Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Triptofano

O teu aminoácido essencial!

Suspeitas Discóides

20.04.22, Triptofano!

Pior coisa para uma pessoa como eu que se tenta convencer que as doenças só aparecem aos outros: trabalhar com uma médica na mesma sala!

Há uns dias decidi que os meus caracóis já estavam a colocar demasiado peso no meu crânio e vai de dar cabo deles com o pente zero. Claro que já estava preparado para os comentários do costume relativamente ao vento ter-me levado o cabelo ou se tinha ido para a tropa, para os quais costumo responder com referências a uma infestação de piolhos sanguinários.

O que não estava a contar era que as manchas vermelhas que tenho no couro cabeludo, e às quais nunca liguei nenhuma, tivessem chamado a atenção da médica que está a estagiar na mesma Direcção que eu.

Segundo ela a aparência discóide perfeitinha das mesmas é suspeita, e quando eu lhe revelei que a minha mãe tinha tido um diagnóstico de lúpus eritematoso discóide então foi peremptória: devia ir a um dermatologista. 

Mas um dermatologista que pedisse uma biópsia às manchinhas e mandasse fazer análises aos anticorpos nucleares, porque a maior chatice do lúpus discóide é a possibilidade de evoluir para lúpus sistémico. Está bem que depois uma pessoa fica com medicamentos grátis para o resto da vida, mas honestamente parece-me não compensar...

E pronto, é assim que uma pessoa passa de estar perfeitamente descansado para ter que se preocupar em arranjar uma consulta no público porque uma biópsia no privado deve ficar ao preço de um rim e meio fígado. Lá para 2028 devo ter um diagnóstico...

Triptofano: Celebridade Online

19.04.22, Triptofano!

Ah pois é caros seguidores aqui do estaminé, o vosso amigo Triptofano é uma verdadeira celebridade online. Sim, eu sei que estão já completamente pa-ssa-dos e a abrir o champomy que tinham reservado para uma ocasião especial mas deixem-me primeiro contar como tudo aconteceu.

Há uns posts atrás escrevi sobre A Sogra que te Pariu, uma série brasileira maravilhosa que está no Netflix, e que tem como protagonista Rodrigo Sant'Anna [assim mesmo com duplo N - chiquérrimo] no papel de Dona Isadir.

Como eu gostei mesmo da série resolvi mandar uma mensagem simples ao Rodrigo, daquelas que os fãs costumam enviar, com pedidos de casamento e filhos proveta, e ele, surpresa das surpresas, fez repost nas stories dele!!!

Não acreditam? Oram vejam só!

Screenshot_20220419-074344_Instagram.jpg

Bastou estes minutos de protagonismo numa rede social para os convites para o mundo da fama e da fortuna choverem a potes.

Recebi inúmeras solicitações de anónimos, extasiados pelo meu charme, bom gosto e impecável forma física. Isto para não falar dos convites dos media, como a Globo e a Record, que quiserem ter-me nos seus programas de maior audiência para falar da experiência de estar em Portugal a assistir a um programa brasileiro. Até a Anitta me mandou um Zap dizendo que eu tinha que aparecer no próximo videoclip dela.

Claro que vocês conhecem-me e sabem que eu nunca me transformaria com o protagonismo, por isso apenas fiz algumas mudanças básicas no meu perfil, colocando a hasgtag #MacroInfluencer e dando o conhecer o meu e-mail para colaborações: soumelhorquevoces@gmail.com.

Embalado pelo bom momento da minha vida recebi mandar nova mensagem ao Rodrigopar, não para ir tomar um chope, mas para saber em primeira mão o que iria acontecer a Dona Isadir na segunda temporada. Teria ela sobrevivido à prisão e à comida com gordura tão horrível para o seu colesterol?

O Rodrigo viu a minha mensagem e não respondeu......

....a fama é mesmo uma coisa efémera.😬😷😑

Miúdos Japoneses do Demónio

18.04.22, Triptofano!

Tenho 35 anos e se tiver que ir ao supermercado comprar meia dúzia de coisas é mais do que expectável que me esqueça de metade delas. Isto já para não dizer que todas as minhas células se contraem perante a ideia de ter que fazer perguntas a algum empregado sobre a localização de um qualquer produto. Sim é estranho ter trabalhado tantos anos no atendimento ao público e fazer-me comichão ter que interpelar alguém para pedir uma informação, mas também nunca disse que era uma pessoa normativa certo?

Toda esta introdução foi para vos contar que existem uns miúdos japoneses na Netflix que estão possuídos pelo demónio, já que é a única explicação plausível que encontro para compreender a dimensão do programa Já Somos Crescidos, um supostamente adorável reality show japonês que segue crianças que vão fazer recados pela primeira vez na vida. Digo supostamente porque para mim o programa é mais assustador do que adorável, mas já vos explico porquê.

Já somos crescidos - Netflix

No primeiro episódio vemos uma criança com dois anos e alguns meses, repito, DOIS ANOS E ALGUNS MESES, com uma bandeirinha na mão que serve para atravessar a rua em segurança e não ser passado a ferro, a ir ao supermercado comprar flores, caril doce e uns bolinhos japoneses típicos. E não, o supermercado não é do outro lado da rua, mas sim a um quilómetro de casa, por isso é ver um ser minúsculo a andar todo expedito até chegar ao local onde vai fazer as suas compras, para depois sacar uma nota da carteira para pagar a conta. Questiono-me se o miúdo já saberá sequer fazer contas para não ser aldrabado no troco, ou se no Japão é tudo gente séria e não há cá dessas trafulhices. Como a série é de 2013 ainda existe dinheiro físico, porque se fosse nos dias de hoje aposto que o puto tinha um chip implantado na palma da mão que dava para pagar as compras na modalidade contactless.

Mas este é apenas um exemplo de todo o conjunto demoníaco de criancinhas abaixo dos 5 anos que desfilam a fazer recados em Já Somos Crescidos. Fiquei fascinadamente assustado com uma menina que saiu de casa, foi entregar uma cinta de maternidade à casa de outra senhora, recebeu uns morangos de volta, foi a uma loja comprar alga wakame, passou a colocar um chapéu numa estátua de cariz religioso e antes de voltar para casa ainda foi apanhar uma cebola e uma couve gigante na horta. Se fosse eu iria precisar de três dias e meio para realizar todas estas tarefas, mas a criancinha em meia dúzia de horas resolveu o assunto.

Claro que felizmente ainda existem miúdos normais, como aquele que foi mandado fazer sumo de tangerina a casa e me deixou fascinado com o espremedor de citrinos invertido que usou, muito mais funcional do que os que utilizamos tradicionalmente em Portugal. Além de se ter baldado para o sumo para ir brincar uma data de vezes, quando entrou em casa deu a conhecer a todos nós umas paredes riscadas de uma ponta à outra e umas portas de papel já todas rasgadas. Agora que penso talvez este miúdo também esteja possuído pelas forças ocultas, por isso, mal por mal, acho que convivia melhor com aqueles que vão fazer os recados certinhos. É que assim sempre podia ficar em casa a pensar na vida enquanto eles iam fazer as compras para o mês!

 

A Sogra que te Pariu

17.04.22, Triptofano!

Mal deitei os olhos em A Sogra que te Pariu, a primeira sitcom brasileira da Netflix, foi impossível não devorar cada um dos 10 episódios. Além de não chegarem aos 30 minutos cada, permitindo serem visualizados numa pausa entre o trabalho ou, mais concretamente, entre o enfardanço sem limites de amêndoas da Páscoa, os episódios de A Sogra que te Pariu são verdadeiramente engraçados, com piadas certeiras e momentos hilariantes. E quem não gostar bem que pode ir para a casa do cacete!

A Sogra que te Pariu

Rodrigo Sant'Anna dá corpo à Dona Isadir, uma mulher que devido ao lockdown do Rio de Janeiro em virtude da pandemia, deixa o seu apartamento no Cachambi, um bairro de classe média, para ir viver para a Barra da Tijuca, lugar de gente fina, com o seu filho durante umas semanas enquanto a pandemia durar. No entanto todos nós sabemos como é que o Covid nos deu as voltas, e as semanas sucederam-se às dezenas, fazendo com que a sem-papas na língua Dona Isadir permanecesse mais de um ano na casa de Carlos, o primogénito.

Nada disto teria problema não fosse a relação agreste com Alice, a nora, que também não morrendo de amores pela sogra que veio obrigar a encontros românticos na dispensa, cria uma dinâmica hilariante de ofensas que ninguém (ou quase ninguém) leva a mal. Há também uma neta empoderada, um neto que vive noutra dimensão, uma empregada debochada e mais algumas personagens simplesmente deliciosas. Mas a minha preferida é a Fátima, a amiga de Isadir que é o meu estereótipo de brasileira típica, e que confere um brilho especial a todo o elenco.

As peripécias são inúmeras, desde Isadir sendo motorista de aplicativo, a entrar no território das aplicações de encontro ou mesmo a tentar reparar a sua falta de uso com o homem que veio reparar o micro-ondas.

A Sogra que te Pariu é memso uma das melhores coisas que vi ultimamente, com um humor leve e inteligente, que é impossível não nos deixar com um sorriso na cara!

 

Pág. 1/2