Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Triptofano

Como ser 20% mais feliz?

04
Ago17

O que ando a ver #1


Este post estava há imenso tempo para sair mas por razões que a própria razão desconhece estava sempre a adiar a sua publicação. Vou então falar sobre o que tenho visto na televisão/netflix nestas últimas duas semanas.

 

 

to the bone.jpg

To The Bone

 

Toda a gente andava a falar acerca deste filme e eu tive que ver. E só posso dizer que é brilhante. To the bone relata a história de uma jovem com anorexia que depois de falhar vários tratamentos é encaminhada para uma casa de reabilitação muito sui generis onde vivem outros jovens com distúrbios alimentares.

 

O filme retrata a relação de amor ódio com a comida mas a mensagem é transversal para qualquer outra dependencia. Às vezes por mais que nos tentem ajudar temos de bater no fundo do poço para perceber o quão danosos estamos a ser com nós próprios. E a partir dai a recuperação começa a ser possível.

Se apenas puderem ver um filme esta semana vejam este.

 

 

maxresdefault.jpg

Cozinha com Twist

 

Como eu adorava a Filipa Gomes e como eu estava ansioso por ver o novo programa dela. Escrevo no passado porque infelizmente para mim o Cozinha com Twist foi uma desilusão. Não consigo explicar mas a Filipa perdeu algum do seu encanto, parece que está menos natural e mais forçada ( e as cenas cortadas no fim do programa que às vezes a mostram de trombas não ajudam para a causa). O genérico do programa é óptimo mas o resto do mesmo fraquinho, muito fraquinho na minha opinião. E cozinhar com Twist porque razão? Primeiro não vejo nenhuma reviravolta digna de abrir a boca de espanto nas receitas, segundo se é um trocadilho por causa do estilo de dança Twist então gostaria de ver a Filipa a dar mais uns rodopios não?

 

E agora por favor alguém me diga que não estou louco. No primeiro episódio na última receita a Filipa fez granola. E no fim juntou à granola iogurte grego, morangos e amoras com o pauzinho!!! E depois misturou tudo!?! Mas é normal enfiar as amoras com o pau quando fazemos um pequeno-almoço? É para ser uma espécie de fava de bolo-rei do horário da manhã? Mas aqui quem encontrar a fava corre o risco de se engasgar com aquele pau espetado no garganta!

 

 

p12605717_b_v8_ac.jpg

 

You Me Her

 

Esta série já estava há tempo demais a acenar-me no ecrã das sugestões do Netflix por isso fiz uma maratona de dia e meio e vi as duas seasons assim num fôlego.

You Me Her retrata a história de um casal que se apaixona por uma acompanhante, acompanhante esta que também se apaixona pelo casal.

Antes de mais fico sempre a pensar porque raio é que nunca vi nenhuma série (se alguém conhecer diga-me por favor) onde um casal heterossexual se apaixone por um homem. Parece que é sempre mais fácil ou aceitável retratar o genero feminimo como sexualmente fluido, enquanto que o homem está sempre preso à sua condição de puro heterossexual deliciado a ver duas jeitosas na sua cama.

A primeira season da série é bastante boa e envolvente mas a segunda parece que já estamos a mastigar um pedaço de bife menos fresco, mastigamos mastigamos mas parece que fica difícil de engolir. Não entro em mais detalhes para não estar a condicionar quem possa ainda não ter visto.

No entanto You Me Her transmite uma mensagem poderosa acerca do medo e como nós vivemos (ou deixamos de viver) em função dele. Medo do que os outros possam pensar. Medo de como as nossas escolhas podem afectar a nossa vida. Medo que o amor nos destrua. Ou que a ausência dele nos deixe incompletos.

Vale a pena ver, nem que seja apenas a primeira season.

 

 

11133722_548822455260259_4675269669959522221_n1.jp

Skin Wars

 

Quando preciso de desanuviar a cabeça escolho um programa onde haja pessoas a competir entre si. Também no Netflix encontrei o Skin Wars e vi a segunda season (foi um instinto ver a segunda em vez da primeira). O concurso baseia-se numa mão cheia de artistas que competem entre si para ver qual deles é o melhor pintor corporal (ou body painter, parece que em inglês soa melhor!).

Como em todos os concursos do género existe sempre uma pessoa mais ambiciosa que normalmente é aquela por quem eu torço, porque me chateia quando no decorrer do programa todos os supostos bonzinhos acabam por se juntar para lixar e falar mal da suposta pessoa reles. Nunca percebi este flip-flop de valores/ complexo de vítima mas eu sou sempre Team Ovelha Negra!

 

E pronto é isto que andei a ver. Agora é a vossa vez de me deixarem as vossas sugestões.

 

21 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Follow

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D