Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Triptofano

Como ser 20% mais feliz?

Triptofano

Como ser 20% mais feliz?

19
Ago17

Imparcialidade


Triptofano!

Hoje fiz uma coisa que há muito não fazia. Sentei-me e vi o telejornal. Além dos fogos as notícias principais eram sobre os atentados terroristas, em Espanha, na Rússia e na Finlândia. Todos eles reinvincados pelo Daesh, dois pelo menos levados a cabo por cidadãos de origem marroquina.

 

Enquanto vejo as notícias não consigo deixar de sentir o medo começar a entranhar-se no meu sistema nervoso. E se acontecer em Portugal? E se alguém que eu amo for vítima de um ataque? Rapidamente o meu cérebro começa a entrar em modo irracional e a arranjar culpados para esta insegurança que se apodera de mim. Os emigrantes, a religião muçulmana, as políticas demasiado liberais que deixam a Europa à mercê dos extremistas. De um momento para o outro transformo-me de pessoa razoável em possível vomitador de ódio nas redes socias. Isto é que o medo nos faz, tolda-nos a capacidade de ser imparciais.

 

Mas na realidade porque é que os ataques terroristas nos abalam tanto? E porque é que o seu impacto parece ser mais relevante quando ocorre na Europa?

 

A verdade é que nos identificamos mais com um tipo de cultura do que outro, o que nos faz perder alguma afinidade com uma imensidão de seres humanos. Se no Afeganistão explodir um carro bomba que mate oitenta civis é apenas mais uma desgraça que ocorre neste vasto mundo, se o mesmo carro bomba explodir em Paris sentimos o ataque como se fosse contra a nossa própria integridade. Não deveríamos ser imparciais e sentir da mesma forma a perda de qualquer vida humana? Ou só quando a nossa bolha ameaça ser rompida é que damos conta da carnificina que existe por esse mundo fora?

 

Culpar uma nacionalidade ou uma religião é sempre mais fácil! Quando a nossa segurança é posta em causa facilmente conseguimos perder a capacidade de ver a imagem global e passamos a ver apenas meia dúzia de frames. Os atentados têm sido cometidos por muçulmanos mas a culpa é da religião muçulmana? Quem nos garante que todos os que foram atropelados ou esfaqueados nestes ataques não eram também eles muçulmanos? Imparcialmente era mais correcto falar de um ódio ao ser humano do que de um ódio ao cristianismo.

Os atentados têm sido cometidos por emigrantes, mas a culpa é de se aceitar emigração? Que tipo de seres humanos somos nós para decidirmos que outros seres humanos que fogem da miséria e da morte não merecem uma nova oportunidade de ter uma vida digna? Em 2011 na Noruega um atentado à vida de 77 pessoas chocou o mundo. Imparcialmente deveríamos tê-lo catalogado como terrorista, porque na realidade difundiu o terror, mas é mais complicado de o fazer quando o atacante era caucasiano e cristão.

 

Tenho medo, não vou dizer que não tenho medo deste mundo onde vivemos. Mas isso não chega para olhar de lado para os muçulmanos que vivem pacatamente na minha rua, ou para mudar de lugar no comboio quando se aproxima uma mulher de véu, ou para apregoar o ódio e o preconceito nas redes sociais. Quando a humanidade em mim desaparecer vale mais a pena estar morto!

16 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Follow

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D