Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Triptofano

O teu aminoácido essencial!

Jantar num Contentor

06.11.18, Triptofano!

Ontem tive o privilégio de ir jantar ao Okah, a convite da Zomato e da Nescafé, num divertidíssimo Foodie MeetUp.

 

O Okah situa-se no Cais da Rocha Conde de Óbidos em Alcântara, no rooftop do LACS, uma Communitivity of Creators, ou seja uma comunidade de criadores e comunicadores.

 

As primeiras duas coisas que ficam na memória de qualquer pessoa quando se chega ao Okah é a vista e os contentores.

 

Okah - Foodie Meetup Zomato Nescafé

Okah - Foodie Meetup Zomato Nescafé

 

A vista é deslumbrante e é essa mesma vista que abarca o Tejo que dá o mote a todo o espaço onde a refeição tem lugar. 

 

Contentores laranjas, decorados com temas de influência asiática, albergam mesas e cadeiras onde nos sentamos para nos perder entre sabores e numa viagem mental.

 

Para mim, a certa altura, olhando para os contentores ao meu redor, senti-me como se estivesse num comboio de carga a ver passar pessoas e países e culturas à velocidade de um olhar mesmo não saindo do lugar.

 

Sendo um jantar promovido em parte pela Nescafé, o menu, que sofreu algumas adaptações para a ocasião mas não se desvirtuando da sua essência, tinha várias referências a esse produto tão cobiçado: o café.

 

E obviamente que também houve muito café (delicioso) puro e duro por assim dizer: expresso, preparado em balão, um slow coffee chemex 100% arábica....a realidade é que em poucas horas acho que bebi mais cafeína que na última semana toda, o que me fez chegar a casa e ficar duas horas e meia a rebolar na cama com falta de sono (mas foi um pequeno preço a pagar por tamanha qualidade de café).

 

Okah - Foodie Meetup Zomato Nescafé

 

A companhia dos outros foodies foi muito engraçada, é giro ver pessoas que falam com a mesma paixão que nós sobre comida (mas tudo gente elegante, raio de pessoas com metabolismos acelerados), que não se importam quando nós demoramos 5 minutos a tirar a foto a um pedaço de pão porque elas fazem o mesmo.

 

Agora fique aqui esclarecido uma coisa, eu sou aquela pessoa que tira fotos com o telemóvel muito arcaicas, para conseguir uma foto não tremida já é uma dificuldade enorme, por isso não esperem ver-me equipado com uma daquelas máquinas fotográficas maiores que o meu antebraço ok?

 

Mas falemos da comida que isso é o mais importante.

 

Tudo começou com um Cocktail Nescafé Tonic, e sou sincero quando digo que não sou de todo apreciador de Gin.

 

Bebo, acho graça a mandar lá para dentro as baguinhas e raminhos e sei lá mais o que, mas não vivo por um Gin.

 

Só que este Cocktail Nescafé, com café Arábica do Brasil a deixar um toque de maracujá no final era qualquer coisa de outro mundo.

 

É que uma pessoa nem sentia o álcool o que obviamente torna esta bebida bastante perigosa se estivermos em público, porque quando dermos por ela podemos dar para nós a declamar poesia lírica de Bocage ou coisa que o valha.

 

Okah - Foodie Meetup Zomato Nescafé

 

Depois, como pré-entrada, um pão ázimo quentinho, onde se podia barrar ou um molho de pimentos picante, que só mostrava o seu verdadeiro potencial alguns segundos depois de estar em contacto com as nossas papilas gustativas, ou um molho de iogurte e pepino, óptimo para refrescar o palato de quem tivesse exagerado no molho de pimentos.

 

Okah - Foodie Meetup Zomato Nescafé

 

A entrada foi um Satay de fraldinha em molho de manteiga de  amendoim e cebolinho, com um toque de café do Vietname.

 

A carne estava incrivelmente tenra mas achei que o molho de manteiga de amendoim estava demasiado manteiga e pouco molho para o meu gosto, porque quando o coloquei na boca senti-o imediatamente a colar-se-me a ela, mais ou menos o mesmo que acontece quando enfiamos uma colherada de manteiga de amendoim directamente do frasco na boca, e ficamos ali a tentar descolar aquela massa.

 

Esta espetada podia ser comida de forma eloquente no prato ou, tal como eu fiz, à mão e à dentada (sou uma pessoa cheia de classe eu sei!!!).

 

Okah - Foodie Meetup Zomato Nescafé

 

O prato de peixe consistiu numa dourada grelhada, caldo de Dashi com molho tamarindo e um ar de café.

 

O ar de café é a coisa mais engraçada que existe, e por ser mesmo um ar e não uma espuma, se quiserem tirar uma foto tem de ser rápidos, se não quando derem por ela já desapareceu tudo. 

 

Colocar o ar na boca era quase como provar um pouco da espuma da rebentação do mar, só que em vez de salgado tinha um toque muito subtil de café.

 

A dourada estava divinal, e o caldo de Dashi, bem era tão bom, mas tão bom, que pedi uma colherzinha para não desperdiçar nem um pouco de tamanha delícia.

 

Okah - Foodie Meetup Zomato Nescafé

 

No prato de carne (e aqui eu já estava a rebolar com tanta comida) foi-nos servido uma presa de porco preto marinada com Kimchie com legumes grelhados e servida com molho típico base de café.

 

Fiquei agradavelmente surpreendido ao saber que além dos ingredientes típicos do Kimchie: a couve, a cenoura, a malagueta...também tinha sido usado uva, algo que não é frequente ver-se.

 

Foi um prato que não desiludiu, com a carne extremamente saborosa, os legumes apetitosos, enfim, nada a apontar.

 

Okah - Foodie Meetup Zomato Nescafé

 

A sobremesa, a sobremesa é que foi uma dor na minha alma.

 

Uma trufa de chocolate panada com wasabi com sorvete de maçã verde foi a proposta do Chef.

 

E digo já aqui, a sobremesa estava boa, a introdução em simultâneo da trufa e do sorvete na cavidade bucal era deliciosa, só que simplesmente não correspondeu às minhas expectativas.

 

O sorvete de maçã verde não tinha a acidez que se esperava dessa fruta.

 

Tive a oportunidade de comentar esse detalhe com o Chef ao qual ele amavelmente me respondeu que demasiada acidez poderia sobrepor-se a todos os outros sabores.

 

Eu posso perceber, mas se o meu cérebro está sintonizado para maçã verde eu estou à espera de saborear uma maçã verde.

 

A trufa de chocolate estava óptima, só que não consegui compreender qual foi o objectivo de utilizar o wasabi, porque estar lá ou não estar para mim era exactamente igual.

 

Mais uma vez, quando penso em wasabi vem-me logo à ideia um sabor forte, picante, capaz de nos dar um pequeno punch, e não foi isso que aconteceu de todo.

 

Okah - Foodie Meetup Zomato Nescafé

 

Se eu recomendaria irem ao Okah jantar num contentor?

 

Sem dúvida que sim.

 

Toda a inspiração asiática nos pratos que vos chegarem à mesa será mais que suficiente para um incrível aventura gastronómica, com ou sem o toque maravilhoso do café!

Okah - Foodie Meetup Zomato Nescafé

 

 

 

Okah Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

Código Promocional Taxify/Bolt

06.11.18, Triptofano!

Código Promocional Taxify/Bolt: 

R5SV5

Os meus outros códigos promocionais

Código Promocional Cabify

Código Promocional Uber

Código Promocional Zomato Gold

Código Promocional Hive

Ontem, pela primeira vez na minha vida, andei de Taxify.

 

Na realidade eu já tinha andado de Taxify, mas ontem foi a primeira vez que andei sozinho.

 

Nesta altura vocês estão a pensar que raio de interesse é que isso tem.

Hoje em dia toda a gente usa este tipo de plataformas para se deslocar de um lado para o outro, por isso não é assim uma grande novidade que eu estou a dar.

 

Só que para mim foi um grande passo.

 

Nunca tive instalado no telemóvel nenhuma destas aplicações de transportes porque sempre contei que alguém o fizesse por mim ou me desse boleia.

 

E por mais idiota que possa parecer eu tinha pânico de o fazer sozinho.

 

Muitas vezes, perante situações novas, completamente inócuas, eu paraliso, porque o meu cérebro começa a pensar em mil e uma coisas que podem correr mal, e a minha reacção final é não sair da zona de conforto.

 

É ficar onde estou, enrolado sobre mim mesmo, mesmo que uma vozinha no fundo da minha cabeça diga que estou a ser ridículo. Só que é mais forte que eu.

 

Ontem fui a um jantar por convite ao qual o Cara-Metade não pôde ir.

 

Como a localização ainda era longe de casa e fora da rota dos transportes públicos ele disse-me que sim senhor que me levava mas que para voltar tivesse eu muita paciência mas que tinha de me desenrascar que ele precisava de dormir.

 

É assim minha gente, o sono é mais importante que o amor, mas adiante.

 

Disse-me então para eu instalar o Taxify, ensinou-me rapidamente como é que se utilizava e deixou-me à mercê do meu destino.

 

Logo nesse momento comecei a pensar em tudo e mais alguma coisa.

 

E se ficasse sem bateria no telemóvel? E se o meu sinal GPS ficasse maluco e disse-se que eu estava a 2 kms de onde na realidade me encontrava? E se a pessoa que me viesse buscar afinal fosse um psicopata e quando desse por ela um dos meus rins estava à venda no Ebay?

 

Confesso que hiperventilei bastante, que suei quando pedi o Taxify, que quase chorei quando passados cinco minutos ainda recebia a informação que o meu motorista continuava a dez minutos de distância (só me passava pela cabeça que ele tinha decidido que afinal não lhe apetecia ir buscar-me e eu iria ficar eternamente ao frio e ao escuro, sozinho à espera de alguém que me levasse a casa).

 

Para quem não conhece a aplicação, quando escolhemos o nosso local de destino aparece o motorista mais próximo, a pontuação que os outros usuários lhe deram, e a marca e matrícula do carro.

 

Relativamente à marca acredito que seja uma informação útil para muita gente, mas eu sou aquela pessoa que se conseguir distinguir um Audi de um Mini já está com muita sorte, por isso era ver-me a olhar para todas as matrículas dos carros que passavam.

 

O meu motorista tinha 4.9 em 5 de pontuação, o que me deixou mais tranquilo, mas não pude evitar de pensar que passageiros mortos e deixados em valas a apodrecer não podem dar pontuações negativas.

 

Finalmente o meu Taxify chegou.

 

E obviamente que eu estava a ser parvo, paranóico, drama queen e tudo e tudo e tudo.

 

A viagem correu maravilhosamente bem, o motorista foi extremamente simpático tendo até perguntado se eu queria a password do wi-fi dele (apesar de eu ser um millennial acho que nunca me vou habituar a estes "avanços tecnológicos"- desde quando é que se entra em carro alheio e há rede de wi-fi?) e passámos grande parte do caminho a falar de inteligência artificial, da indústria farmacêutica, do filme do Fiel Jardineiro, entre outras coisas.

 

Por isso só posso aconselhar que quando precisarem usem o serviço da Taxify, pelo menos eu fiquei extremamente satisfeito.

 

Agora o que eu não sabia é que eles também possuem códigos promocionais.

 

Por isso se usarem o meu código promocional 

 

R5SV5

 

quando fizerem a vossa viagem, no fim vocês ganham um voucher de 11 euros para descontar na próxima viagem e eu ganho um voucher de 11 euros também. (Actualização: Infelizmente os 11 euros passaram a 6 euros que entretanto passaram a 3. Talvez com o tempo em vez de três euros se ganhe uma pastilha Gorila...)

 

É uma win-win situation para todos!