Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Triptofano

O teu aminoácido essencial!

Na Pele do Triptofano: Dior Homme Intense

31.10.19, Triptofano!

Todos nós temos um amigo que é (ou julga ser) especialista numa determinada matéria!

No meu caso tenho um amigo que é literalmente obcecado por perfumes, por isso, quando lhe disse que estava à procura duma nova fragrância para usar no dia-a-dia recebi em menos de cinco minutos uma extensa lista de opções.

Se eu quisesse amadeirados era X e Y, se fosse com notas metálicas era W e Z, e por aí fora, deixando-me com um verdadeiro nó na cabeça, porque eu simplesmente estava à procura dum bom perfume para homem.

Foi aí que ele me disse que tinha de experimentar o Dior Homme Intense.

Que o Dior Homme Intense é que era. Que enquanto eu não experimentasse o Dior Homme Intense não sabia o que era um bom perfume. Que o Dior Homme Intense era a última bolacha do pacote e ainda por cima não estava mole!

Na Pele do Triptofano: Dior Homme Intense

Tanto ele me atazanou a cabeça que acabei por comprar o perfume, mas não antes primeiro sem ver a descrição do bicho no site.

Agora minha gente, não sei se sou eu que sou pessoa pouco culta no que diz respeito ao mundo das fragrâncias, mas cada vez mais ler as característica de um perfume assemelha-se a ter de decifrar uma tese de mestrado sobre os lipossomas como transportadores de substâncias hidrolipídicas em meios de saturação osmótica.

Dior Homme evita todos os clichês masculinos. Explora uma nova virilidade, imediata, mas complexa.François Demachy, Parfumeur-Créateur Dior

E pronto, uma pessoa fica assim a pensar, uma nova virilidade? Imediata, mas complexa? Tudo isto num perfume?

Prós e Contras

Mal o Dior Homme Intense chegou eu e o Cara-Metade literalmente andámos à bulha para ver quem seria o primeiro a experimentar, tal era a expectativa para perceber se realmente este perfume era assim tão bom como nos foi vendido!

Na Pele do Triptofano: Dior Homme Intense

Prós

O cheiro é simplesmente maravilhoso! Intenso mas delicado, envolventemente quente, é um aroma que associo a um corpo em repouso depois de uma longa hora de sexo. Apesar de conter notas de ambrette (resultantes da destilação das sementes do fruto do hibisco) e de cedro, li algumas pessoas a queixarem-se que as notas de topo de íris tornavam o perfume demasiado feminino! É verdade que uma fragrância comporta-se de forma diferente na pele de cada pessoa, mas tanto eu como o Cara-Metade achámos que ele tinha um perfil olfactivo muito masculino.

Aguenta o dia todo no corpo. Hoje coloquei duas borrifadelas no peito às oito da manhã e perto das seis da tarde pedi às minhas colegas para cheirarem e elas ficaram deliciadas com a fragrância. Obviamente que este tipo de teste só deve ser feito com colegas com quem tenham bastante confiança, porque de outra forma podem ser acusados de assédio no trabalho.

Não é irritante, nem na pele nem a nível dos olhos. Uma das minhas colegas é extremamente sensível a fragrâncias, especialmente aquelas que tenham bastante álcool na composição. Usei-a como cobaia e fiz-la cheirar o Dior Homme Intense - não se queixou nem um bocadinho!

O vaporizador é fantástico! Existem alguns perfumes que saem como se fosse um jacto, mas neste caso o produto sai numa leve bruma envolvente, quase como se nos estivéssemos a borrifar com uma água termal. Pode ser só um detalhe mas fiquei muito agradado.

 A embalagem é compacta o que facilita o seu transporte, não ocupando muito espaço caso queiramos ir de viagem.

Contras

O preço, única e simplesmente. Sei perfeitamente que as coisas de qualidade tem que se pagar, mas não é o perfume mais amigo da carteira.

O Veredicto Final

Na Pele do Triptofano: Dior Homme Intense

Tenho de dar o crédito devido ao meu amigo que tanta pressão fez para eu comprar o Dior Homme Intense, porque realmente o perfume é fantástico, e além de cheirar maravilhosamente bem tem uma durabilidade surpreendente, o que faz com que uma pessoa até se esqueça do rombo financeiro que sofreu para o poder ter exposto orgulhosamente na prateleira da casa-de-banho.

 

E para vocês, há algum perfume que seja assim imperdível de experimentar? Já usaram alguma fragrância da Dior? O que é que acharam?

 

Na Pele do Triptofano: René Furterer Triphasic Champô

30.10.19, Triptofano!

Posso ter muita coisa na vida, mas algo que não abunda é o cabelo!

Só que como eu sou uma pessoa fantástica, maravilhosa, adorável, e tudo e tudo e tudo, teimo em fazer o meu melhor para manter o cabelo que me resta, não vá vir uma vaga de piolhos refugiados de outro ponto do globo e depois chegam à minha cabeça e não têm local onde recomeçar do zero.

Além dos tratamentos mais concentrados, faço regularmente um champô anti-queda que funciona como complemento, estimulando e fortificando os cabelos, sendo que tenho tido sorte porque os delegados da indústria farmacêutica olham para mim com pena e volta e meia oferecerem-me produtos para, segundo eles, eu não ficar com tanto frio no couro cabeludo! (a minha vontade muitas vezes é mandar-lhes com um carimbo na testa mas como é para receber coisas de borla eu faço um sorriso ligeiramente homicida e não digo nada)

De momento estou a usar o Triphasic, o champô estimulante com óleos essenciais da René Furterer, que multiplica por 7 a micro-circulação do couro cabeludo, favorecendo a nutrição do folículo piloso, fortificando os cabelos e optimizando a eficácia dos outros tratamentos anti-queda.

Na Pele do Triptofano: René Furterer Triphasic Champô

Na composição deste champô encontramos ATP (fico sempre assim incrédulo com os ingredientes que as marcas conseguem por num simples produto para lavar a cabeça), que vai prolongar o ciclo de vida do cabelo ao promover a fase anagénica (a fase anagénica é a fase onde o cabelo se forma e vai crescendo, sendo seguida da fase catagénica onde o folículo do cabelo cessa a sua actividade e da fase telogénica onde há a eliminação do cabelo morto através da queda), e extracto natural de Pfaffia (também conhecido como ginseng-brasileiro) que em conjugação com os óleos essenciais de lavanda, laranja e rosmaninho vão ter uma acção vascular, favorecendo a micro-circulação cutânea.

Se olharem para o champô vão reparar que ele possui umas esferas pequeninas a boiar lá dentro! Acalmem o vosso coração inquieto porque não é nenhum bolor devorador de couro cabeludo, são sim os óleos essenciais que estão lá contidos.

Na Pele do Triptofano: René Furterer Triphasic Champô

Como já sabem são os óleos essenciais e o extracto de Pfaffia que vão aumentar a vascularização a nível do folículo capilar, mas para isso é preciso que exista uma boa massagem! Não é dar festinhas no cabelo, é fazer uns profundos movimentos circulares desde a nuca até ao topo da cabeça, deixando actuar entre 1 a 3 minutos.

Na Pele do Triptofano: René Furterer Triphasic Champô

O René Furterer Triphasic Champô é de uso frequente e não possui na sua composição silicones, sendo que garante que os cabelos vão ficar suaves, brilhantes e fáceis de desembaraçar!

Prós e Contras

Eu e o Cara-Metade (que ele não consegue ver uma coisa nova minha sem ir experimentar) usámos o Triphasic como champô de frequência, em casa e na piscina, e obviamente que não vos posso vir aqui dizer que ai e tal foi um milagre divino, porque todos os produtos para a queda do cabelo precisam do seu tempo para fazer efeito, mas digo-vos desde já que fiquei satisfeito!

Prós

Não senti que houvesse uma maior queda de cabelos a partir do momento em que iniciei o Triphasic nem tive nenhuma reacção alérgica que me queimasse o couro cabeludo, por isso em termos de eficácia estou bastante confiante!

Não é necessário usar muita quantidade de produto além que faz imensa espuma, ideal para quem gosta daquela sensação de que o cabelo ficou verdadeiramente lavado

O cheiro é agradável, sendo que o cabelo fica leve, nada pesado nem pastoso, com um aspecto bastante saudável (este pró é obviamente da experiência do Cara-Metade que tem muito mais cabelo que eu)

A tampa é fácil de abrir! Odeio aquelas tampas com ranhura que é preciso ir lá com a unha, porque ou estamos todos ensaboados e aquilo não abre, ou a tampa está meio encravada e uma pessoa tem que usar os dentes - um inferno! O Triphasic tem um sistema de Clic, basta fazer uma ligeira pressão e a tampa abre-se como que por magia.

Na Pele do Triptofano: René Furterer Triphasic Champô

A fórmula é biodegradável.

Contras

É preciso algum cuidado ao usar a embalagem para não sair uma quantidade muito maior de champô do que aquela que é necessária, o que faz com que o produto não renda tanto como poderia.

A cartonagem externa pode e deve ser eliminada! Numa altura em que temos de gastar cada vez menos recursos, não faz sentido que o Triphasic venha em duas embalagens. 

O Veredicto Final

Na Pele do Triptofano: René Furterer Triphasic Champô

O René Furterer Triphasic Champô ganhou um espaço no meu coração!

A verdade é que alguém que não use nenhum produto anti-queda e experimente o Triphasic irá ter mais percepção da eficácia do produto do que eu, que já tenho uma rotina de cuidados, mas tendo em conta os ingredientes, a forma de actuação dos mesmos e os resultados que consegui observar, acho que não minto ao dizer que este champô é uma óptima opção para quem procura um cuidado complementar para prevenir e combater a queda do cabelo!

E vocês, usam algum champô para a queda do cabelo? Quais são as vossas marcas favoritas? 

Too Good To Go

A aplicação que promete combater o desperdício alimentar

30.10.19, Triptofano!

Sejamos honestos, se toda a gente fosse como eu, um autêntico aspirador de comida, o desperdício alimentar não seria um problema. Claro que depois teríamos de lidar com a epidemia do excesso de peso e os perímetros abdominais muito acima dos valores recomendados, mas pronto, não existe um mundo perfeito certo?

Como nem todos enfardam comida como se não houvesse amanhã, o desperdício alimentar a nível de restaurantes/cafés é uma realidade, e numa altura em que cada vez temos mais consciência da importância de utilizar correctamente os recursos do planeta todos os projectos para combater esse desperdício são bem-vindos.

A Too Good To Go é uma aplicação que promete combater o desperdício alimentar, e a forma como funciona não poderia ser mais simples.

Too Good To Go

Os restaurantes que aderem ao projecto colocam à venda na app, a um preço mais reduzido, uma Magic Box, ou seja, uma caixa cujo conteúdo só será desvendado quando for levantada, porque basicamente vai ter os alimentos (sempre de qualidade obviamente) que não foram vendidos naquele dia.

As Magic Boxes tem de ser levantadas pela pessoa e os restaurantes incentivam que a pessoa leve a sua própria caixa transportadora (em alguns é mesmo obrigatório levá-la) de forma a reduzir a pegada ambiental.

Depois é só enfardar como se não houvesse amanhã - a minha parte preferida obviamente!

Ontem experimentei a Too Good To Go e fui levantar a minha Magic Box ao Supremacia, um restaurante de sushi em Benfica.

Na aplicação o restaurante informa que é obrigatório levar caixa transportadora, por isso lá fui eu, rua fora, com o meu tupperware na mão!

Podem achar que é parvo, mas a certa altura do percurso senti-me ligeiramente envergonhado por ir buscar uma refeição mais barata com o meu tupperware - e se no restaurante olhassem para mim como se eu fosse um pobre faminto?

Obviamente que isto são ideias estupidamente elitistas da minha cabeça, porque no restaurante ninguém olhou-me de lado e foram extremamente simpáticos a atender o meu pedido. 

Explicaram-me que a Magic Box consiste entre 10 a 12 peças de sushi (conforme o desperdício que existir naquele dia) e que os pauzinhos e molhos não estão incluídos!

Quando cheguei a casa já passava das onze da noite, porque a hora de recolha coincide com a hora de fecho do restaurante, mas mesmo assim ainda tive neurónios para pensar em algumas coisas sobre a Too Good To Go.

Obviamente que a ideia é fantástica, colocar ao alcance do consumidor comida de qualidade a um preço mais barato para combater o desperdício alimentar, mas será realmente eficaz?

Não sei como é que será a oferta dos outros restaurantes, mas apesar do preço ter sido justo para o número de peças de sushi comparativamente com o preço que o restaurante pratica, dez peças de sushi não são nem de perto nem de longe suficientes para uma refeição!

Pelo menos uma refeição para mim!

A minha Magic Box do Too Good To Go

É uma óptima forma de conhecer a oferta do restaurante e avaliar a qualidade dos produtos por um preço mais reduzido, mas usar a app para jantar ou almoçar na minha opinião deixará qualquer pessoa com o estômago insatisfeito!

Por outro lado, os restaurantes colocam à venda as Magic Boxes antes de fecharem, o que significa que já estão à espera de ter desperdício!

Ora se já sabem que vão ter desperdício porque é que não optimizam as coisas de forma a não o ter?

E se por acaso naquele dia não houver nenhuma comida de sobra? Não há Magic Box (mesmo sabendo que ela é paga de forma adiantada?) ou vai-se fazer mais um bocadinho de comida para poder dar resposta a um suposto pedido de combate ao desperdício alimentar?

Só o tempo dirá como é que a Too Good To Go vai evoluir e se irá realmente fazer a diferença no que toca ao combate do desperdício alimentar!

Eu vou dar o benefício da dúvida e experimentar mais uma ou duas vezes a aplicação em restaurantes que não sejam de sushi, para perceber o que é que me calha na rifa, ou melhor, no tupperware!

Auto-teste do VIH em Farmácia

29.10.19, Triptofano!

Chegou há poucos dias à farmácia onde trabalho o primeiro e único (por agora) auto-teste para a detecção do VIH em Portugal, o autotest VIH®.

Este teste permite a que qualquer pessoa, na privacidade do seu lar, possa saber o seu estado serológico em menos de vinte minutos, sendo que o auto-teste está disponível em farmácias e pode ser comprado sem receita médica.

No site do autotest VIH® vem a garantia que é algo fácil de usar, mas sendo completamente honesto, não é um bicho de sete cabeças mas também não é a coisa mais simples de sempre.

De forma a não haver dúvidas e para garantir uma correcta utilização do teste peço que vejam primeiramente de forma atenta a explicação em vídeo de como o usar.

Relembrar que este auto-teste apenas está direccionado para o VIH, sendo que não cobre nenhuma das outras doenças sexualmente transmissíveis. 

Também de extrema importância é referir que um resultado negativo indica que a pessoa há três meses atrás era seronegativa para o VIH, isto é, se fizer o teste agora em Outubro e der negativo, significa que em Julho não estava infectada pelo vírus, mas se tiver tido comportamentos de risco após essa data pode ser seropositiva mesmo com um resultado negativo.

Isto deve-se ao período janela, o período que o organismo leva, a partir do momento da infecção, a produzir anticorpos que possam ser detectados por exames de sangue. 

Um comportamento de risco que tenha ocorrido hoje não será detectado num auto-teste do VIH antes de três meses, sendo que não respeitar este período janela pode levar a um falso negativo.

Qualquer resultado positivo deve ser verificado por testes ELISA de 4ª geração num laboratório ou centro de Despistagem. 

Para questões relacionadas com informação sobre VIH, sobre um resultado positivo do teste de VIH ou qual o acesso adequado aos Serviços de Saúde do Sistema Nacional de Saúde, basta ligar para a Linha Saúde 24: 808 24 24 24

O auto-teste do VIH é mais uma ferramenta para que o mais rápido possível Portugal possa alcançar a meta dos 90-90-90:  90% de todas as pessoas a viver com o VIH conhecerem o seu estado serológico; 90% dessas pessoas estarem a cumprir tratamento através da toma diária de antiretrovirais; e 90% das que cumprem tratamento atingirem a carga viral indetectável.

Pessoalmente, não sou o maior adepto destes testes, porque sei que num centro de despistagem existe todo um outro nível de apoio e informação que um auto-teste nunca poderá dar, além de haver muitas vezes a possibilidade de fazer o despiste de outras doenças sexualmente transmissíveis.

A lista dos Centros de Detecção do VIH em Portugal podem ser consultados aqui!

Mas o mais importante é ninguém viver na dúvida do seu estado serológico, e caso for positivo, poder começar a receber o tratamento mais rápido possível, de forma a ter uma vida longa e saudável, como qualquer pessoa que não esteja infectada pelo vírus!

O Diário da Caralhice já está online!

29.10.19, Triptofano!

Minha gente linda e adorada, o Diário da Caralhice já se encontra aberto, por isso quem quiser participar neste projecto cujo intuito é fazer com que as pessoas deixem de varrer para debaixo do tapete e libertem as suas frustrações de uma forma saudável sem que sejam presas por desacato na via pública, basta enviarem um e-mail para diariodacaralhice@gmail.com com os vossos textos e a indicação se querem participar de forma anónima, com um pseudónimo ou querem que todo o mundo saiba quem vocês são! 

Fico à espera dos vossos textos e mais importante, desejo que não andem com coisas entaladas na garganta nem tristezas no peito! Libertem tudo para se sentirem mais leves ok? 

É que as vezes mandar para o caralho é mesmo fundamental!

Um homem de saia no Parlamento!?

28.10.19, Triptofano!

Uma vergonha completa!

Até fico sem palavras ao ver a foto minha gente!

Uma pessoa vai votar num partido para depois aparecer isto? Onde é que está o bom senso? O respeito pelos costumes? A obrigação de não chocar os outros?

Pergunto-me se é isto que queremos na nossa Assembleia da República!? Questiono-me se estamos entregues aos bichos!? Indago quase a corroer-me por dentro qual o futuro da nossa valente e muy nobre nação!?

Rafael Esteves Martins - Um homem de saia no parlamento

Que meias é que são aquelas?

Pessoas deste país e arredores que vão para o Instagram e outras redes sociais dizer que isto é uma vergonha, um circo e uma gayzice pegada - por favor, não demonstrem mais a vossa ignorância!

O Rafael Esteves Martins foi de saia porque lhe apeteceu, porque pode, porque tem essa liberdade e porque tem tomates para o fazer, ao contrário de muito boa gente que adora mandar postas de pescada mas depois escondidinho em casa é um descalabro!

A mim pouco me importa se ele vai de fato, de vestido, de top e saia ou com um disfarce de vaca mutante, o que interessa é as ideias que ele defende e a visão que tem para o país!

Obviamente que se formos perguntar a algum dos muitos indignados do Instagram, que asseguram que com este tipo de gente a democracia vai acabar, qual a posição política do Rafael Esteves Martins, a resposta vai ser assim um misto de túnel de vento com a taxa de sobrevivência de um piolho na cabeça de um careca!

É mais fácil atacar os outros pelo que levam vestido do que discutir ideias, ideais e tomadas de acção!

Muito provavelmente porque há milhentos programas na televisão onde ensinam a dar tesouradas e más línguas a quem vá com um decote um bocado mais pronunciado ou um vestido da colecção do ano passado, quando na realidade deviam ser pelo menos intercalados por uns que ensinassem as pessoas a pensar, a reflectir e a perceber qual o papel da política no seu dia-a-dia.

O Rafael Esteves Martins foi fotografado de todos os ângulos e mais algum por levar uma saia, mas o engraçado é que a única coisa de importância de ser registada pela mensagem política que transmitia que era o saco de pano, acabou por ser ignorada.

Felizmente que existe um Twitter onde podemos ver o que realmente interessa, e não só o que nos fazem comer pelos olhos!

Rafael Esteves Martins - Um Homem de Saia no Parlamento

 

Desafio de Escrita dos Pássaros #7 - Flor de Patchouli

25.10.19, Triptofano!

Brazilino adorava trabalhar na Flor de Patchouli, a melhor loja de maquilhagem, beleza e perfumaria de Sacotes Velho.

Brazilino não era bicha, era um doutor bicha, com um postdoc tirado no Frágil, a Harvard da gayzice, onde passou noites inteiras a fazer playbacks emotivos das canções da Madonna e da Britney.

Apesar de lhe estar estampado na cara que gostava de pila, havia sempre uma cliente ou outra que ainda tentava seduzi-lo, como aquela que fingiu ter um orgasmo quando ele lhe esfregou um creme de argão e bolota do Alentejo na pele ressequida dos cotovelos.

Brazilino já não se espantava com tais avanços do mulherio porque desde que tinha ido ver um concerto do Ney Matogrosso e no fim elas correram loucas para agarrar o artista, ele compreendeu que o mundo estava irremediavelmente perdido. Brazilino não se deu ao trabalho sequer de levantar da cadeira, toda a gente sabe que pão com pão não faz sandes e a médica dele tinha-lhe aconselhado uma dieta hiperproteica.

A Flor de Patchouli era propriedade do Tó Alberto, um antigo militar que tinha aberto o negócio na esperança de seduzir Yuliya, a russa-ucraniana-ameríndia lá da terra, portadora de duas meloas rijas a apontar para o céu, que todos os dias massajava com uma combinação de óleo de amêndoas doces e azeite virgem extra.

Tó Alberto queria mamar das meloas de Yuliya, mas ainda nem sequer lhes tinha conseguido dar um apalpão.

Além da paixão assolapada pela russa-ucraniana-ameríndia, Tó Alberto tinha um problema sério de jogo. Todos os dias ia para a frente da churrasqueira da esquina apostar qual era o frango que estava a rodar no espeto que ficaria com a pele estaladiça primeiro. Acabou por ficar completamente endividado e com uma infecção por E.coli que o deixou com uma valente caganeira durante duas semanas.

Sem um tostão no bolso Tó Alberto deixou de poder pagar aos fornecedores da Flor de Patchouli, o que levou a que acabasse por ficar sem produto na loja para vender.

Em desespero lembrou-se de uma tia-avó que vivia em Odivelas e fazia compotas de abóbora com amêndoa. Diziam as más línguas que a velha senhora tinha aprendido na Tailândia uma técnica de esterilizar os frascos de vidro metendo-os dentro da vagina e fazendo um gradiente negativo térmico, mas supostamente eram só boatos.

Na semana seguinte Brazilino recebeu uma quantidade gigantesca de compotas que precisava de vender, caso contrário iria parar ao fundo de desemprego. Como era um homem de desafios decidiu aceitar aquele.

A primeira utente do dia era a Dona Mitó, Constança de nascimento, uma socialite irrepreensível, tirando aquela vez em que comprou um vestido na Feira do Relógio e quis-lhe colocar uma etiqueta a dizer Dolce e Gabbana mas como estava com uma enxaqueca demoníaca por causa da voz da Cristina Ferreira acabou por cozer uma a dizer Dolce Gusto

Braziiiiii querido, preciso da sua ajuda, arranje-me uma máscara para o meu cabelo que mais parece palha de aço.

Brazilino não entendeu, o cabelo da Dona Mitó estava lindo, hidratado, sem pontas espigadas, uma autêntica maravilha.

Não é para esse cabelo querido, é para o lá de baixo, tenho o pêlo da senaita tão áspero que cada vez que o Cajó me vem fazer um minete reclama que fica cheia de dermatite na cara, é que ele tem uma pele de bebé o meu amor.

Ouviu-se um latido de confirmação vindo da mala da Dona Mitó, onde praticamente residia a Nena, a cadela porta-chaves que a acompanhava para todo o lado.

Brazilino viu ali a sua oportunidade.

Pediu um momento e foi ao computador do escritório fazer um rótulo. Ele era óptimo na informática, não fosse ter 4 perfis falsos no Grindr para sacar fotos nuas de gostosos, apesar de uma vez terem ameaçado fazer queixa dele por causa de Catfish. Brazilino ignorou porque ele nem gostava de peixe-gato, no estômago dele só entrava de maruca para cima.

Em menos de um fósforo ficou o rótulo feito.

Desafio dos Pássaros

Foi um sucesso!!!

De três em três dias a Dona Mitó vinha comprar um saco cheio de máscaras capilares, e num instante todo o stock foi vendido.

Brazilino foi escolhido como empregado do mês, o que pouco adiantou porque era o único a trabalhar na Flor de Patchouli. Tó Alberto recuperou financeiramente e inscreveu-se num programa de 12 passos para deixar de apostar nos frangos. Yuliya continuou com as meloas firmes. A tia-avó foi parar ao Amadora-Sintra de urgência com a vagina dilatada porque tentou esterilizar dois frascos ao mesmo tempo. A Dona Mitó estava mais feliz que nunca, toda minetada, sem causar dermatite na cara de anjo do Cajó.

Quem se lixou nesta história toda foi a Nena, a cadela porta-chaves que de tanto lamber compota acabou diabética!

O Diário da Caralhice

24.10.19, Triptofano!

Neste momento vocês devem estar a pensar que eu queimei os últimos fusíveis que ainda me restavam, visto que após dois posts que foram autênticas odes de como mandar para o caralho as pessoas que nos são tóxicas, venho agora com o Diário da Caralhice.

A culpa disto tudo foi da Miss X, que num comentário referiu, e muito acertadamente, que se existe um Diário da Gratidão então também deveria haver um Diário da Caralhice.

Não vos vou pedir que façam textos para os vossos blogs e que coloquem a tag diário da caralhice (mas se o quiserem fazer estão completamente à vontade), porque compreendo que possa destoar da vossa linha de publicações, ou que não estejam à vontade para falar publicamente sobre algo que vos magoa, ou ainda porque querem mesmo é falar mal do vosso vizinho do lado mas ele sabe que vocês têm um blog e apesar de nunca o comentar está lá batido todo o santo dia.

O que eu vou fazer é lançar na próxima segunda-feira um blog que se chamará O Diário da Caralhice.

E o objectivo deste blog é que todos os que queiram desabafar o possam fazer.

Tudo aquilo que vos queima por dentro, aquilo que vos sufoca, que vos irrita, que vos faz verter uma lágrima em silêncio, tudo isso terá espaço neste blog! Podem escrever o que quiserem, sobre o que quiserem, o tamanho de texto que quiserem, com Caps Lock, em itálico, em latim, vocês decidem.

Para participar basta enviarem um e-mail para diariodacaralhice@gmail.com com o vosso texto, simples e fácil!

Se preferirem mandar dum e-mail anónimo para eu nunca saber quem são vocês estão à vontade, se quiserem mandar do vosso mas ficar em anonimato, nada temam que esta boca é um túmulo, se quiserem que toda a gente saiba quem são vocês com direito a hiperligação e tudo e tudo e tudo, é só dizerem quando enviarem o e-mail!

Fico à espera dos vossos textos, porque se devemos dar graças às coisas boas que temos, também devemos mandar cá para fora todos os sapos que ainda somos obrigados a engolir!

Mandar os outros para o Caralho - Parte II

23.10.19, Triptofano!

Uma das melhores coisas de pertencer a este Sapal, a esta comunidade de Batráquios, é saber que existe alguém do outro lado do ecrã que se revê nas nossas palavras, que percebe as nossas dores, que mesmo nunca nos tendo visto ao vivo está ali pronto para mandar boa energia.

E quando nós abrimos a porta para partilhar, quando estamos dispostos a dizer o que nos vai na alma, é incrível a reacção que obtemos.

Quando escrevi o post em que defendia que certas pessoas deviam ser mandadas para o caralho sem qualquer contemplação, nunca pensei que ele fosse a força motriz para a Ninita escrever este maravilhoso post.

Fiquei com o coração na boca quando o li, e pah, só posso dizer que pessoas como a Ninita são uma verdadeira fonte de inspiração!

Invistam alguns minutos do vosso dia e leiam a história dela! Vale muito a pena!!!

Vale a pena beber água alcalina?

22.10.19, Triptofano!

Da última vez que comprei uma garrafa de água, estava eu no Algarve completamente a destilar e a pensar que ia ter um fanico ali no meio da rua, escolhi uma água alcalina.

Confesso-vos que foi das decisões menos informadas que tomei, porque a minha escolha deveu-se apenas à lembrança que tinha de ouvir pessoas dizer que a água alcalina é a melhor coisa que há para a saúde! E se as pessoas dizem deve ser verdade certo?

Errado!

Vale a pena beber água alcalina?

Beber água alcalina faz bem porque estamos a beber água, o que para muita boa gente já é uma grande vitória, mas a não ser que pessoalmente adoremos o gosto desta água, não vale a pena estar a gastar dinheiro nela, porque não tem nenhum benefício extra para a saúde que não seja a hidratação.

Mas comecemos pelo princípio!

Uma água alcalina é uma água cujo pH é superior a 7. A escala de pH vai do 0 ao 14, sendo que tudo o que esteja abaixo de 7 é ácido, o que estiver acima é alcalino, e se for exactamente 7 é um produto neutro.

A água dita normal, tem um pH muito próximo do neutro.

Como é que começou todo este delírio pelas águas alcalinas? 

Supostamente o nosso sangue anda com um pH mais ácido do que devia andar, e isso leva a tudo e mais alguma coisa, desde cancro, a osteoporose, passando por aquela borbulha horrível no meio da testa que resolveu aparecer logo no dia em que tínhamos marcado encontro com o nosso match do Tinder.

Se o nosso sangue está mais ácido então qual é a solução mais eficaz? Começar a comer melhor? Fazer mais exercício físico? Descansar em condições?

Nada disso! Beber litros e litros de água alcalina, que é para equilibrar a coisa.

Os defensores da água alcalina defendem que ela vai conseguir a proeza de alcalinizar o sangue ao mesmo tempo que combate os radicais livres - só que não!

Infelizmente, e procurem onde quiserem para verem que eu não vos minto, quando ingerimos água alcalina o nosso belo estômago neutraliza-a antes de ser absorvida pelo sangue, por isso a teoria de que vai conseguir mudar o pH do nosso sangue vai completamente por água abaixo.

Se mesmo assim não acreditarem em mim e acharem que todo este blog está envolvido numa maquiavélica teoria da conspiração, façam-me um favor e comprem água mineral alcalina, que esteja recheada de potássio, cálcio e magnésio, e não daquelas águas que sofrem processos estrambólicos para ficarem com um pH mais alto, que nutricionalmente são muito mais pobres.

Para terminar duas pequenas notas:

  • Se tiverem algum problema renal afastem-se das águas alcalinas ou primeiro consultem o vosso médico - digo isto pela vossa segurança.
  • Como neste mundo nem tudo é branco nem preto, existem algumas evidências que a água alcalina pode ajudar as pessoas que sofrem de refluxo, mas mais estudos necessitam de ser feitos até ao dia em que possam ir à farmácia aviar uma garrafinha de água com pH acima de 7!

Pág. 1/3