Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Triptofano

Como ser 20% mais feliz?

24
Ago18

A Tasca que me fez Voltar a Apaixonar


À primeira vista posso não parecer mas sou um amante de tascas, mas sou aquele amante moderado, que quer uma relação sem compromisso e com abertura a novas aventuras amorosas.

 

Ultimamente eu e as tascas não temos estado em sintonia, ou porque são demasiado autênticas e eu estou numa fase onde não quero ser atendido por alguém que esteja a palitar os dentes nem tomar uma refeição num sítio a pingar gordura, ou porque estão feitas para turistas, com preços para turistas e comida para turistas.

 

Por isso, quando fui ao Petisco Saloio ia com os dois pés atrás, porque algo me dizia que ia ficar desapontado.

 

Mas o meu instinto estava totalmente errado, e difícil foi sair de lá, de tão enamorado que estava com o espaço, com o atendimento e sobretudo com a comida.

 

O Petisco Saloio é um espaço não muito grande mas que ganha pelo facto de ter uma esplanada, com uma decoração clean que deixa o espaço respirar e uma escolha musical perfeita para os meus ouvidos - enquanto lá estive perdi-me na sonoridade do fado e da música popular brasileira.

 

Aberto há poucas semanas, o Petisco Saloio promete sabores tradicionais e lembranças dos cozinhados das mães e das avós, mas com pequenos twists que relevam que existe um conhecimento aprofundado por detrás da simplicidade de cada prato. Promete e cumpre!!

 

Nos couverts a minha perdição foi o queijo curado, alentejano e extremamente saboroso. O cara-metade apaixonou-se pelos saquinhos do pão, de tal forma que tive medo que ele ainda surripiasse algum (às vezes a paixão leva-nos a agir de forma pouco ponderada) mas sosseguei quando vi que ele tinha ficado mais interessado no conteúdo!

 

A refeição começou com uma patanisca de bacalhau, que ainda não se encontra no menu, mas que nos desafiaram a provar servindo de cobaias.

 

Um sabor rico e inigualável que invadiu todas as papilas gustativas é a característica principal desta patanisca. Com algumas afinações relativamente à textura densa que precisa de ser aligeirada e ao pouco de óleo a mais que ela apresenta quando chega à mesa e estamos perante uma patanisca que tem tudo para ser conhecida como "A melhor de Lisboa"!

 

De seguida vieram para a mesa moelas. E eu não me farto de dizer que adoro moelas, tenho uma autêntica perdição por moelas. E estas estavam tenras, saborosas, quase perfeitas, não fosse o molho ter um bocadinho a mais de cominhos para o meu gosto.

 

Ainda estava a pensar nas moelas quando chega à mesa o piano assado.

Se puderem provar apenas uma entrada que seja esta. Uma espécie de ribs à portuguesa, feito no forno com um toque doce, com a carne a soltar-se divinamente do osso, são a perdição de qualquer um. Garanto-vos que vão lamber os dedos, lamber o prato, chupar o osso.... e ninguém vos vai condenar por isso!

 

O choco frito é o prato perfeito para se perceber que esta cozinha de conforto possui técnica elaborada por detrás. Se o pedirem inicialmente vão ficar surpresos porque não é exactamente igual ao choco frito que se come noutros locais. O choco esse continua a ser suculento, mas vem encapsulado numa tempura de farinha de trigo e de milho, estaladiça e saborosa. Vale a pena experimentar.

 

Nesta altura já estava praticamente a rebolar, mas ainda estava para vir o arroz de gambas. Eximiamente bem confeccionado, com farta quantidade de gambas, um arroz carolino no ponto e um sabor extraordinário que lhe foi dado por uma bisque seguramente bem apetrechada.

 

O meu estômago já estava mais que dilatado, mas quando me perguntaram se queria sobremesa não consegui dizer que não. 

 

Só que receei, não pela minha vida, mas por todo o encantamento que tinha pelo local.

 

É que normalmente as sobremesas nas tascas são coisas assim sensaboronas, pouco apelativas, e que nos deixam um sabor amargo na boca.

 

Dei um salto de fé e pedi o doce da casa, aquele doce que tem tudo e mais alguma coisa, bolacha, chocolate, nata batida, leite condensado, confettis, raspa de meteorito, flatulência de alien, etc, etc, etc...

 

Levei uma colherada à boca e......era delicioso!!!

Juro que me veio uma lágrimazinha ao olho de emoção.

 

No fim ainda bebi um copo de abafadinho.

Não bebi para esquecer mas sim para brindar ao facto de ter descoberto o local que me fez voltar a apaixonar pelas tascas!

 

 

Petisco Saloio

 

Petisco Saloio

 

Petisco Saloio

 

Petisco Saloio

 

Petisco Saloio

 

Petisco Saloio

 

Petisco Saloio

 

Petisco Saloio

 

Petisco Saloio Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D