Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Triptofano

O teu aminoácido essencial!

A playlist do meu casamento #2

02.10.17, Triptofano!

Tenho que confessar que nunca pensei que houvesse uma adesão tão grande por parte da blogesfera à ideia do meu futuro casamento!

 

Claro que muito provavelmente muito do entusiasmo deve-se à possibilidade de haver comida grátis bem como existir a hipótese da cantante de renome internacional, pioneira do estilo tropical urbano, Ana Malhoa, aparecer lá na festa e tornar o dia assim inesquecível.

 

Como uma amiga minha diz, quem quer festa sua-lhe a testa, e eu já ando a pensar nos detalhes, mais concretamente qual a canção que irá tocar quando eu, todo vestido de branco pérola caminhar tremulamente em direcção ao senhor do registo civil, que por agora casamento na igreja ainda não pode ser!

 

Depois de muito pensar, surpreendentemente a resposta veio do cara metade. Ao que parece, há uns anos atrás, uma amiga de infância dele casou-se e a música que ela escolheu para fazer a última caminhada enquanto solteira foi esta.

 

 

 

 

Agora expliquem-me, qual foi a ideia da moça para escolher uma música destas enquanto se caminha em direcção ao futuro marido?

 

Será que ela estava a mandar uma mensagem muito pouco subliminar ao ex-namorado à espera que ele interrompesse o casamento e revelasse que afinal ainda a amava?

 

Teria ela previsto o futuro e basicamente estava já a dizer ao senhor com quem se ia casar que quando ele a largasse ela iria encontrar outra pessoa como ele? - o que poderia não ser assim a coisa mais esperta a fazer porque poderia novamente acabar divorciada!

 

Estaria a fazer com que as recalcadas morressem de desidratação ao chorarem copiosamente por pensarem em como estavam tragicamente solteiras e ninguém as queria enquanto ela se ia casar? 

 

Ou mais rebuscado ainda, teria ela roubado o wannabe marido a alguma das amigas que estava ali no casamento e a música era o golpe final?

 

I heard that you're settled down
That you found a girl and you're married now.

 

Talvez fosse ela a rapariga com quem o homem se ia casar, e a amiga a moça que cantava tristemente à procura de outro alguém!

 

Partilhei todas estas minhas teorias com o cara metade ao que ele me responde que na realidade a moça simplesmente gostava da música, e como não sabia inglês não tinha percebido a profundidade da letra. Apenas isso.

 

Porém tal acontecimento deu-me a coragem suficiente para quebrar barreiras, para fugir aos estereótipos, por isso apresento-vos a canção que me irá acompanhar na minha caminhada em direcção ao homem da minha vida. E sim, a música é em português para ninguém pensar que eu não entendi a letra!

 

 

 

 

Fui Votar mas...

01.10.17, Triptofano!

...fiquei confuso.

 

Porque no fim de tudo não sei se dei o meu voto a quem mais o merecia. Ou se na realidade existe alguém que merece mais o voto de uma pessoa.

 

A meu ver quando fizéssemos 18 anos deveria ser obrigatório frequentar uma palestra sobre a importância do voto. E que nos ensinassem também a reconhecer um bom candidato onde depositar o mesmo. E sem querer abusar, que de quatro em quatro anos houvesse um refresh de conhecimentos, que o português possui uma memória curta e/ou selectiva, basta ver os resultados em Oeiras.

 

Saber em quem votar no meu caso ainda é mais complicado visto que vivo em Lisboa mas estou recenseado em Sintra, onde actualmente trabalho. E o que eu sei é que por aquelas bandas nas últimas semanas antes das eleições taparam-se buracos das estradas, arranjaram-se uns jardins, embelezou-se uma rotunda! Talvez tenha-se descoberto um dinheirito extra e nada melhor que fazer umas obras para alimentar a alma dos eleitores.

 

Mas e quanto às promessas feitas à 4 anos atrás? Terão sido cumpridas? Quem esteve no poder fez um bom trabalho? Sinto a falta de um site independente (se ainda existe tal coisa) que mostre assim um antes e um depois, ou melhor, o que foi prometido e o que realmente se fez! 

 

Durante os últimos dias recebi muitos panfletos a apelar ao voto, alguns a partidos que nem sabia que existiam. Como teoricamente não devemos votar apenas porque gostamos da cara da pessoa que nos sorri impressa no panfleto, e como estes possuem alguma informação mas não muita, fui procurar os manifestos de cada partido.

 

Alguns foram fáceis de encontrar, outros foi necessário uma busca exaustiva no Google, mas no fim consegui ainda ficar mais confuso. 

 

Porque todos os partidos prometem coisas extraordinárias. Todos garantem que a região vai ficar assim a atirar para o fantástico.

É verdade que alguns são muito generalistas - combater a exclusão, a desigualdade e o desemprego é muito bonito de se dizer, mas e medidas concretas não há?

Outros querem baixar o preço da água, parar o crescimento do betão, colocar toda a gente a andar de bicicleta para tonifcar as pernas; e eu pergunto-me, será que é só nestas autárquicas que todos os partidos estão hiper motivados a fazer o melhor por cada centímetro quadrado de onde foram eleitos?

É que se tivessem sido assim nos anos passados não havia razões para as coisas estarem como estão, nem muito más mas também nem grande coisa.

 

Hoje fui votar, porque o voto é um direito mas também é um dever. Não é só andar aí a reclamar e depois tirar o cu de casa não muito obrigado. Mas quando cheguei à minha mesa de voto recebi a estocada final.

 

Três boletins de voto, um de cada cor, cor branca para a assembleia de freguesia, amarela para a assembleia municipal e verde para a câmara municipal.

Fico na dúvida. Voto no mesmo partido para as três? Escolho um diferente para cada um dos boletins para distribuir alegria por mais pessoas? Voto em branco ou coloco uma cruzinha em todos os quadradinhos para não ferir sentimentos? Na realidade nem tenho bem a certeza se compreendo a que é que se refere cada boletim - antes de chegar dei mais uma vista de olhos à explicação na Internet mas fiquei na mesma.

 

Votei.

Fiquei orgulhoso por ter exercido o meu direito a tal. Mas acho que muita gente como eu fica um bocado confusa com o processo...

Pág. 3/3