemento surpreendente.

 

O carpaccio de bacalhau com o seu etéreo suspiro de aquafaba. O tártaro do lombo com as suas batatas fritas capazes de colocar a um canto as de qualquer restaurante de fast-food. A força da sriracha a ligar o pica pau de novilho com pickle de romã e pleurotus. A inesperada onda de sabores da simples sopa de tomate com ovo escalfado, trazida pelo ras el hanout.

 

Restaurante Bastardo - Carpaccio de Bacalhau

Restaurante Bastardo - Tártaro do Lombo

Restaurante Bastardo - Pica Pau de Novilho

Restaurante Bastardo - Sopa de Tomate

Restaurante Bastardo - Sopa de Tomate

 

A única não me convenceu totalmente, e incrivelmente foi aquela que não consegui tirar fotografia, foi o camarão com espargos e foie gras.

 

Apesar destes últimos dois elementos estarem perfeitos, o camarão por si só precisava de mais sabor, sendo demasiado neutro em comparação com tudo o resto que tinha sido servido.

 

Para prato principal tive de experimentar o bacalhau com cevada, já que em casa sou um adepto incondicional deste grão que ainda faz torcer o nariz a muito boa gente por este país fora.

 

Servido com uma pipoca de língua de bacalhau, cogumelos shitake e com um molho de presunto (confesso que tive de perguntar onde é que estava o presunto porque pensei que se tinham esquecido dele....vergonha!), a dose muito bem servida desta combinação provavelmente improvável deixou-me extremamente satisfeito.

 

Restaurante Bastardo - Bacalhau, Cevada, Shitake, Presunto

 

Pude lançar também o dente ao polvo com batata doce da minha colega do lado, que estava muito saboroso, sendo que a junção do kimchi é uma ideia extraordinária para contra-balançar o excesso de doçura do tubérculo. 

 

Fascinante foi também a complexa simplicidade da cracker de arroz, feita com o arroz do polvo, ao qual é adicionado tinta de choco para dar a tonalidade verde de forma ao nosso imaginário remeter para um rocha sub-aquática, sendo esta combinação posteriormente frita.

 

Restaurante Bastardo - Polvo, Batata Doce, Bourbon, Kimchi, Alho Negro

 

Agora aquilo que me vai fazer voltar ao Bastardo, aquilo que me fez babar descontroladamente quando provei, aquilo que eu infelizmente não consegui tirar foto, foi o risotto de abóbora.

 

Com espinafres goji e trufa este risotto servido numa lancheira de alumínio à moda antiga foi das melhores coisas que eu comi nos últimos anos de vida. 

 

Se não souberem o que pedir como prato principal vão por mim que eu nunca vos enganei, peçam o risotto e depois digam-me se não foi uma escolha fantástica.

 

Antes de me debruçar sobre as sobremesas uma nota muito positiva sobre as bebidas.

 

Sabem aqueles sumos de laranja aguados que se encontram em certos restaurantes?

 

No Bastardo não vão ter esse problema, o sumo de laranja é mesmo sumo de laranja.

 

Restaurante Bastardo - Sumo de Laranja

 

Incríveis estavam também os cocktails, que partilham as mesmas influências bastardas dos pratos. 

 

O Pisco Pie, com pisco, limão e merengue flamejado, ou a Million Dollar Margarita, com tequila, yuzu, miso e kombu, combinam sabores tradicionais com apontamentos totalmente desconhecidos, que resultam numa harmonia que escorrega rapidamente pela garganta abaixo!

 

Restaurante Bastardo - Pisco Pie

Restaurante Bastardo - Million Dollar Margarita

 

Agora todos sabemos que a sobremesa pode destruir uma refeição.

 

A sobremesa é na verdade o calcanhar de Aquiles de muitos restaurantes.

 

Mas no Bastardo a sobremesa é não mais do que um final perfeito.

 

O chiffon de chocolate com a framboesa gelada no seu interior era irresistivelmente pecaminoso.

 

Só achei que o creme de manteiga apesar de bem feito tornava-se um bocadinho enjoativo, precisando de algum elemento textural incorporado que o tornasse menos unidimensional.

 

Restaurante Bastardo - Chiffon de Chocolate

Restaurante Bastardo - Chiffon de Chocolate

 

Agora o brûlée de alfazema, com framboesa, maracujá e lima kaffir é de ficar completamente sem palavras.

 

Apresentado de uma forma clássica, a combinação de sabores resultava num delírio orgásmico do palato, sendo que o brûlée de alfazema sabia mesmo à planta medicinal, fazendo com que todo eu desse saltinhos de contente na cadeira. (agora só um conselho de amigo, vão por mim e não comam o bocadinho de alfazema que vem no prato!)

 

Restaurante Bastardo - Brûlée de Alfazema

 

Eu até podia terminar este post (longo, metade de vocês já deve estar a dormir) dizendo que o Bastardo não precisa de melhorar nada, mas isso não seria verdade, por isso deixo três pequenos pontos que podiam ser melhorados.

 

Primeiro gostava de ver uma explicação mais detalhada dos pratos quando eles chegam à mesa.

 

Metade do prazer de comer é saber a aventura que foi confeccionar aquele prato, descobrir que aquele simples puré é afinal todo uma complexidade inesperada.

 

Muitas vezes sem essa explicação algum do encanto perde-se e não se dá o verdadeiro valor ao que se está a enfiar na boca.

 

Depois acho que as bebidas demoram um pouco de tempo a mais a chegarem à mesa.

 

Compreendo que é toda uma arte fazer um fantástico cocktail, mas se não houver forma de acelerar o processo sem comprometer a qualidade então é preferível avisarem de imediato o cliente que a bebida pode demorar um pouco mais porque está a ser feita com uma dose extra de amor.

 

Por fim, a carta de vinhos do Bastardo não é para pessoas míopes.

 

É que as letras são tão pequenas, mas tão pequenas que quase que uma pessoa precisa de trazer uma lupa de casa - mas este é um detalhe que pode ser facilmente rectificado.

 

Restaurante Bastardo

 

Estão à procura de um restaurante descontraído, com um serviço fantástico e uma comida que vos vai deixar com um sorriso no rosto?

 

Então o Bastardo é uma escolha certeira.

 

Restaurante Bastardo

 

Bastardo Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

5 comentários

Comentar post