Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Triptofano

O teu aminoácido essencial!

Como fazer crescer as pestanas mais rapidamente?

28.02.21, Triptofano!

Há uns bons meses atrás, ainda não me tinha mudado para esta casa onde agora estou, estava nos Correios com o Cara-Metade quando uma senhora chegou-se ao pé de mim e disse:

O seu amigo tem uns cílios tão bonitos, parecem mesmo de mulher!

Podem imaginar que fiquei com o chamado ar de cu a olhar para a senhora sem saber o que responder.

Primeiro demorei por volta de uns cinco minutos a perceber o que ela queria dizer com cílios, porque na minha cabeça só me vinha a palavra círios, e eu que soubesse o Cara-Metade não andava a enfiar velas litúrgicas onde não devia. Sim, porque aquela desculpa do estar a sair do banho e escorregar e cair em cima de uma vela de meio metro já foi chão que deu uvas.

Depois de ter finalmente percebido que a senhora estava a falar das pestanas do meu homem, tive quase para lhe dizer que ele não era meu amigo, e sim meu marido, meu amante, meu raio de sol, minha aragem de lua, meu pingo de orvalho em manhã de brisa cálida...mas contive a minha veia poética e fiz um esforço para não lhe arrancar metade da orelha à dentada quando o meu cérebro processou a parte das pestanas de mulher.

Se há coisa que me tira do sério são os comentários relacionados com atributos de homem e mulher.

Pestanas de mulher, voz de homem, mãos de mulher, ombros de homem.....mas será que não podemos deixar de compartimentar tudo e mais alguma coisa? Será tão difícil de ver as pessoas como apenas e somente pessoas e não detentoras de características de homens ou de mulheres ou de gatos ou de aliens com hálito de cebola?

Ainda estava naquela do vai não vai de dizer alguma coisa quando a senhora olha-me de forma esbugalhada e pergunta:

Não sabe como é que eu posso fazer crescer as minhas pestanas mais rapidamente?

Naquele momento receei pela minha vida, porque caso não lhe desse uma resposta minimamente aceitável ela era mulher para ir buscar um bilhete de lotaria e cortar-me a jugular com ele.

Ligeiramente em pânico só consegui dizer para ela aplicar todas as noites óleo de rícino, um óleo que costumava vender em quantidades industriais na Farmácia para essa finalidade.

A assustadora mulher sorriu-me e agradeceu-me pela simpatia, virando-me costas porque o seu número tinha sido chamado.

Ao mesmo tempo que respirava de alívio não pude deixar de esboçar um sorriso. É verdade que o meu conselho tinha sido acertado, mas não lhe dissera que devia ter cuidado para não colocar óleo dentro do olho por ser extremamente irritativo e para experimentar primeiro um pouco de produto no braço e esperar 24 horas para ver se não desenvolvia alergia.

Afinal todos sabem que não se devem meter com as pestanas do Cara-Metade de um farmacêutico!

 

Reforçar as defesas naturais da zona íntima? Lactacyd Pharma Antiséptico!

28.02.21, Triptofano!

Se por acaso pertencem àquele grupo de pessoas que sofre de infecções urinárias recorrentes - uma das piores coisas de sempre especialmente quando estão fora de casa num fim-de-semana romântico longe de qualquer vestígio de civilização - provavelmente o vosso médico já vos aconselhou a ir urinar logo depois do acto sexual.

Sim, não é a melhor coisa do mundo ter que se estar a pensar antes do coiso e tal que depois do coiso e tal acabar tem que se saltar da cama e correr qual gazela a ser perseguida por um leão em plena savana até à casa-de-banho para esvaziar a bexiga. Não interessa se até gostamos da pessoa com quem trocámos fluidos e queríamos passar um bocadinho enroscados a dizer palavras melosas e a trocar receitas de biscoitos de chocolate. 

Quando o sexo acaba - de preferência com orgasmos para as duas ou mais partes envolvidas - há um letreiro luminoso que se acende algures no cérebro e a sanita (bem, podem despejar fluidos noutros locais verdade seja dita, mas pronto, a sanita é o lugar mais consensual para tal efeito) tem de ser alcançada o mais rapidamente possível para evitar que aquelas bactérias do demónio subam pela nossa uretra quais alpinistas a tentar chegar ao topo do Monte Everest.

Os tamanhos das uretas e dos períneos tem uma grande parte da culpa pelas infecções urinárias recorrentes, e nem sempre o xixizinho depois do sexo é suficiente.

Por isso é que eu recomendo a toda a gente - seja homem ou mulher - que depois do sexo lave sempre a zona genital com o Lactacyd Pharma Antiséptico.

Reforçar as defesas naturais da zona íntima? Lactacyd Pharma Antiséptico!

Sim, se vocês forem ver as características do produto ele está indicado para mulheres em situações de gravidez e pós-parto, também podendo ser usado em situações de risco acrescido como a prática de desportos (natação, por exemplo), o uso de roupas apertadas, etc.

Ora o etc aqui é que é importante, porque engloba também as relações sexuais, sendo que o produto além de reforçar as defesas naturais da zona íntima também vai prevenir infecções e odores desagradáveis além de inibir o crescimento de bactérias.

E não se preocupem se em vez de uma vagina tiverem um pénis. Este Lactacyd faz o trabalho dele independentemente da genitália onde é aplicada. Palavra de Farmacêutico!

Na Pele do Triptofano - Uriage Age Protect Multi-Action Peeling Night Cream

28.02.21, Triptofano!

Quando trabalhava em farmácia comunitária (parece que foi há uma vida atrás e na realidade só se passaram dois meses) não era segredo que gostava bastante da parte da dermocosmética. 

Apesar de muitos considerarem uma área superficial, a visão holística da saúde e do bem-estar mostra-nos que devemos actuar em todos os determinantes, e a parte psicológica é muitas vezes desconsiderada quando temos como objectivo obter melhores resultados de saúde.

Claro que um creme anti-rugas não nos vai tratar a crise de gota, nem sequer controlar aquela arritmia cardíaca, mas a saúde é muito mais do que aquilo que podemos quantificar por testes laboratoriais. Se algo nos fizer sentir melhor e mais centrados, então esse algo será bom para a nossa saúde.

Bem, depois desta nota introdutória que obviamente foi inspirada por um dia inteiro a escrever sobre determinantes de saúde e a quase pegar fogo ao computador, queria partilhar convosco uma injustiça do mundo da cosmética.

Talvez muitos de vocês conheçam os produtos da Uriage. Uma marca francesa, simpática e não muito cara, que ganhou terreno pelos seus produtos medicalizados.

Agora o que a Uriage nunca conseguiu foi singrar no mercado dos produtos de anti-envelhecimento. E a questão é que eles não são maus, pelo contrário, tem ingredientes de bastante qualidade e o preço é bastante competitivo relativamente a outras opções que há no mercado.

Pura e simplesmente nunca se conseguiram desligar da fama de produtos de tratamento para conseguirem abarcar o mundo da beleza pura e dura (apesar da beleza pura e dura também ter a sua parte de tratamento)

Ultimamente tenho usado o Age Protect Multi-Action Peeling Night Cream, que como o nome indica é um creme de noite com acção peeling, que se deve usar apenas a uma ou duas vezes por semana, evitando o contorno dos olhos, no rosto limpo e seco. Caso haja alguma sensação de picada ou desconforto cutâneo deve-se fazer uma pausa e depois voltar a fazer o produto mas com um intervalo maior entre utilizações.

Na Pele do Triptofano - Uriage Age Protect Multi-Action Peeling Night Cream

Benefícios deste menino:

  • Hidratar a pele, graças ao seu conteúdo em Água Termal de Uriage e em ceras vegetais, deixando a pele com um aspecto saudável e flexível
  • Prevenir e corrigir os sinais de envelhecimento do demo, tais como rídulas e rugas (aqui agradecer ao ácido hialurónico de baixo peso molecular), perda de firmeza, falta de preenchimento e manchas castanhas.
  • Suavizar a pele devido aos AHA efeito peeling, que vão actuar nas rugas, manchas escuras e imperfeições.
  • Melhorar a oxigenação celular protegendo a pele da poluição e aumentando o sistema de desintoxicação. Tudo isto é obtido graças à presença de agrião na composição. Sim, leram bem, agrião! Ou seja, podem não o comer na salada mas ele é o vosso melhor amigo neste creme peeling de noite.

 

Qual a vossa opinião sobre a gama de anti-envelhecimento da Uriage? Já alguma vez usaram, conheciam, não conheciam? Ficaram curiosos com este creme peeling? Digam de vossa justiça!

Um mês horripilante

27.02.21, Triptofano!

Fevereiro de 2021 vai ficar para os anais da história (nada de piadas porcas com ânus meus senhores) como um dos piores meses da última década.

Tudo devido à maravilhosa conjugação de meia dúzia de trabalhos e exames no espaço de 28 dias que a minha pessoa conseguiu empurrar com a barriga durante todo o semestre.

Reduzi o meu contacto com o mundo exterior ao mínimo indispensável e dediquei-me de alma e coração ao mestrado que me deixou 10% mais careca e com alguns pés de galinha que eu não tinha antes e que nem sequer posso usar para canja.

Poderão estar vocês a pensar que o meu suplício terminou por agora, mas não, ainda me encontro - embora em fase terminal - a escrever um portfólio e amanhã terei que dar conclusão a outro trabalho.

Depois poderei entrar em coma durante alguns dias, mas não muitos visto que o segundo semestre já começou para mal dos meus pecados.

Pelo lado positivo acabei a cadeira de Estatística, a única da qual já tenho nota, com 19. Por isso mesmo que o resto seja vergonhoso posso dizer que domino o raio do Qui Quadrado.

A subtilleza de não deixar de viver

08.02.21, Triptofano!

Não sei se foi a pandemia, o abandonar o trabalho, a mudança de casa ou o mestrado - ou uma fusão de todos estes elementos qual salada de frutas quando uma pessoa queria mesmo era um arroz doce de cortar à faca - que trouxeram à superfície toda a ansiedade que tinha tentado recalcar durante os últimos anos.

Tentado talvez seja a palavra mais acertada, porque todo eu tenho sido uma pilha fotovoltaica de pensamentos no futuro em vez de navegações conscientes no presente. Cada dia que envelheço compreendo melhor o António Variações, mas como me falta o génio de poder passear em plena Baixa Lisboeta com um papagaio de madeira no ombro resta-me a pouco exuberante companhia das inquietudes fabricadas pela minha cabeça.

Por alguma razão sinto que esta ansiedade que vive em mim não é minha, mas sim uma construção alheia que me foi depositada sem eu dar conta. Que me foi cimentada através de pequenos gestos irrelevantes ao olhar desatento mas nefastos agora que me vejo com esta companhia de noites mal dormidas e de vontades incontroláveis de fechar os olhos para dormir.

Há dias que tenho a perfeita noção que não vivo - corro através do dia na esperança que ele acabe para que chegue ansiosamente outro que talvez possa aproveitar. Muitas vezes sem sucesso, os dias são como batimentos cardíacos sem espaço para arritmia, e tudo o que me apetecia era enfiar um digitálico debaixo da língua e perceber como era fugir ao encadeamento do sempre igual, por mais diferente que possa ser.

Nos últimos dias tenho chegado ao pico do meu nervosismo. Um aperto invisível na garganta enquanto o meu cérebro faz planos infindáveis de horários para daqui a 3 horas, 12 horas, 24 horas, 48 horas....planos que 99.9% das vezes não são cumpridos e levam a outros planos que desencadeiam outros planos, qual divisão de células mutagénicas desenfreadas por conquistar um qualquer sistema linfático.

Tenho tentado usar um truque para ultrapassar esta fase.

Lembrar-me de como quase deixei de viver - não metaforicamente mas literalmente - há uns anos atrás e como todas as preocupações com que sobrevivo hoje podem desaparecer mais rápido que uma mão cheia de comida chega à boca.

Em 2010 estive no Uganda. Uma viagem incrível, uma experiência que me marcou para sempre. Na última semana, antes do adeus, fui a um restaurante etíope no centro da cidade, bastante frequentado por turistas. Lembro-me de comer sentado no chão, usar as mãos como ferramentas e compreender que o básico potencia aquilo que por vezes não vemos como maravilhoso.

Quando voltei a Portugal, pouco tempo depois, vi notícias do Uganda, desse país que antes não sabia sequer que existia. Num ataque bombista o restaurante etíope onde tinha estado foi dizimado. Vários estrangeiros perderam a sua vida, num cenário de sangue, carne e medo.

Eu tinha estado sentado no chão daquele local pouco tempo antes, convicto de que tinha toda a vida pela frente, todos os planos, todas as inquietudes, todas as ansiedades.

O destino quis que não fosse eu a ficar em pedaços. E é nisso que me apoio sempre que o meu cérebro parece ansiar que eu me transforme numa sombra daquilo que realmente sou.