Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Triptofano

O teu aminoácido essencial!

Uma pausa!

31.05.19, Triptofano!

Depois de alguma reflexão decidi que vou fazer uma pausa nas publicações aqui no blog.

Honestamente não acredito que o tempo que vou estar afastado das publicações seja muito longo, mas também honestamente não tenho nenhuma data marcada para o regresso.

Esta decisão deve-se a duas grandes razões.

Primeiro o facto de ter demasiados comentários por responder.

Não faz sentido estar a colocar post atrás de post atrás de post se depois não tenho a capacidade de dar resposta ao vosso fantástico feedback.

Vejo muitas vezes questões extremamente pertinentes a ser colocadas que eu depois não consigo responder porque estou demasiado preocupado em pensar e investigar sobre o que vou escrever de seguida!

E sem responder às dúvidas que me colocam a interacção fica cortada pela cintura e não consigo deixar de sentir um amargo na boca.

Por isso vou usar este tempo para dedicar-me a responder a todos os comentários que ficaram sem resposta da minha parte, e aos quais peço desde já desculpas.

Em segundo o facto de precisar de algum tempo para repensar a minha estratégia virtual.

Não tenho vergonha nenhuma em dizer que nada me faria mais feliz do que viver apenas do virtual, mas neste caso não se trata sequer de estar aborrecido por não estar já a nadar em notas de 500 euros.

Só me posso sentir extremamente grato por ter pessoas que visitam regularmente o blog e deixam de uma forma ou outra o seu carinho, mas o alcance que eu gostaria de ter com este espaço ainda é uma autêntica miragem.

Uma das coisas que me deixa mais frustrado no meu trabalho enquanto farmacêutico é só poder chegar a um número muito limitado de pessoas. E mesmo às que chego existe sempre a condicionante do tempo, entre outras inerentes a um atendimento ao público.

O blog era a minha esperança de conseguir, de uma forma mais calma e estruturada, atingir um número muito mais vasto de pessoas, mas os números infelizmente não estão do meu lado.

Novamente estou muito grato por todos os que andam por este cantinho, e não há dúvida que vocês são espectaculares, mas para mim não é o suficiente.

Por isso vou usar este tempo para descobrir se há algo que esteja a fazer de errado ou de menos certo, mas sempre com a certeza que a minha autenticidade essa nunca mudará!

Até breve pessoal! 

O que fazer quando não se consegue tomar comprimidos?

31.05.19, Triptofano!

Infelizmente há muitas pessoas que devido a doença acabam por ficar com problemas na deglutição, tornando-se a simples tarefa de engolir um comprimido algo extremamente difícil.

Agora o que eu não sabia é que havia todo um outro mundo de pessoas saudáveis, que não conseguem tomar comprimidos, sejam eles medicamentos ou suplementos.

Muitas vezes isto deve-se a alguma situação traumática na infância, quando um comprimido do demo apeteceu-lhe ficar ali preso na garganta sem andar para cima nem para baixo, fazendo com que a pessoa evite a todo o custo tomar medicamentos que se apresentem numa forma sólida.

Ainda há pouco tempo, conheci uma utente que até a própria pílula não conseguia tomar (e aquilo é um comprimido minúsculo) por causa de um susto que tinha tido quando era mais pequena.

Independentemente da razão porque alguém não consegue tomar um comprimido, felizmente já existem algumas alternativas no mercado para certos medicamentos, como comprimidos efervescentes ou orodispersíveis, granulados e pós para dissolução ou xaropes.

Mas o que fazer quando não existe alternativa e é preciso tomar um comprimido?

O mais frequente é ver-se os médicos mandarem esmagar tudo em bocadinhos pequeninos e siga para bingo.

E se em alguns casos até pode funcionar, na maioria o comprimido acaba por perder uma grande parte da sua eficácia, devido aos revestimentos e às libertações e a todas essas coisas que permitem que um medicamento chegue onde deve chegar sem grandes alterações.

Aqui é que entra o Gloup, um dispositivo médico que facilita a toma de medicamentos, podendo ser usado a partir dos 2 anos de idade.

O que fazer quando não se consegue tomar comprimidos?

Este gel de deglutição pode-se encontrar na forma de Gloup original, com um sabor a morango/banana e com uma espessura semelhante a iogurte, ou na forma de Gloup forte, com um sabor a baunilha e uma espessura semelhante a requeijão, ideal para quem sofre de disfagia!

Como utilizar o Gloup?

Primeiro que tudo recomendo conservar no frigorífico, porque torna o seu consumo mais apelativo.

Depois deve-se experimentar primeiro o Gloup sem qualquer medicação, de forma à pessoa ficar familiarizada com o sabor e a textura.

De seguida colocar 1 comprimido/cápsula numa colher e colocar 5 ml de Gloup por cima do medicamento, administrando-o de seguida!

Pode-se ir aumentando gradualmente o número de comprimidos por toma, até ser possível administrar toda a medicação/suplementação de uma só vez!

Eu e o Cara-Metade experimentámos uma amostra do Gloup para perceber se realmente ele é tão eficaz como diz ser, e a verdade é que não mente.

Quando se coloca por cima dos medicamentos é um bocado estranho porque a textura não é assim visualmente apetecível (mas pronto também não é uma sobremesa, é um dispositivo médico) e o nosso cérebro fica um bocado baralhado com o facto de irmos engolir medicamentos sem água.

Mas basta pormos na boca e fazermos o movimento de engolir e lá se vão os comprimidos, sendo que o sabor do produto é bastante agradável.

O Cara-Metade não sentiu desconforto algum; eu, que sou ligeiramente mais complicado para comprimidos, ainda fiquei com uma pequena impressão na garganta, mas algo muito mínimo, e também se deve ao facto de eu ter logo enfiado três comprimidos na colher em vez de ter iniciado apenas com um!

O que fazer quando não se consegue tomar comprimidos?

Por isso se tiverem dificuldade, ou conhecerem quem tenha, em engolir medicamentos, o Gloup é uma valiosa ajuda! 

Vaginas, Colos do Útero e coisas que tais...

31.05.19, Triptofano!

Se houvesse um anel daqueles de final de curso para os gays mais puros eu de certeza que recebia um, com um cachucho tão brilhante que seria possível ver da lua.

Isto porque a minha pessoa nunca se aproximou de uma vagina, nunca olhou directamente para uma vagina, nunca sentiu o doce chamamento de sereia que muitos dizem provir dos grandes e pequenos lábios vaginais.

Ora talvez seja por causa disso que nas aulas de ciências eu simplesmente ignorei as aulas do sistema reprodutor feminino, porque já sabia que nunca ia enfiar ali coisa alguma. (a não ser que fosse ser ginecologista algo que não aconteceu)

Esta minha lacuna de conhecimentos anatómicos levou-me a passar uma pequena vergonha há uns dias atrás no trabalho.

Estava a atender uma jovem e conversa para aqui conversa para lá questiono-lhe o que lhe tinha sido diagnosticado para estar a fazer determinada terapêutica.

Ah e tal tenho umas pequenas lesões no colo do útero!

E eu na minha maior inocência perguntei-lhe se ela sabia o que tinha causado tais lesões. 

A médica disse que devia ter mais calma no sexo e usar lubrificante....(a jovem neste momento ficou ligeiramente atomatada e com a fala presa, mas até conseguiu manter alguma naturalidade o que eu aplaudo do pé)

Isto tudo sucedeu-se porque aqui a minha pessoa não fazia a mínima ideia do que era o colo do útero. 

Pensava que era ali uma espécie de auto-estrada com Via Verde que unia a vagina ao útero.

Obviamente que se eu tivesse tirado cinco minutos para reflectir ia perceber que o meu pensamento tinha graves lacunas, porque de outra forma durante o acto sexual na gravidez seria possível catucar a cabeça do bebé com o auxílio de um pénis mais avantajado.

E eu sabia que não havia o risco de isso acontecer, mas sei lá, pensei que se formasse uma comporta ou coisa do género que impedisse o pénis de chegar lá.

Para todos aqueles que possam estar confusos deixo um esquema para uma melhor visualização!

Sistema Reprodutor Feminino

E pronto, quando se chega ao colo do útero a passagem fica bloqueada.

Por isso é que muitas mulheres sentem desconforto quando colocam um DIU, porque o acesso ao útero não está de todo facilitado.

Mas agora minha gente é que vem a pergunta fulcral!

Pela minha pesquisa, o tamanho médio do canal vaginal ronda ali os 10 cms, mais coisa menos coisa.

Então se há 10 cms de vagina para explorar e quando se chega ao colo do útero já não dá para ir mais para a frente onde é que fica o resto da pila?

Porque é que há sempre tanta coisa com o tamanho do pénis do homem se no fim de contas não há espaço para ele?

É que honestamente isto é um mistério da natureza para mim!!!

A pila entra ou não entra toda? A vagina consegue-se esticar por artes mágicas? Ou será que a pila vai encolhendo lá dentro até conseguir entrar toda e ficar quentinha?

Por favor ajudem-me a perceber este fenómeno, porque anda tanto homem por aí com complexos por ter a pila pequena e se calhar afinal nem tem nada com que se preocupar!

Retenção de Líquidos? Insuficiência Venosa? Aqualegs!

30.05.19, Triptofano!

Com a chegada do calor aumentam as queixas de pernas e tornozelos que se transformam da noite para o dia em verdadeiros trambolhos e de dores e cansaço nos membros inferiores que diminuem bastante a qualidade de vida de uma pessoa!

Para mim enquanto farmacêutico por vezes é difícil perceber qual a verdadeira causa do desconforto, porque pode ser retenção de líquidos, pode ser insuficiência venosa, ou azar dos azares, podem ser as duas coisas, já que a insuficiência venosa muitas vezes provoca retenção de líquidos...

Retenção de Líquidos? Insuficiência Venosa? Aqualegs!

Eu não conhecia o Aqualegs, mas uma colega que passou a trabalhar agora comigo diz maravilhas do produto.

Que é a última bolacha do pacote. A única Coca-Cola do deserto. A rede de wi-fi sem password quando já não temos dados móveis.

Em suma, o verdadeiro milagre para quem ter pernas e tornozelos pesados, inchados e com dores.

Ela própria já tomou e disse que funcionou fantasticamente bem, que foi a salvação dela para aqueles dias de trabalho em que passava oito horas de pé. 

E a composição do produto é bastante interessante, com plantas drenantes que ajudam a eliminar a retenção de líquidos e outras que possuem um efeito venotónico, tonificando os capilares sanguíneos e melhorando a circulação.

As plantas mais importantes para mim na composição do Aqualegs são:

Castanheiro das Índias: Fortalece os capilares sanguíneos, aumentando-lhes a resistência e diminuindo-lhes a permeabilidade. Possui também acção anti-inflamatória e vasoconstritora. 

Ruscus: Tem propriedades vasoconstritoras, anti-inflamatórias e antiedematosas, além de aumentar a resistências dos capilares sanguíneos. 

Rainha dos Prados: Acção diurética associada a propriedades anti-inflamatórias analgésicas. Atenção: Quem tiver alergia à aspirina não pode tomar esta planta!

Dente de Leão: Acção diurética , segura e sem efeitos indesejáveis. Permite limpar todo o organismo, eliminando as toxinas acumuladas.

Orthosiphon: Acção drenante, diurética e depurativa, com adicionais propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias.

Uma grande vantagem do Aqualegs é o facto de se ter de tomar apenas uma cápsula por dia (por isso não há cá desculpas que se esquecem), de preferência de manhã, que é para uma pessoa não acordar durante a noite toda para ir à casa-de-banho.

E acreditem que vão aumentar a quantidade de vezes que vão fazer xixi, pelo menos a minha colega disse-me que parecia uma mini-fonte. 

Já alguma vez experimentaram este produto? Sofrem de pernas pesadas nesta altura do ano? Tem alguma dica que queiram partilhar para sofrermos todos um bocadinho menos com as dores nas pernocas? 

Preservar as Células Estaminais: Sim ou Não?

30.05.19, Triptofano!

Esta é uma das perguntas mais complicadas que me podem fazer enquanto farmacêutico, mas a minha opinião é que sim, devem-se preservar as células estaminais, mas doando-as para uso público!

Por mais que eu gostasse de vos dizer que vivemos num mundo cor-de-rosa a verdade é que não vivemos, e especialmente na área da saúde muitas vezes o mais importante é fazer lucro e só depois é que vem as pessoas.

O armazenamento de células estaminais em bancos privados foi algo extremamente publicitado há anos atrás, recorrendo-se à imagem dos Influenciadores (que muitas vezes querem lá saber de dados científicos e coisas que tais) e explorando-se as normais fragilidades dos pais, que não querem ser responsabilizados por uma decisão que possa por em causa a vida do filho (no caso de optarem por não preservar as células!)

Antes de avançar mais, quero que saibam que a informação que vou aqui colocar foi retirada do Guia Prático de Intervenção Farmacêutica - Cuidados Bebé e Mamã, elaborado pela ANF em Fevereiro de 2019, sendo por isso fidedigna.

Preservar as células estaminais: Sim ou Não?

Primeiro que tudo, como é que se faz a preservação das células estaminais?

As células estaminais do cordão umbilical são criopreservadas, ou seja, estas células são conservadas por longos períodos de tempo através do congelamento a baixas temperaturas (-196ºC), mantendo a sua viabilidade durante mais de duas décadas (cerca de 23 anos), podendo ser utilizadas no tratamento de certas doenças genéticas, hematológicas e neoplásicas.

O sangue do cordão umbilical é composto por células estaminais hematopoiéticas, semelhantes às da medula óssea e do sangue periférico, com a capacidade se autorrenovarem e dividirem indefinidamente diferenciando-se em linhagens celulares distintas, podendo reparar tecidos danificados e substituir as células que vão morrendo.

No caso de um transplante, as células estaminais do cordão umbilical apresentam um menor risco de atacarem os tecidos e órgãos do doente, comparativamente com as células estaminais do sangue periférico ou da medula óssea.

Além disso, as células do sangue do cordão são colhidas e armazenadas antecipadamente e encontram-se imediatamente disponíveis para qualquer doente que necessite de um transplante urgente, existindo evidências que estas células não exigem um grau de compatibilidade dador – receptor tão elevado como para o transplante de células de medula óssea ou de sangue periférico, uma vez que se encontram num estado precoce de maturação.

Actualmente, após o parto são apresentadas 3 alternativas aos pais:

  • Possibilidade de doação do cordão umbilical para uso público, para qualquer doente que possa necessitar; (que eu recomendo vivamente!)
  • Armazenamento das células num banco privado, para uso privado; (que eu não aconselho vivamente)
  • Rejeição e inutilização do cordão umbilical.

Os bancos públicos colhem, processam e armazenam unidades de sangue do cordão doadas por pais não havendo qualquer encargo para eles.

Este sangue destina-se a ser utilizado por qualquer doente que necessite, embora estes bancos também possam armazenar sangue do cordão umbilical para uso familiar, por exemplo, para transplantação de um irmão do dador se, antes do nascimento do recém-nascido dador, for diagnosticado ao seu irmão uma doença que possa ser tratada com sangue do cordão.

Actualmente, para grande infelicidade minha, nem todos os hospitais e clínicas se encontram habilitados a participar no sistema de dádiva para uso público, sendo que os pais poderão verificar junto do médico obstetra ou no site do Instituto Português do Sangue e da Transplantação quais os centros de colheita disponíveis.

Os bancos privados colhem, processam e armazenam unidades de sangue do cordão para uso exclusivo da própria criança ou de alguém na sua família que venha a necessitar de um transplante de células estaminais hematopoiéticas no futuro.

Nestes bancos as famílias pagam para a colheita e armazenamento do sangue do cordão do seu bebé, não ficando disponível para uso público nacional ou internacional.

Agora o que é importante que os pais saibam (e não tomem decisões influenciados pelo medo) é que a probabilidade de as células do sangue do cordão umbilical virem a ser utilizada pela própria criança é baixa e que, em caso de necessidade de transplantação, o sangue do cordão umbilical da própria criança pode ser insuficiente para tratar uma criança crescida ou um adulto, sendo necessário unidades adicionais de sangue do cordão (que estarão armazenadas em bancos públicos).

Caso os pais optem pela criopreservação de células estaminais através de uma empresa privada, devem levar o respectivo kit de colheita para o hospital, sendo que devem avisar o equipa, no momento da admissão que pretendem a colheita.

Eu sei que este é um tópico que mexe com os medos de muitos e há quem prefira gastar rios de dinheiro e sentir-se mais seguro quando dorme à noite.

Lamentavelmente, como disse no início, nem tudo é transparente na área da saúde, especialmente quando há muito dinheiro envolvido, mas quero que saibam que o Conselho da Europa apoia e recomenda o desenvolvimento da dádiva voluntária e altruísta, através da criopreservação nos bancos públicos.

A criopreservação em bancos privados numa família a priori saudável é controverso, não sendo claramente suportado pela evidência clínica actualmente disponível.

Por isso sim, preservem as células estaminais do cordão umbilical, mas façam a doação para uso público!

Os alimentos com carvão activado são seguros?

29.05.19, Triptofano!

Hoje em dia a moda é enfiar carvão activado em tudo o que é alimento.

Ele são limonadas pretas, pizzas com massa preta, gelados pretos, tudo em prol de aumentar as vendas suscitadas pela curiosidade e pela oportunidade de obter uma foto fantástica para o Instagram.

Mas será que os alimentos com carvão activado são seguros?

Os alimentos com carvão activado são seguros?

Não vou dizer que se comerem um gelado preto ou uma limonada escurecida com carvão que vão cair imediatamente para o lado, mas a verdade é que não são seguros, nem a curto nem a longo prazo.

O carvão vegetal activado teve as suas capacidades de desintoxicação do organismo reconhecidas há muito tempo, sendo que essas propriedades ajudaram-no a ser catapultado pela fama, mas são também elas que o podem tornar perigoso.

O carvão vegetal é como uma esponja gigantesca cheia de poros, que tem a capacidade de adsorver, ou seja de fixar à sua superfície, tudo o que for indesejável que se encontre no sistema digestivo, tais como gases, aditivos alimentares, resíduos de pesticidas ou fertilizantes, metais pesados, solventes orgânicos, bactérias tóxicas do peixe ou do marisco, entre outras coisas chatas.

O problema é que o carvão não consegue fazer a distinção entre as coisas que são más e que não fazem falta no nosso organismo das coisas boas e maravilhosas que nós precisamos!

Ou seja, nutrientes e medicamentos também são captados, sendo que em vez de ser absorvidos pelo organismo acabam expelidos nas fezes.

Por isso é que quando eu recomendo carvão vegetal, para tratar uma diarreia ou um excesso de ar a nível intestinal, dou sempre a indicação que ele deve ser feito com duas horas de distância de alimentos ou outros medicamentos.

Por isso, alimentos com carvão activado não fazem o mínimo sentido, porque em vez de estarmos a absorver todos os nutrientes e vitaminas daqueles alimentos estamos a mandá-los directamente pela sanita, envoltos numas fezes maravilhosamente (ou não) escuras.

A ingestão diária destes alimentos pode chegar a causar até problemas de má-nutrição!

A combinação carvão activado/medicamentos também não é muito feliz.

Imaginem que tomam a vossa pílula todos os dias com uma limonada preta! Ou o vosso comprimido para a tensão! Ou o vosso medicamento para a epilepsia!

O carvão ao adsorver os medicamentos vai fazer com que eles tenham zero efeito, o que obviamente não é o que se quer!

Por isso se quiserem usar carvão activado para desintoxicar o corpo façam-no sempre fora das refeições e das tomas dos outros medicamentos.

Se são daquelas pessoas que não vivem sem fotos lindas e maravilhosas e irreverentes no feed do vosso Instagram, experimentem juntar tinta de choco.

Pode não saber tão bem, mas fica preto na mesma para a foto!

 

Como diminuir os níveis de ácido úrico?

29.05.19, Triptofano!

Apesar de ter ficado bastante contente com os resultados das minhas análises, os valores de ácido úrico deixaram-me ligeiramente preocupado por estarem quase no limite do aceitável.

Por causa disso decidi investigar um bocadinho mais sobre o que é isto do ácido úrico, que impacto é que ele tem na nossa vida e como podemos controlar os seus valores! 

Como diminuir os níveis de ácido úrico?

O ácido úrico é formado a partir da degradação das purinas, e não, não estou a falar daquela marca de alimentos para animais, mas sim de umas bases nitrogenadas todas XPTO que existem no nosso organismo e que têm funções vitais como a produção do ADN.

O problema é que as purinas também existem em certos alimentos, e se nós enfiarmos para o bandulho muitas delas vamos acabar por aumentar a produção de ácido úrico.

Ora quando há um aumento da produção do ácido úrico ou uma diminuição da eliminação deste pela urina (o que acontece frequentemente a quem toma certos medicamentos como os diuréticos tiazídicos) este vai acumular-se no nosso corpo formando cristais semelhantes a agulhas (e não são cristais Swarovski minha gente), que se depositam nas articulações, inflamando-as!

Esta inflamação das articulações, extremamente dolorosa, chama-se de Gota, sendo que é caracterizada por uma dor súbita e intensa, que normalmente ataca em primeiro a articulação do dedo grande do pé.

Uma crise de gota, que é caracterizada por inchaço, vermelhidão, dor e calor, tem tratamento, mas se este não for realizado de uma forma correcta as crises podem prolongar-se por dias ou até semanas, tornando-se cada vez mais frequentes.

Quanto mais frequentes forem as crises mais as articulações são agredidas, podendo resultar em deformações, especialmente ao nível das mãos, pés, cotovelos e joelhos.

Os cristais de ácido úrico podem também acumular-se no aparelho urinário e formar, em vez de um diamante que dava tanto jeito ao pessoal, a maravilhosa e extremamente dolorosa pedra nos rins!

Então o que é que uma pessoa pode fazer para diminuir os valores de ácido úrico no sangue e prevenir uma crise de gota?

Primeiro que tudo evitar alimentos ricos em purinas.

Existe uma lista bastante extensa de alimentos que se devem evitar (não é preciso banir, basta diminuir a frequência com que os ingerimos) mas os mais falados são o marisco, as vísceras, as carnes de animais jovens e os enchidos.

Um bom conselho é inicialmente cozer a carne em água fria, de forma a aumentar a libertação das purinas!

Depois reduzir a ingestão de bebidas alcoólicas, em particular da cerveja, e compensar com a ingestão de 2 litros de água diários.

A ingestão de leite e de produtos lácteos magros ajudam também a reduzir os valores de ácido úrico, já que certas proteínas presentes nestes alimentos promovem a sua excreção através da urina!

Por fim, aquilo que todos deveríamos fazer, que é ter uma alimentação equilibrada e manter um peso adequado, além de praticar actividade física, mas sempre com o cuidado de não forçar excessivamente as articulações que podem já estar agredidas!

Uma última dica, caso queiram experimentar regularizar os vossos valores com um produto natural antes de começarem com os químicos, experimentem fazer diariamente um chá de urtiga-branca (Lamium album) ou tomar cápsulas desta planta!

Mas atenção, tem que ser mesmo de urtiga-branca, pois é a sua composição única em flavonóides e antioxidantes naturais, além de algumas substâncias diuréticas, que lhe concede a capacidade de regularizar os níveis de ácido úrico!

Como diminuir os níveis de ácido úrico - Urtiga branca

O dia que eu mais temia aconteceu!

28.05.19, Triptofano!

Há quase 5 anos que vivo em Benfica na mesma casa, e eu sabia que mais cedo ou mais tarde aquilo que eu mais temia na vida iria acontecer.

E ontem o meu maior medo realizou-se!

Estava eu sentado na sanita, muito bem refastelado, a responder emocionadamente a um comentário à Maria Araújo sobre a abstenção nas Eleições Europeias, quando pelo canto do olho vejo uma coisa escura a passar ao lado do meu pé esquerdo.

Primeiro pensei que fosse mais um daqueles bichinhos de prata que parecem multiplicar-se na minha casa de banho e que adoram comer a cola dos meus autocolantes decorativos de parede.

Mas não demorei nem um segundo a perceber que aquele bicho era demasiado escuro e grande demais para ser um bichinho da prata!

ERA UMA BARATA!

Sabem quando passamos muito tempo sentados na sanita e ficamos com as pernas dormentes e elas não querem responder?

Ah pois minha gente, não foi o caso. Eu saltei tão rapidamente com o computador na mão que nem quis saber de dormência ou menos dormência!

Eu odeio baratas. Eu tenho pânico de baratas. Eu começo a hiperventilar só de pensar em baratas (e até me estou a sentir um bocadinho mal só de estar a escrever sobre isto!)

Obviamente que eu não ia deixar o bicho livre na casa-de-banho, por isso fiz a única coisa plausível de ser feita!

Fui acordar o Cara-Metade!

Amor acorda, preciso de ajuda tua!

Nada, a roncar feito uma pedra.

Amor (num decibel mais alto) acorda, preciso mesmo de ajuda tua fofinho!

Continua sem dar resposta!

Ó ca*alho filho da p*ta tás a gozar comigo? (enquanto lhe dou cacetadas) Acorda já que vai-me dar um chilique!

Finalmente o Cara-Metade acorda totalmente estremunhado, o que me fez perceber que se houver um ataque Zombie surpresa a meio da noite é melhor deixá-lo entregue à sua sorte porque o homem não tem a estaleca suficiente para se safar!

O que é que foi?

Ajuda-me, está uma barata na casa-de-banho!!!!!

Está o quê na casa-de-banho?

Uma barata!!!!

Uma quê?

Uma barataaaaaaaa!!!!!! (neste momento eu já considerava ir tocar à porta do vizinho do lado a ver se ele era-me mais útil)

O que é uma barata??

E pronto, é com esta pessoa que eu me casei! Alguém que demora demasiado tempo a acordar e a colocar o cérebro em funcionamento!

Depois de mais uns intermináveis segundos o Cara-Metade lá se lembrou do que raio era uma barata e foi munido de pá e vassoura para a casa-de-banho mas ainda meio a dormir, porque no primeiro minuto andou a dar vassouradas no ar, provavelmente numa luta contra os pólens invisíveis que lhe entopem o nariz todas as noites.

Já encontrei o bicho...ele está a tentar fugir!!

Mata-o por amor de Deus homem!!!! (uma pessoa em momentos de desespero recupera sempre a sua fé no divino!!!)

Já está! Mas olha que isto não é uma barata, é um grilo!

OH CARAÇAS, EU SOU UMA PESSOA LICENCIADA, EU SEI O QUE É UMA BARATA!!!

Como o Cara-Metade teimava que não era uma barata e sim um grilo fui buscar toda a coragem macha que está adormecida dentro de mim e fui espreitar.

Obviamente que não era um grilo, mas também não era uma barata. Era uma espécie não identificada, com um ar assustador, que não me deixou nem um bocadinho mais tranquilo.

E agora não consigo ir à casa-de-banho descansado!

Quero colocar os meus cremes e tenho de os levar todos para o escritório porque estou em pânico que apareça outro daqueles bichos do demónio!

Pessoal ajudem-me!!! Que marca de insecticida é que vocês recomendam que eu use para deixar estes bichos longe de mim???

Não me importam que possam causar alguma espécie de cancro, eu não quero é nunca mais estar sentadinho na sanita e quase ter uma paragem cardíaca! 

O que é que aconteceu à Renée Zellweger?

27.05.19, Triptofano!

Este post é sobre a nova série da Netflix, What If, mas antes de me debruçar sobre ela tenho que obrigatoriamente fazer um minuto de reflexão acerca do que aconteceu com a actriz Renée Zellweger!

É verdade que a última vez que a vi foi no filme de 2004, o novo diário de Bridget Jones, onde ela estava fresca e fofa, e desde essa altura passaram-se 15 anos, mas nada me tinha preparado para isto.

O Novo Diário de Bridget Jones

What If - Netflix

Ok, não é que a moça esteja mal, mas nunca na vida diria que era a mesma pessoa.

Ela continua fresca e fofa, mas é como se tivesse passado de uma carcacinha estaladiça para um pão de Mafra...ah esperem, a Renee só tem 50 anos?? Um pão de Mafra recesso então!!!

Será que a moça enganou-se a comprar os cremes anti-idade? Viverá directamente em baixo do buraco do ozono? Passou quase vinte anos sem comer qualquer alimento contendo antioxidantes?

Bem, nós sabemos o que aconteceu, e espero que isto seja exemplo suficiente para todos os que estiverem a ponderar fazer operações plásticas pensarem 128 mil vezes antes de irem à faca!

Mas falando da série, What If é uma série de suspense com algumas reviravoltas interessantes mas sobretudo com movimentos demasiado previsíveis para ser considerada uma série fantástica.

Renée (que eu só descobri que era ela no fim do primeiro episódio quando deitei os olhos aos créditos) faz o papel de Anne Montgomery, uma investidora cheia de dinheiro que decide apostar na empresa de biotecnologia de Lisa Donovan (interpretada por Jane Levy), uma cientista com ar de quem nunca partiu um prato que descobriu uma forma de potenciar os tratamentos farmacológicos e salvar milhões de pessoas pelo mundo fora, deixando obviamente piursos os senhores da indústria farmacêutica.

What If começa com um interessante dilema moral que infelizmente acaba por perder a sua dimensão consoante a história se desenrola .

O que é que seriam capazes de sacrificar para terem sucesso?

Se alguém vos dissesse que aquele projecto, aquele cargo, aquele emprego de sonho que toda a vida ambicionaram poderia ser vosso, do que é que estariam dispostos a abrir mão?

Em What If, Renée exige uma noite com o marido de Lisa em troca de um investimento de 80 milhões de dólares, o que leva o espectador atento a pensar instantaneamente com o moço deve ter uma pila de Midas e a Renée vai aproveitar para transformar tudo em ouro!

E vocês, eram capazes de vender a vossa relação por algo que quisessem muito? E se essa coisa fosse algo não que vocês quisesse muito muito muito mas que permitisse salvar a vida de milhões?

O que era mais importante para vocês? A vossa bolha íntima sem dramas nem remorsos ou a possibilidade de mudarem para melhor a vida de uma quantidade incalculável de pessoas?

What If Netflix

 

 

5 Razões para os Portugueses não terem votado para o Parlamento Europeu

27.05.19, Triptofano!

Mais uma vez Portugal foi um dos países da Europa com maior percentagem de abstenção nas eleições para o Parlamento Europeu, mas se muitos dizem que é porque os portugueses não tem interesse na vida política ou porque acham que a Europa está lá longe e não tem qualquer impacto nas suas vidas eu venho revelar-vos as 5 verdadeiras razões para este massivo afastamento das urnas!

1 - Não saber o que vestir

Votar é um acto solene que todos deveriam respeitar, nem que fosse para agradecer a sorte de não se viver num daqueles países onde o único poder de escolha é se queremos levar as 100 chicotadas todas de uma vez ou em pequenas prestações sem juros de 10.

E os portugueses levam a sério o voto, por isso é que era muito mais fácil que quando enviamos aquela mensagem para saber qual o local onde nos temos de dirigir para colocar a cruzinha também dissessem qual o dress code.

É que uma pessoa fica naquela que não sabe o que há-de vestir.

Será que tem de ir formal, informal, casual chique, de gala? 

Levam-se as sabrinas ou um sapatinho com dois dedos de salto? Pode-se ir de calções ou é melhor a calça de bombazine? É adequado ir votar sem soutien, assim com os mamilos hirtos por causa da súbita descida de temperatura, ou a formalidade do voto obriga uma cueca da avó tão subida que até tapa a maminha atrevida?

Obviamente que uma pessoa não sabendo como deve ir vestida prefere ficar em casa, que é para não aparecer na televisão numa entrevista daquelas sondagens à boca da urna e ser humilhada nacionalmente.

2 - Recomendação Médica

Incrivelmente, apesar de sermos um país carregadinho de sol, todos os portugueses descobriram nos últimos anos que tem carência a nível dos valores de vitamina D.

Andámos todos estes anos da nossa história nacional a acharmos que éramos mais tristes e saudosos por causa do Fado e afinal é porque o raio da vitamina D anda pela hora da morte.

Ainda não percebi como é que a Cristina Ferreira não vende no seu programa um suplemento Hiper Mega Super Extra concentrado de vitamina D, para compensar as horas infindáveis que os seus espectadores passam em casa a olhar para a televisão sem apanhar um raiozinho de sol.

Por isso, este domingo como estava calor, o pessoal seguiu as recomendações médicas e foi todo para a praia sintetizar esta vitamina.

Afinal de que é que vale ter-se bons candidatos no Parlamento Europeu se depois uma pessoa anda deprimida por causa de carências vitamínicas?

3 - Pânico do Peditório dos Bombeiros

Não há coisa mais assustadora do que uma pessoa ir votar e ver lá ao longe os senhores dos bombeiros com uma sandes de presunto numa mão e um daqueles autocolantezinhos manhosos na outra.

Pior é quando descobrimos que eles trouxeram a artilharia pesada e a correr dum lado para o outro estão quatro ou cinco criancinhas fardadas a rigor a colar autocolantes no rabo do pessoal (pudera, não chegam ainda à zona da lapela) em troca de pedidos furiosos de moedas de dois euros.

Nos últimos anos deixei de usar as desculpas do costume como não trouxe a carteira, tenho falta de sensibilidade nos dedos por isso não consigo agarrar moedas ou sou cego e surdo peço imensa desculpa, para adoptar a técnica ninja.

Esta técnica consiste em colar-me a um incauto votante e quando ele é abordado por um dos bombeiros saltar de trás dele e correr o mais rapidamente possível até à mesa de voto, esgueirando-me fantasticamente dos olhares assassinos!

4 - Traumas de Infância

Há muito boa gente que não vai votar por causa dos locais escolhidos serem muitas vezes escolas.

E uma pessoa até queria ir por uma cruzinha num quadrado ao acaso, mas quando começa a aproximar-se da escola, tenha sido ou não a sua, uma data de memórias começam a surgir dos meandros do inconsciente e é logo ali um ataque de pânico.

Desde as lembranças daquela professora que teimava em chamar ao quadro sabendo perfeitamente que uma pessoa não fazia a mínima ideia de que matéria estavam a dar, passando pelas recordações dolorosas de todas as sandes que deixámos cair na caixa de areia e mesmo assim comíamos provocando uma ligeira exfoliação aos nossos dentes de leite, terminando na memória daquela colega que prometeu que podíamos brincar com o umbigo dela se lhe fizéssemos os trabalhos de casa durante um semestre e no fim vimos a descobrir que ela tem o umbigo para fora o que tira a piada toda à coisa.

5 - Medo de Roubo de Identidade

Esta será a razão mais válida delas todas e eu compreendo perfeitamente quem evite ir votar por ter medo que lhe roubem a identidade.

A verdade é que quando se chega à zona de voto estão três predadores pessoas a olharem para nós ao mesmo tempo que lambem os cantos dos lábios, porque já estão a imaginar que seremos nós que vamos pagar-lhes as próximas contas da MEO.

Depois a pessoa que se senta no centro, que é a cabecilha da operação, pega no nosso cartão de cidadão e lê o nome em voz alta para toda a gente ouvir, e os dois capangas que estão com ela começam logo a mexer em papéis (taditos a modernização ainda não chegou eles) a verificar os nossos rendimentos, contas bancárias, pontos do McDonald's que andamos a acumular para ter uma tarte de maçã grátis, de forma a perceber se vale a pena ou não roubarem-nos a identidade.

E nós ficamos ali a tremer como varas verdes, sem saber se um dia chegamos à caixa do correio e descobrimos que temos 6 mensalidades do Holmes Place em atraso ou pior, que nos registaram como revendedores da Avon!

 

Sabem de mais alguma razão para os Portugueses não terem votado para o Parlamento Europeu? Partilhem comigo! 

 

Pág. 1/4