Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Triptofano

Como ser 20% mais feliz?

Triptofano

Como ser 20% mais feliz?

11
Set17

Estaremos Preparados?


Triptofano!

Ontem à noite quando estava tranquilamente a ver televisão com o cara metade começo a ouvir ao longe o som da sirene do carro dos bombeiros. E esse som distante começou a ficar cada vez mais próximo, até ao ponto de abafar por completo o som do filme que estávamos a visionar. Vou à janela e deparo com um carro dos bombeiros a entrar na nossa praceta e a parar mesmo em frente do nosso prédio. Fiquei logo em alerta - haveria algum fogo no prédio? Teríamos necessidade de fugir rapidamente?

 

Felizmente para nós os bombeiros entraram no prédio em frente - não havia sinais nem de fumo nem de fogo, provavelmente teria sido alguém preso num elevador ou uma outra situação de mais fácil resolução.

 

No entanto este sobressalto fez-me pensar se cá em casa estamos preparados para reagir a uma catástrofe!? Muito se fala nestes dias dos furacões e dos terramotos que assolam as Caraíbas, mas e se fossemos nós que tivéssemos de fugir rapidamente para salvar as nossas vidas? Após alguns minutos de reflexão percebi não estou minimamente preparado para uma fuga de emergência.

 

Discutimos seriamente o tema e eu e o cara metade resolvemos colocar em prática de agora em diante as seguintes recomendações:

  • Ter debaixo da almofada uma pasta com documentos importantes (por exemplo o passaporte que serve como documento de identificação), uma cópia das chaves de casa, um cartão de débito/crédito e um carregador de telemóvel. Caso estejamos a dormir e haja necessidade de uma evacuação urgente basta pegarmos na pasta e fugir.
  • Ter o telemóvel e a carteira perto da cama quando vamos dormir e ao pé da porta de saída quando estamos acordados e não num local perdido da casa. É preciso fugir rapidamente? Se soubermos onde estão as coisas menos tempo perdemos a procurá-las e poupamos segundos preciosos.
  • Optimizar o salvamento dos animais. As nossas porcas são basicamente as nossas filhas e seria impensável deixá-las para trás mas para isso temos que que estar prevenidos. Ao pé de cada gaiola está acessível a transportadora e junto à gaiola principal preparado um saco com feno, ração, comida e um biberão com água. Basta enfiar as porcas na transportadora, pegar no saco e sair de casa.
  • Saber o que é queremos salvar se tivermos tempo para isso. Numa emergência o mais importante é salvaguardarmos a nossa vida e dos animais, os bens materiais são secundários. No entanto caso haja tempo existem coisas de valor sentimental ou monetário que gostaríamos de levar connosco. Fotografias, joias, um objecto especial, todas essas coisas devem estar de preferência juntas com um saco ao lado caso haja necessidade ser tudo para dentro do saco e ala que se faz tarde. Caso não seja possível pelo menos ter a perfeita noção em que local do lar está cada objecto.
  • Ter a casa o mais desimpedida possível. Nada de portas que se abrem apenas a metade porque estão bloqueadas com tralha. Para mim uma casa deve ser funcional e não uma espécie de gincana- haverá coisa pior que estarem a tentar fugir e tropeçarem naquele caixote que não era suposto estar no meio do corredor? Nada de acumulações, nada de pilhas de objectos inúteis e potencialmente inflamáveis. O que para nós pode ser um caos organizado um dia pode transformar-se num inferno de chamas no dia a seguir.
  • Bateria no telemóvel sempre. Precisam de ligar para o 112 por alguma razão. O telemóvel está morto - a não ser que tenham um telefone fixo vão fazer o quê?
  • Caso haja um sismo onde é que nos podemos refugiar? As zonas mais seguras são vãos de portas interiores, cantos das salas, debaixo de mesas ou de camas. Identificar de antemão estas zonas e escolher uma preferencial. Se for por exemplo debaixo da cama guardar lá uma caixa com uma garrafa de água, conservas, medicamentos e um apito - se ficarmos presos nos escombros é essencial termos formas de sobrevivemos o maior tempo possível e de conseguirmos identificar a nossa presença.

 

Por fim e não menos importante, tentar não dormir completamente nu! Ou pelo menos ter um par de cuecas logo ali à mão, debaixo da almofada por exemplo. Já imaginaram o que era eu ser resgatado pelos bombeiros e nem ter tempo para tapar os genitais?

52 comentários

Comentar post

Pág. 2/2

Mais sobre mim

foto do autor

Follow

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D