Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Triptofano

Como ser 20% mais feliz?

02
Nov17

Estou pronto para a Paternidade?


Quando eu e o cara metade convivemos com casais que têm filhos, ao verem o quão deslumbrado ele fica com as crianças, é inevitável perguntarem-me se está nos nossos planos a integração de um rebento na nossa vida.

 

Nesse momento eu coloco o meu melhor sorriso amarelo, e respondo um politicamente correcto quem sabe, talvez um dia... quando na realidade por dentro estou a gritar de pânico e a arrancar cabelos.

 

Durante anos, ao qual chamarei o meu período de inocência, presumi que a minha condição de homossexual me salvaguardaria dessa árdua tarefa que é ser pai. Como não havia nenhuma probabilidade de enfiar o meu pénis em alguma vagina que andasse a vaguear perdida por aí (nem mesmo com a desculpa da bebida a mais ou da luz a menos) estive descansado na minha vida, dormindo noites tranquilas por ter a segurança que por mais que se tentasse a próstata ainda não era um órgão possível de fecundar.

 

A questão não é eu não gostar de crianças, porque até gosto. Não é por pensar que elas vão chegar à minha vida e transformar as minhas oito horas de sono diárias em blocos de 15 minutos intercalados por intermináveis períodos de choro e birra. Nem sequer de ter a certeza que a minha vida sexual vai voar pela janela, pelo menos nos primeiros anos, ou porque a criancinha está sempre no caminho ou porque quando está a dormir vou estar demasiado exausto para sequer tirar a roupa. Muito menos por antecipar que todas as conversas profundas que anseio ter com os meus pares vão-se transformar em descrições de como foi a introdução do pêssego e do abacate na dieta do rebento.

 

O que me aterroriza, mas deixa completamente ansioso e com suores frios, é pensar nas perguntas. Aquelas perguntas que nenhum pai, por mais livros que leia, está preparado para algum dia responder.

 

E não falo daquelas questões básicas do tipo, se vocês não têm nenhuma vagina de onde é que eu saí? ou a típica, porque é que vocês não me deixam andar no baloiço que está pendurado do tecto naquele quarto em que eu não deveria entrar?

 

O que me atormenta são as perguntas científicas, aquelas que fazem uma pessoa perceber que tirou um curso universitário para nada.

 

Ontem o cara metade perguntou-me se os peixes tinham na sua composição maioritariamente água, essa água seria doce ou salgada?!

 

E eu não soube responder, na realidade nem nunca tinha pensado nisso! Só que com ele eu posso dizer-lhe para ir comer um quadrado de chocolate que ele esquece-se da pergunta. Mas se for uma criança vou fazer o quê? Ser acusado pela Segurança Social de negligência parental por ter causado diabetes ao meu filho?

 

Acho que ainda não estou pronto para a paternidade!

 

 

O LEITOR DECIDE.png

 

38 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Follow

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D