Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Triptofano

O teu aminoácido essencial!

Ararate

20.12.18, Triptofano!

Ararate em 10 Segundos: Faça uma viagem com o Barco, atreva-se nas miudezas, evite salivar com a comida das mesas alheias e se quiser uma gata peça-a logo no início.

 

Ararate

 

Eu adoro miudezas!

 

Confesso que estive uns bons 15 minutos a pensar se deveria usar o termo miúdos e depois fazer uma piada em como vocês iam ligar para a polícia a denunciar-me como predador sexual mas achei que era de mau gosto.

 

Tão mau gosto como ir a um supermercado na Alemanha e pedir à empregada um Kinder Surpresa - é que em alemão Kinder significa crianças, por isso pedir crianças com uma surpresa é meio caminho andado para o segurança do estabelecimento vos fazer uma placagem e com sorte ainda recebem uma descarga de taser!

 

Eu sei que a maior parte das pessoas torce o nariz quando pensa em miudezas, e o simpatiquíssimo empregado do Ararate deve ter feito o mesmo quando fiz o pedido, já que me avisou que o sabor era assim para o forte, mas o meu amor por este tipo de comida é proporcional à minha devoção à Ana Malhoa. (já não falava da Ana há imenso tempo, aposto que achavam que estava doente!)

 

Mas já lá vamos.

 

Situado na Praça de Espanha, bem perto da Fundação Calouste Gulbenkian, o Ararate é o primeiro restaurante em Lisboa onde se podem encontrar os sabores da Arménia, primeira nação do mundo a adoptar o cristianismo como religião de Estado.

 

O restaurante é lindo, tanto de fora como visto por dentro, com todos os seus detalhes deliciosos, as pinturas nas paredes, os pormenores na casa-de-banho: simplesmente um regozijo para a vista.

 

Ararate

 

Eu e o Cara-Metade íamos com as expectativas altas já que as visitas que tínhamos feito ao restaurante georgiano correram de forma maravilhosa, e apesar da gastronomia não ser igual há alguns pontos de conexão entre os dois países.

 

O Ararate não desapontou e ainda conseguiu surpreender pela positiva.

 

A viagem gastronómica começou de barco, mas não foi preciso tomar nenhum comprimido para o enjoo, porque este barco é totalmente comestível.

 

O Khachapuri é uma receita tradicional da zona do Cáucaso que consiste num pastel em forma de barco recheado com queijo, onde no centro colocam uma gema de ovo que no momento em que é servida à mesa é misturada com perícia com o resto do recheio.

 

Esqueçam todo o glamour, o Khachapuri é para comer com as mãos e para no fim lamber os dedos de tão bom que é.

 

Com uma massa estaladiça e um queijo divinal, é sem dúvida a entrada que todos devem provar pelo menos uma vez!

 

Ararate - Khachapuri

 

Depois chegou a minha perdição, o Tjvjik (podiam ter arranjado um nome mais fácil...), um guisado de miúdos de cordeiro - fígado, coração, pulmões e rins - aos quais foram adicionados uma quantidade extra generosa de tomate e cebola, resultando numa verdadeira sinfonia para o palato.

 

É verdade que o sabor é forte e inconfundível e não é um prato para conquistar toda a gente, mas se como eu forem loucos por miudezas então tem mesmo que provar o Tjvjik.

 

Ararate - Tjvjik

 

Agora o problema é que apesar de ser servido com pão este não é de todo o suficiente para embeber a quantidade astronomicamente maravilhosa de molho que vem servida.

 

Claro que podem ir lá com o dedo, com a língua ou comer à colherada, mas porque não experimentar o Lavash, o pão típico da Arménia também conhecido como pão-folha?

 

Ararate - Lavash

 

Óptimo para embeber na molhanga, o Lavash faz lembrar visualmente o chapati indiano, só que consegue ser ainda mais fino e apresenta uma textura mais elástica.

 

Para acompanhar as entradas veio um jarro de limonada caseiro, com um sabor muito agradável, mas levem uma barra proteica convosco no bolso porque o jarro é pesado até dizer chega.

 

Isso ou uma palhinha gigante de forma a poderem dispensar o uso dos copos.

 

Ararate

 

Eu sei que não é muito bonito olhar para a comida das outras mesas, mas é algo que eu não consigo deixar de fazer, cuscar o que é que as outras pessoas vão comer.

 

E quando vi um Putuk lindo, maravilhoso, assim com um ar extraordinariamente bonito a passar por mim, estive quase para mudar o meu pedido.

 

O Putuk é uma sopa de grão de bico com lombo de borrego, que vem tapada por uma camada fina de pão onde está inscrito o nome do restaurante.

 

É indescritivelmente delicioso ver aquela camada de pão ser retirada e o vapor extraordinariamente aromatizado libertar-se no ar criando um tsunami de saliva na boca.

 

Neste momento eu já estava praticamente em cima das pessoas da mesa do lado, tendo de me controlar para não pegar numa colher e pedir para provar um bocadinho.

 

Ararate - Putuk

 

Apesar de ter ficado a sonhar com sopa, o prato principal que veio para a nossa mesa não ficou de todo atrás.

 

Uma espetada de vitelão para o Cara-Metade e uma de costeletas de borrego para mim, uma a acompanhar com batatas assadas e outra com salada, com lavash carregadinho de sucos da carne que o tornava ainda mais delicioso.

 

As espetadas vinham servidas no espeto todas lindas e maravilhosas, mas a empregada foi tão rápida a empratá-las que quando ia tirar uma foto já tinha passado a oportunidade.

 

A carne estava muito bem cozinhada e cheia de sabor, sendo que é obrigatório pegar nas costeletas com a mão e chupar cada pedacinho de osso, mesmo que já não haja mais nada para comer!

 

Ararate

 

Agora minha gente, se forem ao Ararate com a Gata em mente e forem jantar um pouco mais tarde o melhor é pedirem logo no início da refeição que vos reservem uma.

 

Não se assustem que comer felinos não faz parte da cultura gastronómica da Arménia (pelo menos que eu saiba...), a Gata é uma sobremesa típica do Cáucaso, que consiste em bolinhos de massa folhada com recheio de açúcar, manteiga e farinha. (uma bomba calórica!!!)

 

O problema é que demora uns bons 20 minutos a fazer e a cozinha no Ararate fecha às 22.30. (e não há cá contemplações, quatro minutos depois da hora a cozinha ficou completamente sem vivalma) 

 

Por isso se vocês estiverem a terminar a vossa refeição por volta das 22.15 e ainda não tiverem pedido a Gata vai-vos acontecer o mesmo que a mim, que é ficarem com um ar de desilusão estampado na cara...

 

Este foi o único ponto onde achei que o serviço do Ararate falhou.

 

Tendo em conta que há a noção da demora na confecção desta sobremesa e sendo ela uma das mais típicas e que suscita mais curiosidade, faria todo o sentido nem que fosse a meio da refeição questionar se alguém a iria querer pedir, de forma a ninguém ficar triste por não ter ferrado o dente na sobremesa felina.

 

Em substituição da Gata veio um bolo de mel que não desapontou.

 

Lindamente empratado, fresquinho, repleto de sabor, esta sobremesa à base de mel e creme de leite foi uma substituta à altura!

 

Ararate - Bolo de Mel

 

Se querem experimentar uma gastronomia diferente e gostam de ser arrojados nos sabores então o Ararate merece uma visita vossa.

 

Eu sei que vou voltar para provar a Gata e aquela sopa de grão que ainda hoje me dança na memória!

 

Ararate

 

Ararate Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato