Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Triptofano

O teu aminoácido essencial!

Há coisas que não se compram na Feira da Ladra

02.04.19, Triptofano!

Ultimamente o Cara-Metade redescobriu o prazer de visitar a Feira da Ladra, tudo porque meteu na cabeça que ia começar a coleccionar utensílios de cozinha antigos.

 

Eu acompanho-o porque é um passeio agradável e dá-me gosto vê-lo a descobrir pechinchas e a regatear para pagar o menos possível, apesar de ter de me controlar para não revirar os olhos sempre que ele enfia no saco mais meia dúzia de panelas e um cortador de caldo-verde, porque a este ritmo e tendo em conta a minha compulsão para acumular produtos de cosmética qualquer dia aparecemos na televisão num episódio dos Acumuladores.

 

Em nenhum outro sítio faz mais sentido a frase que diz que o lixo de uns é o luxo de outros como na Feira da Ladra, porque é possível encontrar de tudo à venda, sendo que notei que comparativamente com alguns anos atrás houve uma democratização na Feira, existindo outro tipo de oferta já mais vocacionada para os turistas, que obviamente andam aos magotes entre as ruas estreitas.

 

Feira da Ladra

 

Mas felizmente a essência deste ajuntamento de comerciantes ainda se mantêm no seu âmago inalterada, porque na realidade é isso que fascina os turistas e não outro Sunday Market completamente genérico que se poderia encontrar em qualquer parte do mundo.

 

Acredito que Portugal tem de se adaptar para receber os turistas, mas não precisa nem deve transformar-se em algo que não é só numa tentativa ridícula de agradar.

 

Feira da Ladra

 

Agora existem coisas que recuso-me terminantemente a comprar na Feira da Ladra.

 

A primeira é qualquer produto de cosmética ou dessa família.

 

Quando vemos uma toalha com cinquenta pastas de dentes da Sensodyne, ou um cesto cheio de cremes da Eucerin, ou uma caixa repleta de palmilhas da Dr.Scholl a serem vendidas ao preço da uva mijona temos que ter algum sentido crítico.

 

A probabilidade de estarmos perante artigos roubados é mais do que muita, e apesar de que nada me faria mais feliz que comprar uma lima eléctrica para os pés por cinco euros quando o preço delas é normalmente de trinta, recuso-me a alimentar esta bola-de-neve.

 

Comprar artigos roubados estimula a que o crime continue a ser perpetuado, sendo que irão ser furtados mais produtos para serem vendidos na Feira e assim sucessivamente.

 

E algo em que devemos reflectir é se gostaríamos de ser os proprietários dos negócios a quem as coisas são retiradas?

 

Se eu fosse o dono da farmácia de onde gamaram uns vinte lubrificantes iria ficar extremamente chateado durante uma semana, porque cabe ao profissional de saúde fazer o correcto aconselhamento sobre as vagas de frio com sabor a chocolate ou os tilintares de calor que quase parecem urticária mais adequados para cada vagina e/ou pénis, e não ao simpático feirante de rua que diz de boca cheia que é tudo igual, o importante é que entre sem esforço!

 

Feira da Ladra

 

Outra coisa que nunca compraria na Feira da Ladra, a não ser que estivesse com uma descompensação neurológica bem grande, seriam brinquedos sexuais.

 

Quer dizer, se estivessem devidamente embalados e com o selo de segurança inviolado eu ainda pensaria duas vezes, mas estar a passear e encontrar um pequeno ajuntamento de dildos rigidamente abandonados à sua sorte no meio de uma toalha com ar de que já foram usados sabe-se lá por quem não me parece de todo apelativo.

 

Feira da Ladra

 

Eu sei que reutilizar é a palavra de ordem, e sei que os pobres dildos estão desejosos de se enfiarem num buraquinho (ou buracão) da vida de alguém, mas não.

 

Desculpem mas comprar algo que provavelmente já esteve num orifício alheio sem eu sequer ter tido o prazer de tomar um café com essa pessoa é algo que neste momento da minha vida ainda não me faz sentido.

 

Talvez daqui a uns anos a mentalidade seja diferente e passe a ser normal uma pessoa escolher dildos usados como quem selecciona courgettes na feira, tendo apenas de mergulhar o acessório numa garrafa de lixívia antes de o usar (e talvez fazer um enema de lixívia depois de o utilizar).

 

Mas por enquanto há certas coisas que estão a ser vendidas na Feira da Ladra das quais eu vou manter uma distância segura.

 

Feira da Ladra