Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Triptofano

O teu aminoácido essencial!

A verdade sobre os vídeos de exercício de 30 minutos

30.03.20, Triptofano!

No trabalho só se fala do Covid-19. Nas notícias só se fala do Covid-19. No Facebook só se fala do Covid-19. Ligo aos meus pais que também falam de outras coisas, mas maioritariamente do Covid-19.

E com tudo isto a minha sanidade mental está por um fio, por isso, visto que a piscina já está fechada há quase um mês, resolvi começar a fazer exercício usando aqueles vídeos de 30 minutos do Youtube.

Já experimentei várias modalidades dadas por pessoas diferentes de forma a ter uma opinião mais informada sobre o assunto, e sinto que agora estou pronto para colocar o dedo na ferida, para vos mostrar TODA a verdade sobre estes vídeos de exercício de 30 minutos.

Nunca ninguém está cansado. Acham isto normal? Como é que num vídeo de 30 minutos de exercício - repito - 30 MINUTOS - as pessoas nunca ficam cansadas? Estão ali todas frescas e fofas, sem uma pinga de suor, com o cabelo maravilhoso, o sorriso maravilhoso, como se tivessem nascido a fazer agachamentos e alongamentos sem o joelho ultrapassar a linha imaginária do pé! Uma pessoa normal como eu, ao fim de três minutos já está a ver a vida a andar para trás, a sentar-se discretamente no sofá (não vão as pessoas do vídeo estar a ver) e a ofegar como uma foca a entrar em trabalho de parto. 

Os gritos motivacionais são irritantes. Aquele grito inicial de guerra é só a coisa mais idiota de sempre. Eu gritaria super motivado se me dissessem que podia sair de casa para ir a um all you can eat de sushi, isso sim. Fazer exercício não é um prazer orgásmico, é sim uma obrigação para não aumentar demasiado de peso e partir a cama, que depois não tenho como sair de casa para ir ao IKEA comprar outra. Os gritinhos de motivação no meio dos exercícios também me deixam destruído, porque não é possível alguém estar a meio de uma rotina complexa e ainda ter energia para mandar frases do tipo tu consegues, não desistas ou acredito em ti. As únicas coisas que eu consigo dizer durante o exercício são uma mescla de palavrões e palavras incompreensíveis carregadas de gafanhotos.

Não existem vídeos para iniciantes. Aquela história do ah e tal vou escolher um vídeo que tenha escrito que é para iniciantes é uma mentira minha gente. Não existe tal coisa, é apenas um engodo para vos levar a crer que não vão ficar demasiado exaustos e a cheirar a cavalo no fim daqueles 30 minutos - que para mim nunca são 30 que eu desligo o vídeo no máximo após 10. E aqueles que possuem três instrutores - um de nível básico, um de nível médio e um avançado - mas fazem todos exactamente o mesmo? Para quando pessoas reais, suadas, quase a ter um ataque cardíaco nestes vídeos? #representatividade

Cuidado com o que vos rodeia. Eu sei que há quem tenha casas enormes, com imenso espaço para arredar sofás e mesas e carpetes e poder fazer rotações de braços à vontade, mas há muita gente que como eu vive em apartamentos mais aconchegantes, onde uma pessoa se der uma bufa mais mal cheirosa ela permanece durante 45 minutos porque não tem para onde se dissipar. No meu caso em concreto já perdi a conta ao número de vezes que dei cacetadas no candeeiro do tecto, ia quase derrubando a televisão ao perder o equilíbrio e já enfiei um pé na gaiola das minhas porcas-da-índia por causa de um alongamento de pernas que prometia um rabo mais duro e menos parecido com um pudim boca doce.

Tenham um dicionário à mão! Eu ainda era do tempo em que fazer exercício consistia em ir abaixo, ir acima, abrir os braços, fechar as pernas, e pouco mais. Agora existem coisas chamadas burpees que eu pensava ser o nome técnico daquele arroto que a pessoa dá quando começa a fazer exercício meia hora depois de ter comido uma feijoada. Há partes do corpo que eu nem sequer sabia que existiam, e que nos pedem para contrair enquanto visualizamos um feixe vermelho de luz a irradiar do nosso sacro. E depois há coisas que me ultrapassam completamente e só devem ser acessíveis a seres iluminados, como o tocar com o umbigo nas costas enquanto se dilata a pélvis - e a gordura abdominal o que é que eu faço com ela podem-me dizer?

O resultado final não compensa. É verdade que uma pessoa enquanto está a fazer exercício não pensa no Covid-19, mas estes vídeos acabam por ter um reverso da medalha. É que depois de tanta caloria perdida uma pessoa fica com uma fome desgraçada, e vai de atacar as conservas que guardou na dispensa. E quanto mais depressa as conservas acabarem mais rapidamente se tem que sair para a rua e ir ao supermercado, protegida da cabeça aos pés, não vá alguém ter a ousadia de espirrar sem ser a uma distância de 2 metros e meio. 

E vocês, usam estes vídeos para fazer exercício? Ou estão a treinar para ser medalha olímpica de comer bolachas de chocolate no sofá?

 

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.