Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Triptofano

O teu aminoácido essencial!

Safarka - O Laboratório

17.06.18, Triptofano!

Já que esta semana é a Escape Game Week foi aproveitar para fazer o máximo de Escape Games que o tempo e a carteira permitiram.

 

Desta vez, além do cara-metade, juntaram-se a mim três colegas do trabalho!

 

Safarka - O Laboratório, é um Escape Game diferente dos habituais. Primeiro, no dia anterior começamos por receber um contacto por e-mail a contar a história e a dar-nos mais detalhes da nossa missão. O nosso objectivo, intrépidos aventureiros, é de entrarmos em laboratório alheio e deitar-mos a mão a 5 pedras preciosas.

 

Aqui vê-se o quão simpático é o povo português, basta recebermos uma mensagem de um desconhecido que estamos logo prontos a invadir propriedade alheia e a cometer um roubo simplesmente porque uma pessoa que nunca vimos mais gorda nos pediu. Mas pronto, tuga que é tuga quer agradar.

 

No e-mail informam-nos que seremos contactados por mensagem de telemóvel no dia da aventura, e essa é uma forma muito inteligente de nos fazer entrar no clima do jogo, já que eu fiquei todo o santo dia a verificar se tinha recebido alguma coisa no telemóvel e assegurei-me que tinha bateria suficiente não fosse o diabo tecê-las.

 

Ao contrário de outros Escapes, onde temos sempre alguém que nos recebe e dá indicações, aqui todas as informações foram obtidas por mensagem, e não havia ninguém fisicamente para nos esclarecer. Estávamos por nossa conta e risco, o que ainda aumentou mais a adrenalina do momento.

 

A grande diferença de Safarka - O Laboratório, é que não vamos estar sozinhos o tempo todo. A certa altura existe interacção com outra personagem, e é essa interacção que é determinante para o desenrolar da história. É importante além de ser rápido perceber que o mundo que nos rodeia não é apenas cenário, mas sim uma peça determinante para o nosso sucesso.

 

Todos conseguem sair, ou seja, neste Escape não há perigo de ficar trancado para sempre dentro de um buraco húmido com vermes rastejantes. O objectivo é conseguir reunir as cinco pedras preciosas antes que a hora finde. Nós reunimos 4, e estávamos assim perto perto perto de ter a quinta, foi mesmo morrer na praia!

 

Considerações finais sobre este Escape

  • Por mais que diga que vou entrar calmo e sem stress e dialogar com os meus colegas de forma clara não dá. Mal coloco o pé dentro do Escape começa a subir por mim acima assim um formigueiro que fico tresloucado e é ver-me a tirar gavetas e a falar por cima de toda a gente.
  • Em termos de dificuldade de pensamento este foi aquele que eu achei mais complicado até agora. Honestamente senti que estava na faculdade a fazer um exame para o qual não tinha estudado e não tinha sequer ninguém para copiar
  • A interacção com a personagem externa é um dos pontos fortes de Safarka - O Laboratório. Os meus parabéns ao actor que realizou um trabalho espectacular e tornou o Escape memorável.
  • Há em mim uma falta de noção de perigo assustadora. Desta vez estive quase para beber um composto químico só porque achava que era o mais correcto - qualquer dia ainda bato a bota num destes jogos.
  • Sou garganeiro (mas isso já eu suspeitava)! Em certa altura há que fazer uma escolha e claro que eu pensei foi no meu umbigo. O Prémio Nobel da Paz de certeza que não vai ser para mim.

Se gostam de uma boa história, se são adeptos do pensamento disruptivo e se querem por à prova as vossas capacidades neuronais, então este é o Escape Game para vocês. Podem ficar um bocadinho frustrados a meio, como eu fiquei, mas nessa altura lembrem-se de parar, respirar, e encontrar respostas no que está perto de vocês! Garanto-vos que essa é a receita para o sucesso.

 

Safarka - O Laboratório