Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Triptofano

O teu aminoácido essencial!

Santorini - Um restaurante Grego em Terras Lisboetas

16.08.18, Triptofano!

Nos meus tempos de universidade tive a possibilidade de ir fazer a minha tese de mestrado em regime Erasmus, o que me permitiu fazer as malas e passar três meses num país estrangeiro.

 

O meu destino foi a Grécia e confesso que em parte a escolha foi devida ao sucesso colossal que o Mamma Mia tinha tido recentemente.

 

Imaginava-me livre e contente a dar saltinhos montes abaixo enquanto cantava a plenos pulmões o Dancing Queen e a viver um tórrido romance de verão.

 

A realidade mostrou-se ligeiramente diferente, visto que havia montes mas da minha parte não saiu nenhuma cantoria mas sim litros de suor e muitas palavras censuradas, e o mais perto que tive de viver um romance de verão foi uma série de encontros com um moço que tinha uma mão de manequim exposta na entrada de casa e que me fez temer pela minha vida.

 

Porém, apesar das minhas expectativas de fazer parte de um musical da vida real terem sido defraudadas, a vida na Grécia trouxe-me coisas maravilhosas, entre elas a comida.

E por ter comido tão bem por terras helénicas é que quando voltei a Portugal me recusei a procurar restaurantes gregos, porque algo me dizia que ia ficar desiludido.

 

Tamanha abstinência durou quase 10 anos, até que decidi enfrentar os meus medos e visitar o Santorini Coffee em Arroios.

 

Quando se entra percebe-se que o nome do espaço não podia ser mais apropriado, a decoração em azul e branco faz lembrar a ilha de Santorini, e para criar um ambiente mais envolvente a música de fundo é grega! (pelo menos eu ia jurar que era grega, mas o barulho das mesas ao lado não me permitiu tiras as dúvidas utilizando o shazam)

 

Para entradas pedimos umas azeitonas Kalamata (que se distinguem pela seu tamanho, cor negra e textura suave) temperadas na perfeição, uns deliciosos pastéis de arroz enrolados em folha de videira chamados Dolmadakia e o ponto alto da nossa refeição, um Feta Tiganiti, que é nada mais nada menos que uma fatia de Feta panada com ovo e sementes de sésamo, frita, e com uma cobertura de mel. 

 

Uma dica de amigo, se pedirem esta pequena maravilha, no fim, não tenham vergonhas e passem o dedo pelo prato para lamberem o mel que lá fica. É simplesmente de outro mundo.

 

Os pratos principais que vieram para a mesa foram a Moussaka grega, muito bem feita e repleta de sabor, e um prato de Gyros à moda de Creta, que é uma versão ligeiramente diferente daquela que se encontra por exemplo em Atenas mas que não lhe fica nada atrás. No Gyros o pão pita estava crocante, indiciando frescura, e a carne tinha todos os temperos certos!

 

Para terminar a refeição veio para a mesa um Galaktoboureko para partilhar, uma sobremesa que nos deixa a língua toda enrolada só de tentarmos pronunciar o seu nome, que é basicamente uma torta de leite com massa folhada, mas com um custard tão espesso que se torna complicado comê-la sozinha, já que não é uma sobremesa leve mas sim densa e pesada (mas muito saborosa!).

 

Além da comida deliciosa que se encontra no pequeno Santorini Coffee (recomendo reservarem uma mesa para terem a certeza que encontram lugar) também o atendimento merece destaque.

Simpático, rápido, prestável, eficiente, verdadeiramente de se lhe tirar o chapéu.

 

Nem o quadro eléctrico a disparar um par de vezes, ou os pingos do ar condicionado ou o ligeiro cheiro a fritos que nos ficou na roupa no fim da refeição foram suficientes para ficarmos com má impressão do local.

 

A comida e o atendimento são tão bons que tudo o resto se perdoa. É realmente o efeito Hallo no seu potencial máximo!

 

 

Santorini Coffee

Santorini Coffee

Santorini Coffee

Santorini Coffee

Santorini Coffee

Santorini Coffee

Santorini Coffee

 

 

 

Santorini Coffee Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

A Casa das Flores

15.08.18, Triptofano!

Atenção: Light Spoilers

 

  • Infidelidade
  • Vidas Duplas
  • Relações inter-raciais
  • Relações com grandes diferenças de idade
  • Homossexualidade/Bissexualidade
  • Transexualidade/Transgenderismo
  • Vídeos Sexuais Caseiros
  • Testes de Paternidade
  • Tráfico de drogas
  • Casas Espantosas
  • Rabiosques Jeitosos
  • Quantidades Colossais de Flores

 

Estão à procura de uma série com um enredo digno de uma telenovela mexicana com a leveza de um fantástico humor negro para fazerem uma maratona de 7 horas à frente do televisor com pausas milimetricamente cronometradas para irem à casa-de-banho e para abrirem à porta ao senhor da pizza?

 

Ficaram interessados em pelo menos um terço dos tópicos apresentados no inicio deste post?

 

Então coloquem gotas hidratantes nos vossos olhos para prevenirem a secura extrema, untem a zona do vosso cóccix com uma camada de creme extra para evitarem uma escara de pressão, desliguem o telefone para não haver o risco de um vosso familiar vos ligar choroso a contar que descobriu que tinha um fungo na virilha e ponham-se a ver A Casa das Flores.

 

Numa tarde fazem como eu e despacham a série toda.

 

E chegam ao fim a pensar como é que tamanha reviravolta aconteceu e deprimem porque não sabem quando é que a segunda season vai ver a luz do dia.

 

E secretamente odeiam todos aqueles que são gays e solteiros porque podem ter uma chance de dar uma lamparina ao Julián e ficarem com o coração do Diego...

 

A Casa das Flores

 

Obrigado Insensato por teres-me dado a dica desta magnífica série! :)

 

 

 

 

Alguém me diga se sou eu que estou a ouvir mal!

14.08.18, Triptofano!

Eu sei que não sou a melhor pessoa do mundo para perceber as letras das canções, basta saberem que durante mais de uma década pensei que a Ana Malhoa cantava e fui jantar com o I, quando na verdade era inteligente é com o I, mas também não considero que o meu canal auditivo esteja assim tão danificado.

 

Nos últimos tempos ando sempre a trautear uma canção da Demi Lovato, e por alguma razão fui encontrar no Youtube um vídeo com a letra da música.

 

Começo a ver muito animado, a fazer um lip sync ao mesmo tempo, e quando chega ao refrão descubro que andei a cantá-lo mal este tempo todo. 

 

E fico sem perceber, sou eu que estou a ouvir mal ou são as pessoas que possuem uma dicção muito pouco clara?

 

Para ter a certeza que não estou doido ia-vos pedir um favor. Vejam o vídeo a seguir, coloquem no minuto 0.45, e a partir daí ouçam.

 

Depois deixem nos comentários o que é que ouviram que completa o seguinte refrão:

 

"I wanna f-woop, woop woop, but I'm broken hearted
(?)_____(?) but I like to party
T-t-touch but I got nobody
Here on my own"

 

 

Mães

13.08.18, Triptofano!

Adoro a minha mãe, ela é uma querida e sei que sempre que preciso ela está lá para me apoiar, mas às vezes acho que ela tenta propositadamente enlouquecer-me.

 

Uma das minhas muitas manias, e que a minha mãe tem conhecimento, é odiar rasgar sacos de plástico para os abrir mais rapidamente.

 

Se eles estão atados com um nó eu vou-me munir de toda a paciência para o desatar de forma a poder reutilizar novamente o saco.

 

Ora a minha mãe quando me envia almoço para segunda-feira (que basicamente são os restos do almoço de família de domingo) vem tudo muito bem acondicionado, na realidade demasiadamente bem acondicionado, porque ela consegue fazer um nó duplo que me tira do sério.

 

É que da minha hora de almoço 15 minutos são passados comigo a usar as unhas, os dentes, um garfo, tudo o que conseguir ajudar-me a retirar o raio do demónio do nó!

 

Já houve uma ou duas vezes que tive de desistir porque de outra forma não almoçava, mas normalmente saio vitorioso!

 

Perdi a conta às vezes que disse à minha mãe para não fazer nós tão fortes mas ela não me liga nenhuma, acho que ainda faz pior!

 

Se em vez de me ter colocado na ginástica ela me tivesse inscrito nos escoteiros já não tinha este problema na idade adulta!!!

 

E por aí, há mais alguém a sofrer este martírio?

 

 

Burrata - Pizzaria Artesanal

13.08.18, Triptofano!

Preparem-se para uma revelação chocante!!!! - Eu sou uma daquelas pessoas que gosta de fruta na pizza.

Sim, eu gosto de fruta na pizza e não tenho vergonha em admitir. Podem-me vir dizer que tal coisa não existe em Itália mas pelo menos é mais saudável do que comer pizza com massa ou batatas fritas em cima, algo bastante típico dos nossos colegas europeus.

Por isso quando fui à Burrata - Pizzaria Artesanal, apenas a dois passos de distância de minha casa em Benfica, os meus olhos brilharam quando vi a Bananarana, uma pizza com chourição e banana.

O único impedimento para me enfardar com tal delícia era o Cara-metade, que já sabia que me ia fulminar com o olhar até me atingir o tutano.

A Burrata é uma pequena pizzaria em Benfica, aconchegante e que transmite boas energias logo à chegada, ficando facilmente cheia (aposto que vem tudo por causa da Bananarana), cujo menu é simples e nos é entregue em mão ou se formos um bocadinho míopes (como eu) podemos vê-lo em grande escala desenhado na parede.

Para entrada pedimos uns croquetes de mozzarela. Sinceramente questiono-me porque é que não há como entrada uma burrata regada com azeite e rodeada de tomate cherry no menu - sempre tinha mais história para contar ao nosso paladar dos que os croquetes, que apesar de estarem OK não eram memoráveis!

Quanto às pizzas, depois de perceber que não valia a pena ter de ouvir o cara-metade durante hora e meia a dissertar sobre como fruta na pizza é um pecado, decidi pedir o "prato da casa", a pizza La Burrata. O cara-metade seguiu o meu exemplo mas adicionou um extra de gorgonzola.

A La Burrata é uma dádiva para os amantes da pizza romana, por isso quem vier a este espaço à procura de uma pizza com massa alta e fofa desengane-se.

O que vai encontrar é uma pizza cheia de personalidade com os cantos aparados para que caiba no prato, com uma massa fina deliciosamente crocante (é por causa destas características que também responde  pelo nome de scrocchiarella), uma burrata muito gulosa, um molho de tomate ligeiramente mais doce do que é corriqueiro se encontrar, umas lascas de presunto di parma de fazer perder a cabeça e rúcula-tira-culpas-afinal-isto-é-saudável-mesmo-sem-a-banana no topo a fechar bem o conjunto!

O atendimento foi simpático e rápido, apesar de ligeiramente atabalhoado, talvez também devido às dimensões do espaço.

A Burrata é certamente um sítio que merece uma segunda visita, nem que seja sozinho e de óculos escuros para comer a Bananarana sem ter ninguém a julgar-me!

 

Burrata - Pizzaria Artesanal

Burrata - Pizzaria Artesanal

Burrata - Pizzaria Artesanal

Burrata - Pizzaria Artesanal

Burrata - Pizzaria Artesanal

 

 

Burrata - Pizzaria Artesanal Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

Lierac - Hydragenist Máscara SOS

12.08.18, Triptofano!

Uma das coisas que gosto de estar atento no blog é aos Termos de Pesquisa, ou seja, o que é que as pessoas procuraram para acabarem aqui neste cantinho.

 

Ontem, curiosamente, alguém pesquisou por "mascara sos lierac pode ser usada como creme noite", e sei que infelizmente não obteve a resposta que pretendia aqui no blog porque apesar de já ter falado sobre produtos da Lierac, nunca me referi a este detalhadamente.

 

Assim resolvi fazer um pequeno post para que se a pessoa mistério voltar a colocar a mesma questão aos deuses da Internet já encontre uma resposta mais satisfatória!

 

Que máscara SOS é esta e qual é o seu objectivo? 

 

Hydragenist Máscara SOS Lierac

 

A máscara SOS da gama Hydragenist é hidratante, oxigenante e preenchedora, sendo concentrada no complexo Hydra O2 e enriquecida em óleo de camélia. A sua fragrância é devida às notas de água de rosa, jasmim e gardénia e a sua textura bálsamo-gel providencia uma experiência extremamente sensorial, como já de resto a Lierac nos habituou.

 

Se pode ser usada como creme de noite?

Sim e Não.

 

Sim, porque na realidade esta máscara foi concebida para ser utilizada à noite.

Aplicando uma camada fina em todo o rosto, evitando o contorno dos olhos, pode-se deixar actuar durante 5 a 10 minutos e depois retirar o excesso com um disco de algodão ou, deixar a pele bebê-la durante toda a noite enquanto se dorme para acordar com um aspecto rejuvenescido.

 

Não, porque esta máscara deve-se usar uma a duas vezes por semana, dependendo do nível de hidratação da pele e das exigências por quais ela passa.

Claro que quem quiser pode passar a usar todas as noites, mas não acho que seja o mais correcto. Se a pele estiver extremamente seca ao final de todos os dias deve-se repensar qual o creme que se está a utilizar e se há a necessidade de adicionar um sérum que aumente os níveis de hidratação da pele.

A máscara SOS, como o nome indica, foi idealizada para um cuidado pontual, mas não é que a pele nos vá cair ou fique habituada se for usada todas as noites, simplesmente está-se a perder a oportunidade de utilizar alternadamente um cuidado anti-idade mais regenerador!

 

Algo que acho interessante relativamente a este assunto é ter imensos clientes que juram a pés juntos que possuem pele seca, e toca de enfiar tudo o que é gordura em cima da pele.

 

Mas há uma diferença entre pele seca e pele desidratada, porque mesmo uma pele oleosa na zona T necessita de água, por isso é normal haver excesso de brilho junto com uma sensação de repuxamento e desconforto cutâneo.

 

Nestes casos a palavra de ordem é hidratar, hidratar, hidratar!

 

E por favor, não lavem o rosto com água da torneira e sabão azul e branco. O pH não é o apropriado, as substâncias são mais agressivas e no fim vão ter uma pele mais sensibilizada e desidratada.

 

O preferível é sempre investir na qualidade - a vossa pele agradece!

 

 

O Monstro e a Corda!

10.08.18, Triptofano!

Tenho uma amiga muita querida que apesar de longe geograficamente está bem perto do meu coração.

 

Durante este último ano tenho assistido cheio de orgulho à evolução que ela tem tido relativamente a sentir-se bem consigo própria e a conhecer-se melhor e a perceber as suas atitudes.

Muitas vezes ansiamos conhecer outra pessoa quando na realidade devíamos tomar o tempo para nos compreendermos a fundo.

 

Hoje, em mais uma das nossas conversas telefónicas que tanto prezo, ela contou-me uma história que leu num artigo, história esta que tinha uma mensagem tão forte que não resisti a reproduzir aqui, por palavras minhas, sem ter a intenção de plagiar ninguém.

 

A história é sobre um monstro e uma corda.

 

Imaginem que estão num bar, muito descontraídos, a beber a vossa imperial ou um cocktail cheio de frutas e chapéuzinhos coloridos quando são desafiados para um jogo.

 

A primeira impressão é que quem vos desafia é uma pessoa mesmo muito feia, mas um olhar mais atento revela que é mesmo um monstro, daqueles com ar de quem vos come os dedos dos pés só porque não gosta do cheiro deles.

 

Numa situação normal vocês iriam por-se a milhas num nano-segundo, mas talvez com o alento do álcool decidem que sim, vão competir contra o monstro.

 

O jogo que ele vos propõe é o conhecido jogo da corda, cada um pega numa ponta e puxa, sendo que quem pisar primeiro uma linha situada no meio de ambos perde o desafio.

 

Antes de começarem a puxar, o árbitro da competição informa-vos das capacidades um do outro.

Nesse instante descobrem que o monstro é mais forte, mais rápido, têm mais energia e mais resistência do que vocês - algo que não vos devia surpreender já que ele é um monstro.

 

Mesmo assim decidem jogar!

 

Agarram a vossa ponta da corda e com toda a força puxam.

 

O monstro mexe-se um pouco, e na vossa cabeça entoa uma música de vitória.

Só que o sacana riposta e puxa com ainda mais força, levando-vos quase a pisar o risco, que incrivelmente deixou de ser um risco e passou a ser um abismo cujo fundo não se consegue sequer ver.

 

Apavorados, vão buscar forças que nem sabiam que existiam, e puxam loucamente, conseguindo fugir da queda mais que certa.

 

Só que o monstro continua a ser mais forte e mais resistente que vocês. Dá outro puxão e novamente ficam quase à beira de caírem no abismo.

 

O que é que fariam neste momento?

 

Se estivessem a competir contra o monstro qual era o vosso próximo passo?

 

 

O Monstro e a Corda

 

 

 

Largar a corda.

 

Largar a corda seria a atitude mais correcta. E tal como deveriam largar a corda nesta luta desigual contra o monstro também todos nós a deveríamos largar em certas situações da nossa vida.

 

Há coisas que não podem ser mudadas, e que por mais que lutemos contra elas simplesmente vão-nos sugar toda a nossa energia até nos derrotarem. 

 

Nessas situações, temos que ser sábios o suficiente para perceber que a atitude que melhor preserva o nosso Eu é virar costas e seguir outro caminho.

 

E não, não se trata de fugir. Não se trata de cobardia.

 

É simplesmente perceber que não podemos sair vitoriosos de todas as batalhas, mas que temos na nossa mão o poder de decidir se queremos continuar a gastar cartuchos ou preferimos empenhar as nossas energias noutra missão.

 

Por este mundo fora vai haver sempre muitos monstros a segurar muitas cordas, mas nós só agarramos na outra ponta se assim o entendermos.

4 Anos

09.08.18, Triptofano!

Sabem aquela sensação de já conhecerem tão bem uma pessoa que parece que estão juntos há uma década mas ao mesmo tempo continuam a surpreender-se com tanta coisa que é como se não tivessem passado mais que um par de meses?

 

É assim que eu me sinto com o cara-metade - mesmo que hoje façam 4 anos que nos conhecemos continuo a sentir-me a flutuar numa dicotomia temporal, onde não consigo precisar ao certo há quanto tempo as nossas almas se conhecem.

 

Sou um homem feliz por o ter na minha vida e espero que ele também seja feliz por eu estar na dele.

 

Não peço mais 4 anos, peço simplesmente os anos em que continuemos a fazer a diferença na vida um do outro!

 

O bolo que o cara-metade decorou para mim! :)

 

 

Coração de Pai Sofre

07.08.18, Triptofano!

Ser pai é chegar a casa cansado de um dia de trabalho e descobrir que algo de errado se passa.

 

É olhar para uma das crias e perceber que tem uma mordidela do tamanho do mundo ao pé da boca.

 

É fazer uma avaliação rápida, um telefonema angustiado e por-se a caminho de Almada para a pequena ser suturada.

 

Ser pai é respirar de alívio quando nos asseguram que não é nada de preocupante, mas ficar com o coração nas mãos ao descobrir que vai haver uma anestesia, fraquinha, mas não deixa de ser anestesia.

 

É respirar novamente de alívio quando temos aquele pequeno ser de novo nos nossos braços, assustado, sem perceber muito bem o que lhe aconteceu.

 

É esquecermos fome, sono, compromissos, para percebermos que há prioridades na vida, e quem precisa de nós deve vir sempre em primeiro lugar.

 

Ser pai é voltar a casa e questionar sobre qual é que será a próxima aventura? - mas apesar de todos os contra-tempos e rombos financeiros vale tanto a pena investir na paternidade!

 

O meu muito obrigado à VetExóticos em geral e à Dra. Ana em particular por me apoiarem e ajudarem nesta viagem que é ser pai de três porquinhas-da-índia muito traquinas.

 

Agora é só esperar que a Priscila recupere rapidamente e que os pontos não se lembrem de infectar!

 

VetExóticos - Priscila