Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Triptofano

Como ser 20% mais feliz?

21
Ago17

Coisas que o Cara Metade não gosta de fazer comigo


Eu e o Cara Metade somos um casal bastante unido, na opinião de certas pessoas somos até um bocado enjoativos porque andamos sempre juntos, queremos sempre fazer tudo os dois, mandamos mensagens fofinhas se um de nós se demora mais que cinco minutos na casa-de-banho, enfim aquele tipo de casal que vai de certeza ter diabetes mesmo antes de chegar às Bodas de Barro.

 

No entanto como nem tudo são rosas, existem algumas coisas que o Cara Metade não gosta de fazer comigo, não vou dizer odeia porque é uma palavra assim muito forte, basicamente ele ficaria mais feliz se eu nunca mais falasse de tal assunto.

 

Fica então um Top 5 de coisas que o Cara Metade agradeceria não ter de voltar a fazer comigo.

 

1 - Jogar Pokemon Go

 

Cada vez que digo que gostava de ir apanhar pokemons o cara metade esboça um esgar de desespero que mais parece que lhe estou a dizer que as reservas mundiais de chocolate esgotaram.

 

Sei que a culpa não é do jogo per si mas sim do facto de ele saber que na próxima hora e meia vai desempenhar o papel de condutor Uber enquanto eu desligo-me da vida e só quero saber de atirar pokebolas a tudo o que for bicharoco estranho.

 

Eu acredito que ele até tivesse mais paciência se eu fosse um jogador de baixa manutenção mas mal começo a jogar é ouvir-me refilar que a internet é uma porcaria, que ele não devia acelerar tanto que eu não consigo rodar as pokestops, que ele devia acelerar mais que aquela zona tem menos pokestops que o Love on Top tem audiências, que há uma sombra dum pokemon desconhecido ali perto e que se ele não andar às voltas durante 15 minutos e fizer pelo menos três contra-ordenações graves eu vou ficar amuado o resto da semana!

 

Também não ajuda quando ele está concentrado na condução e eu lanço um grito tamanho que parece que uma velhota se atirou para a frente do carro quando na realidade foi um pokemon raro que me apareceu e todo eu sou amoras e bananas e lá que raio de frutas eles inventam para cima do bicho para ver se ele não me escapa da bola, ignorando por completo o facto do cara metade ter tido quase um enfarte com o susto. 

 

2 - Jogar Magic

 

Tenho uma colecção simpática de cartas Magic e o cara metade no início quando me conheceu até me deu mais algumas. Suspeito que ele achava que aquilo era só para coleccionar e não para jogar porque a felicidade dele desapareceu quando eu insisti que ele devia fazer batalhas comigo.

 

É verdade que ele tentou perceber a dinâmica da coisa, mas tantos terrenos e vira não vira volta a virar, manda feitiço e criatura e encantamento deram cabo da paciência dele. Isso e o facto de volta e meia quando ele estava a pensar que ia ganhar eu lançar uma mágica instantânea, ressuscitar o meu cemitério todo, impedir as criaturas dele de bloquear e pimba, Triptofano ganha Cara Metade fica ressabiado.

 

3 - Jogar Epic Mickey 2: The Power of 2

 

Neste momento vocês estão a pensar que existe aqui um padrão. Talvez devêssemos deixar de nos aventurar no mundo dos jogos porque é evidente que a coisa não corre bem. Mas nós gostamos de desafiar as probabilidades, somos uns rebeldes! Foi por isso que num dia que andávamos à procura de pechinchas encontrámos um jogo para a Wii chamado Epic Mickey 2: The Power of 2. Basicamente é um jogo de cooperação onde alguém faz de Mickey, um rato armado com um pincel que pinta ou derrete objectos, e o outro faz de Oswald, um coelho que usa as orelhas para voar e tem um aparelho que lança raios eléctricos.

 

O cara metade quer ser sempre o Mickey porque tem a mania que é líder, só que o grande problema é que somos dois galos numa capoeira, por isso diálogo e coordenação não existe entre nós quando estamos a jogar. Basicamente cada um vai para seu lado e um pode estar a tentar matar um monstro enquanto o outro está a um km de distância a apanhar cristais - conclusão, dificilmente passamos do primeiro nível sequer.

 

Agora tenho de dar a mão à palmatória e confessar que quando jogo viro um bocado bicho, é o stress que se apodera de mim. Quando finalmente nos juntamos para matar um monstro é ver-me a gritar, Vai-te a ele, manda-lhe tinta, foge homem foge, não morras, bolas morreste, ressuscita-me, anda para a esquerda, depressa, acordaaaaaaa, enquanto o cara metade está tranquila e serenamente a controlar-se para não me mandar o comando à cabeça.

 

A única coisa que nos une e evita que haja chatices de maior é quando fazemos as vozes das personagens e criamos um romance inter-espécie (não nos julguem)

 

Epic-Mickey-2-The-Power-of-Two-Free-Setup.jpg

 

 

4 - Dar comida aos Patos

 

Como já escrevi aqui no blog uma das coisas que me faz feliz é dar comida aos patos da Gulbenkian. No entanto apesar do cara metade também gostar desta actividade os nervos ficam-lhe à flor da pele quando a faz comigo.

 

Tudo porque eu sou muito picuinhas e gosto que o momento seja eu e os patos, os patos e eu, e não eu os patos e mais cinquenta pessoas ao redor a gritar e a apontar e a fazerem-se aos meus pedaços de pão bolorento. Pelo cara metade o primeiro spot de alimentação que víssemos era perfeito mas eu se vislumbro uma alminha perto espero que ela se vá embora ou vou dar uma volta gigante à procura dum local sem ninguém.

 

Claro que a Gulbenkian num Domingo à tarde tem mais afluência que uma estação de metro onde estejam a dar amostras de iogurte por isso a alimentação dos amigos penudos é um processo que costuma demorar o seu tempo.

 

5 - Batalhas na Cama

 

Quando eu e o cara metade queremos resolver um conflito optamos pelo ancestral método da batalha na cama, que basicamente consiste em o primeiro a ficar totalmente fora dela perde.

 

São batalhas não recomendadas a quem tenhas ossos do maxilar fracos, porque normalmente há sempre um de nós que leva uma cotovelada que faz ver estrelas.Nesta luta entre lençóis e almofadas vale tudo, cócegas, preguinhas, apertar as cabeças dos dedos e fazer jogo psicológico mentindo que se comprou gelado de chocolate e caramelo e que este ficou fora do congelador.

 

Porque é que ele não gosta das batalhas na cama? Porque eu tenho uma arma secreta que me faz ganhar todas as lutas, a chamada técnica lapa. Esta técnica é muito simples, basicamente eu fundo-me com a cama qual lapa e ninguém me consegue arrancar dela. Basicamente eu seria a melhor pessoa para me agarrar a um plasma numa Black Friday nos Estados Unidos porque de certeza que com a técnica lapa ninguém me ia conseguir tirar de cima dele.

 

E por aí? Existem coisas que as vossas caras metades não gostem de fazer convosco?

40 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Follow

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D